RedeGN - Sempre ligado.

Foram encontrados 356 registros para a palavra: Agenor Santos

Artigo: Corrupção à portuguesa, com certeza

Praça Marquês de Pombal (1) - Praça do Comércio (2)

Além da enorme preocupação com a preservação da vida - do próprio, de familiares e amigos -, no trágico momento em que a Pandemia provoca uma devastação mundial, cada cidadão tem as suas particularidades no universo de sonhos, desejos e vontades ora frustradas. Por exemplo, para aqueles que se deleitam com os prazeres de viagens turísticas anuais, de vasto enriquecimento cultural, tem sido sofrido não mais poder realizá-las, até porque existe o bloqueio impeditivo para o acesso em alguns Países. Vale lembrar que lá fora a preocupação com o seu cidadão é muito diferente do que se passa por aqui.....

Artigo – Ministérios: Operação troca-troca!

Numa análise racional do momento político, os excessos e paixões tanto de um lado como de outro, são atitudes sempre inaceitáveis, porque tendem a perder a noção do equilíbrio e coerência desejados numa conversa democrática.

É de se lamentar, mas a realidade presente nesses diálogos, quase sempre, não é o reconhecimento de erros graves cometidos aqui ou acolá pelo governo atual, ou pelos que o antecederam, mas buscar, invariavelmente, alguns motivos que possam justificar e compensar, numa percepção de que o que mais importa é defender os princípios ideológicos de cada qual. Como disse o Marquês de Maricá: “Folgamos com os erros alheios, como se justificassem os nossos”! Parece uma profecia para toda uma vida.....

Artigo – Uma falsa conversão?

                           

(Leve mudança: todos com máscara!!!)                             

Alguns atos e fatos estranhos que vêm acontecendo mais recentemente, de certa forma atiçam a nossa capacidade de entendimento ou interpretação. Por exemplo, foi anunciada a nomeação de um novo Ministro da Saúde, o médico Dr. Marcelo Queiroga, em substituição ao Gen. Eduardo Pazuello. Convidado a comparecer ao Palácio do Planalto, na saída do encontro já houve uma entrevista com a imprensa, quando anunciou os seus planos de trabalho e fez referências à gestão do ex-ministro. Daí em diante, parecia ser o novo ministro de fato, mas, a Portaria de nomeação e publicação no Diário Oficial, não acontecia... E não é que no dia 23/03, oito dias após o convite, a posse ocorreu em ato simples e discreto, mas a publicação no Diário Oficial, nada! Até pouco tempo atrás a regra era clara: só após a divulgação do ato, o nomeado tomava posse!..

Artigo – Saúde: “um manda e o outro obedece!”

Nesse momento mais que conturbado em que vive a população brasileira, uma pergunta perturbadora surge no cenário nacional: Em que País realmente estamos vivendo? No Brasil dos 212 milhões de brasileiros, com uma Pandemia que já registra 2.900 mortes diárias e quase 300 mil vidas perdidas, ou no Brasil de alguns políticos negacionistas, ou seja, indivíduos “que negam um fato comprovado e documentado, ou pessoas que negam ou não aceitam como verdadeiros, conceitos comprovados cientificamente”? E que parecem viver no mundo da fantasia e fora da realidade de uma tragédia, não só nacional, mas mundial? 

Sim, porque esse é o único questionamento para explicar declarações tão desprovidas de equilíbrio e sensatez, sendo a bobagem mais recente a débil declaração do líder do Governo, Deputado Federal Ricardo Barros (PP-PR), que disse no último dia 17/03/21, sobre a situação do Brasil na pandemia do coronavírus: "não é tão crítica, comparada aos outros países. É uma situação até confortável"!!! São tantas as declarações loucas e pouco imaginativas, que até envergonha repeti-las!..

