RedeGN - Sempre ligado.

Foram encontrados 388 registros para a palavra: Agenor Santos

Artigo – O luar do sertão (II)

Em razão da Pandemia, os nossos movimentos se tornaram condicionados a espaços restritos e hábitos protocolizados, o que nos leva a viajar no tempo, revivendo as saudades de passeios nacionais e internacionais, os afáveis encontros com os amigos, visitar cidades etc. Com mais tempo para pensar, obviamente que as reflexões nos despertam para boas ou, às vezes, más recordações.

Assim é que, num momento de lembranças do sempre querido rincão de Uauá, a “Capital do Bode”, onde, durante 10 anos, tive o prazer de conviver profissionalmente, fui induzido pela memória a recordar e reeditar a crônica sob o título acima, que completará 10 anos de publicada, ou exatamente em 12 de outubro de 2011, inspirada num instante de romantismo, e que outro não poderia ser o título: O LUAR DO SERTÃO!..

Artigo – O discurso e a realidade

A semana foi bastante movimentada no cenário político nacional, com as eleições para as presidências do Senado e da Câmara. O surgimento inicial de tantos e tão fracos nomes - salvo algumas exceções -, num total de 9 concorrentes em cada Casa, demonstrou que o elevado número de candidatos inscritos, longe de ensejar o convencimento de uma notável disputa democrática, passou a ideia da existência oculta da tradicional barganha, em que o parlamentar fantasia o interesse pela disputa e a candidatura é retirada em cima da hora. Então, o seu apoio e os votos do partido simplesmente são repassados na operação conhecida como “toma lá dá cá”, principalmente por ser o voto secreto. Num português gozador, coisas de malandros!!!

Dizem as más línguas, que no silêncio dos bastidores muitas verbas das tradicionais Emendas Parlamentares tiveram as suas liberações asseguradas, ou cargos prometidos. Sempre aconteceu nos governos da Esquerda, e com a Direita não tem sido diferente. As práticas nocivas estão sempre presentes nos atos e fatos do Poder Público, invariavelmente, corrompendo pelos agrados de diversos matizes...

Artigo - Presidente: Atropelando pelas palavras!

É óbvio que é um ato de justiça o reconhecimento, por apoiadores ou contrários, de medidas implantadas pelo atual governo que se configurem no rol das providências acertadas, embora essa seja uma obrigação já implícita ao cumprimento do dever. Mas, de maneira mais incisiva, há uma avaliação que lhe recai sobre os ombros, decorrente de um elenco de manifestações negativas de grande repercussão e relevo, porque inadmissíveis seu cometimento pelo Presidente da República. 

Tenho visto em alguns comentários e mensagens que circulam pelas redes sociais, a afirmação contundente dos seus defensores de que “ninguém é perfeito”, como forma de justificar e minimizar tantas barbaridades ditas e repetidas aos montões pelo Bolsonaro. ..

Artigo - Vacina: Disputas e vaidades vergonhosas

Cenas do início da vacinação:  Rio, S. Paulo e Salvador

O início da vacinação no Brasil, nesta semana - ainda que com enorme atraso, em relação ao resto do mundo -, foi motivo de grande empolgação para toda a população brasileira, porque são muitas as esperanças de um novo tempo!..

Artigo – Entre as Redes Sociais e o Brasil real

É surpreendente ver como o mundo das controvérsias políticas e ideológicas mexe com o equilíbrio e a capacidade de avaliação das pessoas, principalmente quando essas estão afetadas por um sentimento mais sectário, que não permite aos demais uma visão crítica independente. Entendo a direita e a esquerda, ambas, tem algo em comum: não gostam de ler, ouvir e conhecer a verdade. Não sabendo eles que o texto bíblico nos ensina: “Conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. A verdade é que a Esquerda vive um desterro político pós Lava-Jato de extensão ainda não imaginada, além de não ter se renovado. E, do outro lado, dona Direita sempre vaidosa, e algumas vezes, malvada e mal falada. 

Ora, é tão difícil assim para alguém admitir um ponto de equilíbrio numa análise política, de acordo com o desempenho e atitudes de quem está no Poder, no momento de uma reflexão mais pragmática dos fatos e ações do Governo? Para mim é indiferente se quem está no Poder é de Esquerda ou Direita, uma vez que aqui já elogiei e critiquei ambos os segmentos ideológicos. Tão pouco pretendo ser dono da verdade, e sim promover algumas considerações sobre quem quer que esteja ganhando o meu e o seu dinheiro para bem nos representar...

Artigo – Tal pai, tal filho?

Quando o que mais se esperava era um início de ano alvissareiro, com um horizonte pleno de boas expectativas, sem os percalços que tanto incomodaram a vida das pessoas no Brasil e no Mundo, eis que a maior potência mundial, parâmetro modelar do Sistema Democrático em todo o universo, e sob a convocação e incentivo direto do próprio Presidente da República, Sr. Donald Trump, que já está praticamente com os dois pés fora da Casa Branca, dá um péssimo e indigno exemplo de como insuflar a população à desordem e à anarquia contra as Instituições.

