RedeGN - Sempre ligado.

Foram encontrados 396 registros para a palavra: Agenor Santos

Artigo – Democracia com emendas impositivas?

O tema é de abordagem sempre muito delicada porque, mesmo que alguém nunca tenha tido a experiência de conviver com um regime político de força, ou tomado conhecimento do seu significado através da história escrita, percebe-se que a simples menção da palavra Ditadura já mexe com a sensibilidade das pessoas, provocando reações típicas de um sentimento de verdadeiro pânico.

O exercício do poder absoluto de alguém sobre uma pessoa, um grupo ou toda uma população é inaceitável, sob todos os aspectos. Isso porque se trata “de um regime de governo em que existe a concentração de poder e de decisões em uma pessoa ou em um grupo...

Artigo – Aqui, temos o vírus... da corrupção!

Diante da nova calamidade que atinge o valoroso povo chinês – não é a primeira! -, é impossível não destacar a postura ímpar dessa gente, cuja atitude silenciosa não significa inércia ou acomodação no enfrentamento de problema de tamanha magnitude, mas um profundo envolvimento na busca da sua própria solução, sem choros ou lamentações! Impressiona que, com uma população de 1,3 bilhão de habitantes e com sérios riscos do coronavírus se alastrar de forma perigosa sobre milhões de pessoas, os chineses não pediram socorro ao mundo, mas buscaram enfrentar o inimigo de maneira humana e corajosa. 

Por ser um tema muito especial e técnico, hesitei em circular por esses meandros, até que tive a felicidade de conhecer alguns escritos da autoria do preparadíssimo aposentado NORTON SENG, colega de brilhante trajetória funcional quando na ativa no Banco do Brasil. Isso porque ele exerceu por quase 10 anos (1992-2002) o cargo de Chefe do Escritório de Representação do BB, em Beijing (China), com circulação constante no Japão, Hong Kong, Cingapura, Taiwan, Coréia do Sul, Indonésia, Tailândia, Macau e Austrália, entre outros, e assim, com o vasto conhecimento da região e sua cultura, ninguém melhor para emitir algum conceito sobre a gravidade do momento...

Artigo – Das Pragas da antiguidade às tragédias atuais

São tantas as tragédias registradas nos últimos tempos, marcadas por um rastro de destruição de áreas florestais e urbanas das cidades, o que tem provocado intensa dor, tristeza e morte a milhares de pessoas que, de repente, muitas perguntas e indagações são produzidas na busca de uma explicação para uma nova realidade que está sendo escrita. É vasto o universo de questionamentos quanto às suas causas, que tanto podem estar vinculadas a atitudes e intervenções inconsequentes do próprio ser humano, como a uma fúria da natureza que foge à capacidade de entendimento das pessoas comuns! Naturalmente que espiritualistas devem estar direcionando seus estudos e reflexões para encontrar explicações comparativas em episódios análogos dos tempos bíblicos, em que pragas e outros tipos de destruição atingiam os povos como uma forma de punição ou mesmo como uma condenação Divina pela desobediência dos povos de então.

Alguns lembrarão que após o Dilúvio que destruiu quase totalidade dos seres viventes nos primórdios dos tempos bíblicos, Deus firmou com Noé um novo pacto: “Estabeleço a minha aliança convosco: não será mais destruída toda carne por águas do dilúvio, nem mais haverá dilúvio para destruir a terra. [...] Porei nas nuvens o meu arco; será por sinal da aliança entre mim e a terra”. (Gênesis 9:11 e 13). Ainda que os céticos insistam em não aceitar esse fato bíblico, o Arco-Íris nas nuvens durante cada tempestade parece repassar a convicção de ser uma forma de autenticar a assinatura Divina e lembrar ao homem que a Aliança permanece indelével. Ou seja, que a Palavra do Criador está sendo cumprida. E quanto mais dúvidas tiverem, mais Ele vai provar que a Natureza merece respeito!..