Artigo – Uma gafe e um tsunami político

Foram tão significativos e relevantes os principais fatos políticos da semana, que não me contive em fazer uma breve reflexão sobre ambos. E pela ordem sequencial das fotos da ilustração, o leitor já identifica no primeiro quadro acima, a imagem que bem caracteriza a falsidade de uma política governamental de combate ao coronavírus.

A comitiva oficial composta de 10 membros, representando três Ministérios - num avião da FAB -, está aí alinhada para a foto oficial, antes de decolar para Israel, com a finalidade de lá discutir o intercâmbio de tecnologias ligadas ao combate da pandemia, incluindo o spray nasal israelense EXO-CD24. O contraponto é terem saído do Brasil sem máscara, e lá chegando, todos já estavam enquadrados dentro dos protocolos rígidos dos países desenvolvidos. Aqui, comportamento desigual, anormal e desprezível!..

Artigo – O vírus, a indiferença e a vacina

Em qualquer parte do mundo, nada é mais comum do que o despreparo da maioria em lidar com uma Pandemia, cuja ação invisível de um vírus se constitui em risco quase indefensável, restando a todos, apenas, buscar as medidas paliativas protetoras, tentando evitar a infecção e maiores consequências à vida, enquanto a vacina não chega para cada um. Certamente que, naquelas Nações onde existe uma reconhecida condição econômica, social e cultural, é mais notória a capacidade de melhor se enquadrar num processo de superação, pelo nível de disciplina e educação das pessoas. Ou seja, civilidade e civilização fazem a diferença! Diga-se de passagem, sem a tal ideologia.

O mesmo, contudo, não se pode dizer dos nossos patrícios que, de norte a sul, de forma imprudente e acintosa, desrespeitam os protocolos e abusam da sorte em festas entocadas nas cafuas com grandes aglomerações, mesmo sabendo que os hospitais estão em estado quase de calamidade. Esses vulneráveis, após contaminados e em estado grave, bradam contra o sistema de saúde. São errados e irresponsáveis!..

Artigo - Covid: Mortes de norte a sul, leste a oeste!

Por mais que haja empenho de boa parte da população em aceitar a complexidade do momento, a realidade se torna cada vez mais difícil de ser absorvida. E um dos fatores mais preponderantes e que contribui negativamente para que não se alcance uma mais razoável compreensão dessa gravidade, é a enorme diversidade conceitual sobre o Vírus COVID-19 e seus muitos protocolos em circulação nos diversos órgãos de imprensa, tanto por posições assumidas pelos seus editores, como por manifestações médicas divergentes por parte de muitos profissionais da área. Ora, é evidente que esses conflitos criam enorme angústia e desesperança!

Outro fator que afeta fundamentalmente o sentimento de confiança e crença de que tudo isso vai passar, esbarra na chocante falta de prioridades objetivas no combate ao COVID-19, desde o início...

Artigo – Não é hora de brincadeira, excelência!

Depois do deleite favorecido pelos encantos do Luar do Sertão, crônica da última semana, volto a circular pelos tortuosos meandros do mundo político, cujo comportamento de muitos dos seus principais agentes está revestido de inverdades e hipocrisias, que maculam a confiança e a credibilidade que deveriam repassar ao povo brasileiro. Mas, diante desse espectro dominante de tal mundo, uma postura de repúdio tem de ser concreta e efetiva, principalmente se buscarmos inspiração no belíssimo pensamento do Rev. Martin Luther King, in memoriam: “O que me preocupa não é o grito dos maus, mas o silêncio dos bons”. Essa é, realmente, a preocupação de todos nós!

É profunda a reflexão que a frase sugere, visto que não deve preocupar, jamais, o grito dos opositores de fato e que foram derrotados nas urnas – não significa dizer que são todos “maus” –, porque, divergir e se opor no campo político, são características inerentes ao processo democrático. O que surpreende e inquieta é “o silêncio dos bons”, que se empolgam e se influenciam por uma mídia de redes sociais voltada à construção de uma falsa imagem de “mito”, vindo a padecer de uma cegueira onde excessos e omissões não são considerados...