Artigo – A VOLTA FASCINANTE: ELEIÇÕES 2020

Ainda que sejam abundantes os fatos e acontecimentos a oferecerem farto material para alimentar um tema semanal, optei por continuar pensando no novo ano e captar o que seria mais significativo a uma breve reflexão. Daí, surgiu no cenário mental a lembrança de que em outubro próximo o Sistema Democrático terá a oportunidade de ser reafirmado, com a realização das Eleições Municipais em 04 de outubro (1º. Turno) e em 25 do mesmo mês (2º. Turno), em todo o país. Será uma grande oportunidade para o eleitor que sempre clama por mudanças, de fazer prevalecer a sua eventual insatisfação.

Na ocasião, serão eleitos 5.571 Prefeitos, 5.571 Vice-Prefeitos – inclusive o Distrito Federal -, e cerca de 70.000 Vereadores. Parece pouco? Imagine, o caro leitor, o tamanho da estrutura que está por trás de tudo isso, a fim de fazer funcionar a máquina administrativa, tanto na dimensão dos recursos humanos como materiais! Considero muito oportuno o projeto do atual governo, encaminhado ao Congresso Nacional, para sustar a existência de municípios com até 5.000 habitantes que não demonstrem meios de sustentabilidade. Ora, essa falta de condições atinge centenas de outros municípios, até mesmo com população superior a esse número. Não obstante, considerando o interesse eleitoral dos Deputados e Senadores em 2022, não acredito na aprovação dessa medida, mesmo porque eles jamais vão de encontro aos próprios interesses...

Artigo – “RECORDAR É VIVER...”

A vida é plena de recordações de vários matizes, sendo umas boas, e que inspiram reflexões e lições positivas para os dias atuais e futuros; e outras, ruins, que não têm esse condão, mas deixam ensinamentos de como não repetir certas experiências nem no presente, nem no futuro. Essa verdade fez parte de uma bela marchinha do Carnaval de 1955, composição de Aldacir Louro, Aloízio Marins e Adolfo Macedo, com interpretação de Gilberto Alves: “Recordar é viver, eu ontem sonhei com você”. Por exemplo, sonhar com a (o) amada (o) é algo sempre muito bom! E aqui vamos até radicalizar: quem não sonha com a (o) amada (o) não a (o) ama de verdade...!!!

Qual leitor, mercê de tantos e tão grandiosos avanços tecnológicos, recheados de novidades que impressionam, não tem reservado no cantinho da sua memória algo muito especial de longos anos passados, quiçá dos tempos da infância? Quantas rodas de bate-papos são enriquecidas por essas lembranças, provocando sorrisos e emoções, quando não expressões saudosas do tipo: “aquele era um tempo bom”!..

Artigo 380 – APESAR DISSO...!

Tem sido interessante observar o grau de dicotomia que vem permeando os conceitos contidos nas avaliações dos analistas políticos de rádio e televisão - em nível nacional -, com relação ao atual Governo Federal. Embora seja normal e compreensível que tenham posições ideológicas eventualmente divergentes, é gritante observar que esse não alinhamento tem sido motivado, geralmente, pelo desengajamento do novo Governo em manter o patrocínio comercial dos últimos anos das respectivas empresas, por razões óbvias e lógicas.

Pelo ralo da permissividade escoavam altos valores em bilhões de reais, além do beneplácito de não cobrar dívidas acumuladas em impostos, apropriação indébita das contribuições não recolhidas à Previdência, etc. Para quem acompanha diariamente esse noticiário, percebe que a carga exagerada de notícias e comentários contrários, apega-se de forma imperdoável a detalhes isolados e, às vezes, despreza enxergar um conjunto de medidas voltadas ao esforço de recuperação nacional. Isso é um fato a olhos vistos e, só não o ver, o ceticismo cego e irracional...

Opinião – Um novo tempo... Novos ajustes

Quão bom e quão suave aos nossos sentidos, é ver um povo sorridente, com palavras amáveis e mensagens carinhosas, caracterizando o clima que impera agradavelmente nesse período de final de ano. É um espírito de doação integral, que supera todas as falhas, dissabores e deficiências nas relações entre as pessoas ao longo da trajetória da vida. 

Até o Presidente Bolsonaro, presenteou e surpreendeu a população com três grandes novidades: 1) Repetiu a tradição dos últimos presidentes, e veio passar uns dias de folga na Base Naval de Aratu, Praia de Inema, próximo a Salvador, Aliás, é impossível não registrar um fato ocorrido, cuja atitude foi imprevisível para todos:  deixou o seu recolhimento e se deslocou para visitar o povo do Povoado próximo, andou em Supermercado, veio a Salvador para circular no Farol da Barra sob aplausos e cumprimentos das pessoas, além de visitar o Forte. Para quem as pesquisas indicam um elevado índice de rejeição e desaprovação popular, e ter a coragem de andar num território “outrora petista”, parece-me que a realidade tem um perfil hoje bem diferente! 2) Travou a língua solta dos “filhinhos”, que só atrapalhava o seu governo; 3) O último fato inusitado é ter passado o final de ano sem perder o humor ou mandar algum repórter que: “vá perguntar à sua mãe!”. Sinal de breve evolução na linguagem da comunicação! Ao menos por esses dias de confraternização, foi assim!..

Artigo – ANO NOVO: ANTES E DEPOIS

Como sempre acontece, o Natal tem o poder de ser uma Festa revestida de muito carinho e agradável encantamento, não somente pela memória que permite relembrar o nascimento do menino Jesus, como pela particularidade de ser conhecida como uma “festa da família”. Ainda que no entorno dos festejos haja uma forte ascendência dos interesses comerciais, é insuperável e contagiante a alegria de adultos e crianças ao se presentearem mutuamente, com aquele tradicional e singelo FELIZ NATAL!  

Mesmo que ainda esteja a sentir os eflúvios especiais da noite natalina, eis que já estamos à espera do agradável gostinho de outra data também muito especial, que embala os sentidos de todas as pessoas, pela importância que representa o dia 31 de dezembro. Ainda que o final da jornada ao longo de 365 dias, às vezes, não deixa muita coisa a comemorar, mas, é impossível não reconhecer que emociona a passagem dos últimos minutos que marcam a transição entre um ano que passa e já representa um passado, e outro que se inicia trazendo esperanças e novas expectativas de vida para as pessoas. ..

Artigo – NATAL... UMA TRÉGUA MOMENTÂNEA!

Como ocorre em todo período natalino, essa é a época do ano de maior efervescência na atividade comercial, em complemento de um intenso fluxo industrial precedente. Esses dois vibrantes segmentos econômicos são fatores básicos da economia, além de importantes geradores de novos empregos para nossa gente. Mas, em paralelo a esse universo de trabalho, estão os festejos natalinos trazendo sempre uma aura de espiritualidade e paz, de harmonia e de desarmamento dos espíritos. É como se um decreto divino estabelecesse uma pausa na animosidade e no ódio, recomendando que se tenha uma dosagem maior de tolerância ante as agressões de toda espécie no dia a dia. A atmosfera de alegria e encantamento é muito significativa e afeta profundamente a sensibilidade das pessoas, fazendo-as recordar do sentido maior daquelas comemorações que se repetem todos os anos: o nascimento de Cristo, o filho de Deus, que se fez homem e trouxe à humanidade uma nova mensagem de vida.