Artigo – O luar do sertão (II)

Em razão da Pandemia, os nossos movimentos se tornaram condicionados a espaços restritos e hábitos protocolizados, o que nos leva a viajar no tempo, revivendo as saudades de passeios nacionais e internacionais, os afáveis encontros com os amigos, visitar cidades etc. Com mais tempo para pensar, obviamente que as reflexões nos despertam para boas ou, às vezes, más recordações.

Assim é que, num momento de lembranças do sempre querido rincão de Uauá, a “Capital do Bode”, onde, durante 10 anos, tive o prazer de conviver profissionalmente, fui induzido pela memória a recordar e reeditar a crônica sob o título acima, que completará 10 anos de publicada, ou exatamente em 12 de outubro de 2011, inspirada num instante de romantismo, e que outro não poderia ser o título: O LUAR DO SERTÃO!..

Artigo – O discurso e a realidade

A semana foi bastante movimentada no cenário político nacional, com as eleições para as presidências do Senado e da Câmara. O surgimento inicial de tantos e tão fracos nomes - salvo algumas exceções -, num total de 9 concorrentes em cada Casa, demonstrou que o elevado número de candidatos inscritos, longe de ensejar o convencimento de uma notável disputa democrática, passou a ideia da existência oculta da tradicional barganha, em que o parlamentar fantasia o interesse pela disputa e a candidatura é retirada em cima da hora. Então, o seu apoio e os votos do partido simplesmente são repassados na operação conhecida como “toma lá dá cá”, principalmente por ser o voto secreto. Num português gozador, coisas de malandros!!!

Dizem as más línguas, que no silêncio dos bastidores muitas verbas das tradicionais Emendas Parlamentares tiveram as suas liberações asseguradas, ou cargos prometidos. Sempre aconteceu nos governos da Esquerda, e com a Direita não tem sido diferente. As práticas nocivas estão sempre presentes nos atos e fatos do Poder Público, invariavelmente, corrompendo pelos agrados de diversos matizes...

Artigo - Presidente: Atropelando pelas palavras!

É óbvio que é um ato de justiça o reconhecimento, por apoiadores ou contrários, de medidas implantadas pelo atual governo que se configurem no rol das providências acertadas, embora essa seja uma obrigação já implícita ao cumprimento do dever. Mas, de maneira mais incisiva, há uma avaliação que lhe recai sobre os ombros, decorrente de um elenco de manifestações negativas de grande repercussão e relevo, porque inadmissíveis seu cometimento pelo Presidente da República. 

Tenho visto em alguns comentários e mensagens que circulam pelas redes sociais, a afirmação contundente dos seus defensores de que “ninguém é perfeito”, como forma de justificar e minimizar tantas barbaridades ditas e repetidas aos montões pelo Bolsonaro. ..

Artigo - Vacina: Disputas e vaidades vergonhosas

Cenas do início da vacinação:  Rio, S. Paulo e Salvador

O início da vacinação no Brasil, nesta semana - ainda que com enorme atraso, em relação ao resto do mundo -, foi motivo de grande empolgação para toda a população brasileira, porque são muitas as esperanças de um novo tempo!..

Artigo – Entre as Redes Sociais e o Brasil real

É surpreendente ver como o mundo das controvérsias políticas e ideológicas mexe com o equilíbrio e a capacidade de avaliação das pessoas, principalmente quando essas estão afetadas por um sentimento mais sectário, que não permite aos demais uma visão crítica independente. Entendo a direita e a esquerda, ambas, tem algo em comum: não gostam de ler, ouvir e conhecer a verdade. Não sabendo eles que o texto bíblico nos ensina: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. A verdade é que a Esquerda vive um desterro político pós Lava-Jato de extensão ainda não imaginada, além de não ter se renovado. E, do outro lado, dona Direita sempre vaidosa, e algumas vezes, malvada e mal falada. 