Em sociedade é preciso que se tenha a exata percepção de que “tolerar” não significa renunciar aos princípios que defende, nem se acovardar ante as posturas pouco éticas dos eventuais opositores. Ambos os lados devem primar pelo respeito e pela decência na defesa de suas ideias, evitando a provocação gratuita que enoja e empobrece as relações entre as pessoas e o processo político. Por exemplo, particularizando um fato há muito merecedor de destaque, lembro que o espaço destinado aos COMENTÁRIOS na coluna do BLOG é reservado ao leitor para concordar ou se opor ao pensamento do autor do texto acessado, nunca para chulas expressões de ataques a autoridades, políticos ou partidos; frases beligerantes padronizadas, vazias e repetitivas, presentes em todos os textos do Blog, sem qualquer conexão com o assunto em foco! Democraticamente, o Blog não intervém!..

ARTIGO – CRESCE O “CLÃ DOS BOLSONAROS”!

Como se trata de um problema estritamente familiar, melhor é não se questionar muito os motivos por que somente após um ano no Poder surgiu no cenário nacional a figura do filho número 04 do Presidente Bolsonaro, de nome Jair Renan Valle Bolsonaro. Naturalmente que a imprensa mais conectada com o mundo das fofocas sociais, deve estar fazendo mil ilações sobre esse estranho anonimato, cujo personagem, um jovem estudante de Tecnologia da Informação, com apenas 21 anos, já surge assumindo vaga na comissão provisória de trabalho do “Aliança Pelo Brasil”, ajudando o clã a lutar pela sobrevivência do partido que a família tenta emplacar. Claro que entendo que a falta de evidência do jovem tem os seus motivos particulares e familiares, que não me cabe opinar.

Mas, é impossível não expressar a preocupação do que poderá vir a acontecer, a partir do momento em que o número 04 cair na real e descobrir que, como filho do Presidente, também poderá usar o espaço das redes sociais e passar a dizer o que bem desejar, isso porque, desdizer e se desculpar tem sido uma regra usada pelos seus irmãos! Agem como se estivessem no quintal do papai, e não participando de um Governo da República. E a República que se dane com as consequências!..

ARTIGO – CEL. JERÔNIMO: TRIBUTO A UM GRANDE HOMEM!

A comunidade de Uauá tem todos os motivos do mundo para sorrir com alegria, neste dia 12 de dezembro de 2011, quando completa 95 anos de vida o seu mais imponente e respeitável cidadão: CORONEL JERÔNIMO RODRIGUES RIBEIRO. São anos repletos de muita história para contar, experiência, integridade, cultura, poesia que aflora com abundância em palavras cheias de sabedoria! Autodidata das letras, não precisou esquentar os bancos das faculdades para falar como escritor e acadêmico. Ouvi-lo falar ou declamar longos versos, é como sentir o som agradável das águas de um manancial que banha com suavidade as pedras de uma cachoeira, em seguida projetando-se numa queda livre, sonora e linda, como a proclamar os encantos da vida!

Além de ser uma incontestável liderança política nessa sua quase secular trajetória, recheou a sua laboriosa história de vida com quatro mandatos de Prefeito. QUATRO! Para os mais jovens é importante registrar em que tempo isso ocorreu: de 1948 a 1951; de 1955 a 1959; de 1962 a 1966; e de 1970 a 1972. Existe prova de capacidade e liderança mais contundente que esta, numa época de grandes dificuldades, em que a luta pela sobrevivência era sofrida, em que os recursos técnicos e financeiros eram ainda um sonho? O Fundo de Participação dos Municípios-FPM (criado em 1965 - só alcançou o seu último mandato), Programas Sociais de Políticas Públicas e outros recursos que hoje inspiram a luta política e irrigam as Prefeituras de muitas verbas para a realização de obras de construção de Quadras Esportivas, Bibliotecas Públicas, Prédios Escolares, campos de futebol, calçamentos, praças e estradas, si quer passavam pelo imaginário de qualquer mortal de então! As viagens à Bahia (como no interior chamavam a capital do Estado, antigamente) para visitar S. Excia. o Governador eram feitas em caminhões, quando não algum trecho em lombos de burros, e que demandavam dias para realizá-las...

ARTIGO – OS CONFLITOS NAS AVALIAÇÕES

O grau de aprovação ou rejeição de um governo, tanto pode ser mensurado pelas pesquisas das empresas especializadas, como captadas nos contatos pessoais em diversos níveis sociais, cuja fonte parece-nos oferecer mais consistência e legitimidade. Não que se pretenda atribuir qualquer demérito ao trabalho dos profissionais da pesquisa, mas, não deixa de ser implicante o fato de nunca se encontrar um cidadão, sequer, que tenha sido entrevistado nas localidades onde, dizem, ocorreu determinada consulta. De outra parte, há os que interpretam que o resultado, talvez por mera coincidência, está sempre do lado e no interesse dos contratantes Televisões, grandes Jornais, Partidos Políticos, etc... É perceptível a existência de algum conflito nas avaliações das partes aí envolvidas. E isso não cabe a mim afirmar, mas as próprias urnas, quando abertas, tem desmascarado algumas pesquisas viciadas e/ou cartas marcadas.

Nesse contexto, infere-se que o público que não assimila essas possibilidades, pode ter o seu sentido de avaliação manipulado ao bel prazer de uns e outros. Assim é que alguns dados de natureza econômica, eventualmente melhorados, ou medidas administrativas que impactam positivamente a vida do cidadão – por exemplo a queda do Seguro Obrigatório do veículo; o prazo da Carteira de Habilitação de 5 para 10 anos; projeto de redução de 1.253 municípios até 5.000 habitantes por inviabilidade financeira; a obrigação do INSS de fazer a Prova de Vida do idoso acima de 80 anos com dificuldade de locomoção, ou os Bancos de renovar senha, terão de mandar um agente à casa do idoso, etc. – entre outras medidas em andamento, são melhorias quase nunca comentadas no noticiário. São medidas impactantes? Sim. Impactam financeiramente no bolso de nós contribuintes? Por que não são noticiadas? Alguns conflitos de interesse existem. Os números estão aí para comprovar...

ARTIGO - O MERGULHO FATAL (II)

A propósito da FENAGRO que ora se realiza aqui em Salvador, exposição agropecuária que faz parte da agenda oficial do Estado para o Parque de Exposições, recordei-me de uma crônica editada em 17.07.2011, inspirada num episódio inusitado ocorrido durante aquele evento, cuja reedição permitam-me os meus leitores fazer, com pequeno dimensionamento no texto:

“Resolvi rebuscar os arquivos da mente e eis que retornou à lembrança o sucedido a um caro amigo e que me fez dar boas risadas. Sabe-se que nos bate-papos das rodas de amigos, principalmente naqueles instantes em que as substâncias energéticas da cevada, do delicioso vinho do Vale do São Francisco ou o destilado do malte escocês começam a fazer o efeito estimulador da imaginação dos mais ecléticos contadores de casos, ouve-se histórias verdadeiras e aquelas fruto da pura criatividade, sempre com ênfase nas narrativas com forte dose de humor. Quase sempre o contador dos casos elege alguém como personagem principal do teatro que se desenrola naquele momento, provocando explosão de risos dos integrantes do grupo e motivando ainda mais o consumo etílico...

ARTIGO – ATÉ TU, BRUTUS?

Quando as tragédias naturais acontecem ou coisas absurdas ocorrem ao nosso redor, é muito comum se ouvir frases do tipo: “é o fim do mundo!”, o que significa para essas pessoas um desabafo e consolo, ou mesmo uma forma de acomodação por não ter jeito a dar. Os dias atuais, então, estão pródigos em registros de algumas calamidades como incêndios na Amazônia, Indonésia, Sibéria, costa leste da Austrália e norte da Califórnia, além das recentes inundações na Índia e em Veneza, espalhando prejuízos ambientais e mortes. As secas intensas e as tempestades cíclicas, embora sendo fenômenos previsíveis pelo controle e acompanhamento da avançada tecnologia hoje existente, o seu efeito destruidor sempre deixa marcas profundas, ainda que parcialmente amenizadas pelos recursos alternativos de defesa.