Ora, é tão difícil assim para alguém admitir um ponto de equilíbrio numa análise política, de acordo com o desempenho e atitudes de quem está no Poder, no momento de uma reflexão mais pragmática dos fatos e ações do Governo? Para mim é indiferente se quem está no Poder é de Esquerda ou Direita, uma vez que aqui já elogiei e critiquei ambos os segmentos ideológicos. Tão pouco pretendo ser dono da verdade, e sim promover algumas considerações sobre quem quer que esteja ganhando o meu e o seu dinheiro para bem nos representar...

Artigo – Tal pai, tal filho?

Quando o que mais se esperava era um início de ano alvissareiro, com um horizonte pleno de boas expectativas, sem os percalços que tanto incomodaram a vida das pessoas no Brasil e no Mundo, eis que a maior potência mundial, parâmetro modelar do Sistema Democrático em todo o universo, e sob a convocação e incentivo direto do próprio Presidente da República, Sr. Donald Trump, que já está praticamente com os dois pés fora da Casa Branca, dá um péssimo e indigno exemplo de como insuflar a população à desordem e à anarquia contra as Instituições.

O que se presenciou no último dia 06 de janeiro nos EUA, foi tão raro e inusitado de se ver que, certamente, vai ser uma página virada na História americana! Pela República dos EUA nunca passou um Presidente tão obtuso e débil no exercício da liderança do país, tanto no plano interno como internacional. Se o chamarmos de casca-grossa é uma forma clássica para não o classificar de despreparado para o cargo...

Artigo – Ano Novo ou novo mundo?

Nada mais surreal do que imaginar uma passagem de ano em que há restrição em se abraçar um parente ou um amigo, e mesmo certa reserva em fazer uso da tradicional frase: FELIZ ANO NOVO! Essas são as formas mais emblemáticas para caracterizar essa festa! Mas, o calor desse esperado abraço está inibido pelo protocolo oficial e não recomendados pelos princípios da prudência e da sensatez. Assim, os bons votos parecem estar carregados da energia negativa que está a envolver as pessoas nos dias de hoje, e a fortalecer a dúvida se algo realmente vai mudar para melhor no Novo Ano. Acredito que, pela primeira vez nos últimos 100 anos, a data de 31 DE DEZEMBRO chegou acompanhada pelo tormento causado por essa silenciosa e inusitada praga!

Nada mais cruel para o sentimento de amor e afeto humano, do que ter de viver num recomendado isolamento social, às vezes quebrado pelas necessidades mais imediatas ou por fugas manhosas impostas pelo coração, sempre com o amparo do forte argumento defensivo: “estávamos todos com máscara”!..

Artigo – Pandemia: A máscara em dois tempos

Chegou o Natal e se aproxima a passagem do Ano, e vem se confirmando o esperado: comemoração fria, triste, desmotivada, sem os abraços empolgados entre os poucos familiares presentes, e sem a participação tradicional dos amigos mais íntimos. Sempre se afirmou que o Natal é uma Festa de Família. Mas, para evitar a aglomeração, o encontro natalino deste ano ficou restrito aos da casa e, no máximo, os filhos e netos da mesma cidade.

Muitos parentes e amigos tiveram de construir o seu próprio Natal. Essas medidas necessárias quebraram o deslumbramento dessa tão bela e esperada festa. E logo a festa da irmandade, a qual o mundo tanto precisa!..

Artigo – As decisões dos indecisos!

No dia a dia, deparamo-nos com muitas ocasiões de graves incertezas, quando a tomada de uma decisão pode sofrer brutos bloqueios ou, se ela é adotada de forma precipitada, pode provocar algumas consequências negativas. De maneira mais amena, a indecisão pode acontecer durante a tortura que precede à escolha do produto ideal durante as compras de confecções ou móveis, mas, quando conclui que a aquisição de uma determinada peça foi indevida, logo o impasse é resolvido pelo simples processo de troca nas lojas.

Dentre muitas outras qualidades que integram o perfil de um líder, uma delas tem especial importância: “ser determinado e saber tomar as decisões mesmo que não disponha das informações necessárias”. Quando um setor de Recursos Humanos de uma empresa realiza uma entrevista de emprego, naturalmente que, com toda habilidade e sutileza, o entrevistador procura identificar, criteriosamente, todas as qualidades que integram o perfil do candidato, principalmente a sua capacidade de “tomar decisão” nos momentos mais graves e delicados do trabalho que passará a realizar.

Já para a escolha de candidatos a Prefeito, Governador e Presidente, a legislação não prevê uma entrevista prévia desse nível e com critério seletivo, daí decorrem as surpresas e decepções! Diga-se de passagem, muitas das surpresas já começam até mesmo durante a campanha eleitoral e, na maioria das vezes, o eleitor deixa-se enganar...

Artigo – “Quem dá mais... Quem dá menos?”

Há uma frase que se tornou histórica, a qual afirma que “o Brasil não é um país sério”, e que terminou por ser incorporada ao linguajar mordaz do povo brasileiro, quando, numa visão crítica ao deparar-se com situações inusitadas e contestáveis, faz questão de repeti-la sempre, talvez como forma de consolo ou conformidade! Embora consagrada como de autoria atribuída ao Presidente da França Charles De Gaulle, essa insinuação foi sempre reprovada, por não se admitir que um Estadista do seu nível jamais se pronunciaria de forma tão deselegante com relação a um país que visitara em 1962, quando recebeu as mais festivas e dignas homenagens, como uma das grandes lideranças Aliadas durante e após a 2ª. Guerra Mundial, ao lado de Franklin Roosevelt e Harry Truman (EUA), Winston Churchill (Inglaterra) e Josef Stalin (União Soviética).

Sem uma explicação convincente, contudo, eis que o diplomata brasileiro Carlos Alves de Souza Filho, embaixador do Brasil na França entre 1956 e1964, genro do ex-presidente Artur Bernardes (1922-1926), lança um livro sob o título “Um embaixador em tempos de crise” (Livraria Francisco Alves Editora, 1979), no qual confessou ser o autor da frase que se tornou tão famosa. Inexplicavelmente, o ônus da expressão recaiu até hoje sobre os ombros do General De Gaulle! Também, pudera, se dissesse que o autor era esse embaixador, que fama teria a tal frase? Talvez nenhuma...

Artigo – A história política dividida em ciclos

Da lagarta à borboleta

Tão logo divulgados os resultados das urnas de cada pleito, o quadro pós eleitoral oferece uma grande diversidade de análises e avaliações múltiplas, não somente pertinentes ao desempenho dos candidatos e suas respectivas legendas partidárias, mas, principalmente, no que tange ao prestígio dos apoios oferecidos pelas lideranças políticas e qual a efetiva expressão de valor das indicações passadas aos seus eleitores, supostamente fidelizados ou, como é comum se dizer em algumas regiões do interior, encabrestados por algumas benesses. Qual é mesmo o nome disso no popular? Voto de cabresto!..

Artigo - Brasil: Condenado ao terceiro mundo?

Temos vivenciado momentos curiosos no cenário político que vem se tentando construir no Brasil dos dias atuais, em que se confunde o sentido de patriotismo, honra e amor à pátria, com deselegância e grosseria com países parceiros. Tristemente, ainda fazemos parte do rol clássico do Terceiro Mundo, ou seja, bloco das nações consideradas pobres e com sérios problemas sociais como a violência, a miséria extrema e a corrupção.

As investigações da Operação Lava Jato, por mais que combatidas e execradas, somente confirmaram essa tendência típica de pátria Terceiro-Mundista. E sobre essa Operação não se fala mais, por quê?..