Como complemento às fatalidades de origem natural que afetam diretamente a vida das pessoas e provocam graves consequências sobre a flora e a fauna que enriquecem a nossa natureza, em geral, não poderia faltar a interferência criminosa do próprio homem na geração de catástrofes as mais diversas. Para as próprias queimadas recentes no Brasil, não faltaram acusações de participação direta dos proprietários rurais interessados em desmatar...

ARTIGO – STF: LAVANDO AS MÃOS?

Nada mais verdadeiro no dia a dia, do que a afirmativa corrente de que a história sempre se repete, e são muitos os acontecimentos que confirmam e retratam essa realidade. O episódio bíblico objeto da ilustração acima, por exemplo, traz-nos à lembrança o infame gesto de Pilatos, então Governador romano na região da Judéia, que se viu na incumbência de referendar a condenação de Cristo. Mesmo consciente da inocência do Mestre, preferiu passar ao povo a decisão quanto à quem libertar entre Cristo e Barrabás, e assim, diante de uma plebe enlouquecida e incitada pelos Sumos Sacerdotes, que gritava repetidamente “crucifica-o, crucifica-o”, optou por lavar as mãos da omissão e da covardia: “...mandando vir água, lavou as mãos” (Mat. 27: 24). O ato histórico materializou dois tipos de comportamentos que se incorporaram à cultura das pessoas e, em particular, das autoridades imbuídas do poder decisório: fugir da culpa e transferência de responsabilidade. 

Na última semana, a nação brasileira ficou estupefata e incrédula diante da decisão da nossa Suprema Corte de derrubar a prisão após a condenação pelo Tribunal de 2ª. Instância. Como Superior Tribunal Federal incumbido da defesa da Constituição Federal, é inacreditável que em 2016 tenha interpretado os artigos 5º. e 283 dessa Constituição quando reconheceu como correta a prisão e em 2019 já tem outro entendimento, e volta a valer a norma constitucional quanto ao Trânsito em Julgado. Então, entende-se que, para salvar os amigos muda-se a Lei e sua interpretação ao bel prazer é questão de oportunidade, e não o que ela quer dizer? Alguém ainda tem alguma dúvida de que os libertados da semana passada e os que anda virão, jamais voltarão ao lugar que merecem? ..

ARTIGO 370 - EMPRESÁRIOS E EMPRESAS: CULPADOS E INOCENTES!

Tenho, por vocação, o hábito de apreciar a leitura de uma boa crônica ou de ouvir comentários de bons âncoras do rádio e da televisão, pela amplitude e objetividade na análise dos problemas nacionais dentro do contexto político vigente.

Não consigo entender, contudo, onde está a razoabilidade de alguns enfoques na tentativa de passar à população o convencimento de que em Sérgio Moro e Deltan Dallagnol, ou na Operação Lava Jato, como um todo, encontra-se toda a culpa da quebradeira ou quase desativação das maiores empreiteiras brasileiras da construção civil. Essa pretensão distorce a verdade dos fatos e se configura numa total inversão de valores, visto que os proprietários dessas empresas, confessadamente, assumiram em seus depoimentos que integravam o sistema de corrupção no país e denunciaram, nominalmente, os seus comparsas! Ora, não fosse a investigação conduzida com seriedade, essa prática continuaria eternizada e silenciosa. ..

Crônica – MAIS BRASIL, MENOS PAIXÕES!

Em algum texto anterior, em que me reportei ao fato de que “Os Garotos do Presidente” mais atrapalhavam o seu governo do que ajudavam, expressei o desejo de que S. Excia. nos brindasse com um belo presente, concedendo aos filhos não apenas a Embaixada americana para um deles, mas, escolhesse logo três e os mandasse para bem longe, e tenho certeza que o Senado faria um pacote único e aprovaria por unanimidade... Imagino que, por amar os filhos, como pai dedicado que é, isso não seria um ato de nepotismo, mas uma forma de protege-los.  O maior risco que poderia resultar, é que trocaríamos os muitos aborrecimentos internos que eles fartamente vêm criando, por atritos internacionais de consequências imprevisíveis, em decorrência da óbvia falta de habilidade diplomática que exibiriam! Porque não dizer, uma tremenda falta de educação desse trio que, certamente, ainda vai causar prejuízos, e muitos, em desfavor do pai presidente. Não duvidem!

Ufa, como atrapalham! Um deles, o Carlos, ao invés de usar o cargo de Vereador no Rio de Janeiro para ajudar a sofrida população carioca, fica brincando no twitter do pai e postando repetidas bobagens de toda ordem e de forma imatura, as quais provocam imediatos pedidos de desculpas pelo equívoco cometido. Tudo bem que as redes sociais tiveram um peso considerável na eleição do Presidente, mas é hora de produzir coisas mais úteis e acabar com o uso indevido desse espaço para tantas futilidades!..

Crônica – ENCONTROS E REENCONTROS (V)

Realizou-se na AABB-Salvador, de 24 a 27/10, o V ENCONTRO DOS AMIGOS DE TODOS OS TEMPOS DE IRECÊ-2019, título consagrado pelos ex-funcionários que passaram pela Agência de Irecê do Banco do Brasil, desde a sua fundação em 1964. É impressionante o grau de emoções que irradia nesses eventos. O reencontro de todos é muito festivo e cheio de vibrante empolgação.

É impressionante ver a motivação que inspira tantos ex-colegas a se reunirem para um encontro de confraternização dessa expressão, após tantos anos de afastamento, cada qual vivendo uma nova realidade em suas vidas. E olhe que há atividades esportivas e culturais durante o Encontro!..

Espaço do leitor: Um laranjal bem irrigado

Recordo um hábito interessante que tinha o bom “ACORDADINHO” - articulista deste Blog que anda meio sumido -, e que tinha como estilo oferecer o significado de certas palavras para melhor compreensão do leitor e dar a largada no texto. Assim, imitando essa boa prática, diria que: “LARANJA – é uma fruta cítrica com sabor variando do doce para o levemente azedo [...] É rica em vitamina C”. Essa fruta, de extraordinário sabor, representa um componente de grande potencial, tanto no mercado interno, como de exportação.

Não obstante o valor intrínseco que a fruta representa para a sociedade, de repente o universo político-policial interfere no sentido etimológico da palavra e passa a utilizar o termo LARANJA para definir várias vertentes de ações criminosas, sempre com a “prática de ilícitos na utilização fraudulenta de interpostas pessoas visando à ocultação do real sujeito da relação jurídica tributária, patrimonial, financeira ou comercial, a exemplo da lavagem de dinheiro e do desvio de recursos públicos”...

ARTIGO  –  FUNDO PARTIDÁRIO... OU "PERDULÁRIO"?

(Vale a Pena Ler de Novo - Artigo publicado em 12 de Agosto / 2018 - Redimensionado)

Por mais que se tenha a obrigação de reconhecer que os fundamentos do Sistema Democrático estão diretamente subordinados à existência dos Partidos Políticos e a natural convivência com a pluralidade de pensamentos, não é possível que a sociedade fique silenciosa diante de tantos escândalos e vexames - sem contar com aqueles que não sabemos -, e que são praticados por esses mesmos agentes que deles fazem parte e deveriam honrar o desempenho dessa missão. Igualmente cometem crime de responsabilidade todos aqueles que, tendo o poder da intervenção para impedir a continuidade dos ilícitos, se omitem da obrigação de punir os que abusam no uso dos direitos facultados pela legislação. Diga-se de passagem, Legislação que eles mesmos fazem ao modo e interesse dos seus bolsos, numa clara demonstração de querm se trata: verdadeiros PERDULÁRIOS!..