O que se presenciou no último dia 06 de janeiro nos EUA, foi tão raro e inusitado de se ver que, certamente, vai ser uma página virada na História americana! Pela República dos EUA nunca passou um Presidente tão obtuso e débil no exercício da liderança do país, tanto no plano interno como internacional. Se o chamarmos de casca-grossa é uma forma clássica para não o classificar de despreparado para o cargo...

Artigo – Ano Novo ou novo mundo?

Nada mais surreal do que imaginar uma passagem de ano em que há restrição em se abraçar um parente ou um amigo, e mesmo certa reserva em fazer uso da tradicional frase: FELIZ ANO NOVO! Essas são as formas mais emblemáticas para caracterizar essa festa! Mas, o calor desse esperado abraço está inibido pelo protocolo oficial e não recomendados pelos princípios da prudência e da sensatez. Assim, os bons votos parecem estar carregados da energia negativa que está a envolver as pessoas nos dias de hoje, e a fortalecer a dúvida se algo realmente vai mudar para melhor no Novo Ano. Acredito que, pela primeira vez nos últimos 100 anos, a data de 31 DE DEZEMBRO chegou acompanhada pelo tormento causado por essa silenciosa e inusitada praga!

Nada mais cruel para o sentimento de amor e afeto humano, do que ter de viver num recomendado isolamento social, às vezes quebrado pelas necessidades mais imediatas ou por fugas manhosas impostas pelo coração, sempre com o amparo do forte argumento defensivo: “estávamos todos com máscara”!..

Artigo – Pandemia: A máscara em dois tempos

Chegou o Natal e se aproxima a passagem do Ano, e vem se confirmando o esperado: comemoração fria, triste, desmotivada, sem os abraços empolgados entre os poucos familiares presentes, e sem a participação tradicional dos amigos mais íntimos. Sempre se afirmou que o Natal é uma Festa de Família. Mas, para evitar a aglomeração, o encontro natalino deste ano ficou restrito aos da casa e, no máximo, os filhos e netos da mesma cidade.

Muitos parentes e amigos tiveram de construir o seu próprio Natal. Essas medidas necessárias quebraram o deslumbramento dessa tão bela e esperada festa. E logo a festa da irmandade, a qual o mundo tanto precisa!..

Artigo – As decisões dos indecisos!

No dia a dia, deparamo-nos com muitas ocasiões de graves incertezas, quando a tomada de uma decisão pode sofrer brutos bloqueios ou, se ela é adotada de forma precipitada, pode provocar algumas consequências negativas. De maneira mais amena, a indecisão pode acontecer durante a tortura que precede à escolha do produto ideal durante as compras de confecções ou móveis, mas, quando conclui que a aquisição de uma determinada peça foi indevida, logo o impasse é resolvido pelo simples processo de troca nas lojas.

Dentre muitas outras qualidades que integram o perfil de um líder, uma delas tem especial importância: “ser determinado e saber tomar as decisões mesmo que não disponha das informações necessárias”. Quando um setor de Recursos Humanos de uma empresa realiza uma entrevista de emprego, naturalmente que, com toda habilidade e sutileza, o entrevistador procura identificar, criteriosamente, todas as qualidades que integram o perfil do candidato, principalmente a sua capacidade de “tomar decisão” nos momentos mais graves e delicados do trabalho que passará a realizar.

Já para a escolha de candidatos a Prefeito, Governador e Presidente, a legislação não prevê uma entrevista prévia desse nível e com critério seletivo, daí decorrem as surpresas e decepções! Diga-se de passagem, muitas das surpresas já começam até mesmo durante a campanha eleitoral e, na maioria das vezes, o eleitor deixa-se enganar...

Artigo – “Quem dá mais... Quem dá menos?”

Há uma frase que se tornou histórica, a qual afirma que “o Brasil não é um país sério”, e que terminou por ser incorporada ao linguajar mordaz do povo brasileiro, quando, numa visão crítica ao deparar-se com situações inusitadas e contestáveis, faz questão de repeti-la sempre, talvez como forma de consolo ou conformidade! Embora consagrada como de autoria atribuída ao Presidente da França Charles De Gaulle, essa insinuação foi sempre reprovada, por não se admitir que um Estadista do seu nível jamais se pronunciaria de forma tão deselegante com relação a um país que visitara em 1962, quando recebeu as mais festivas e dignas homenagens, como uma das grandes lideranças Aliadas durante e após a 2ª. Guerra Mundial, ao lado de Franklin Roosevelt e Harry Truman (EUA), Winston Churchill (Inglaterra) e Josef Stalin (União Soviética).

Sem uma explicação convincente, contudo, eis que o diplomata brasileiro Carlos Alves de Souza Filho, embaixador do Brasil na França entre 1956 e1964, genro do ex-presidente Artur Bernardes (1922-1926), lança um livro sob o título “Um embaixador em tempos de crise” (Livraria Francisco Alves Editora, 1979), no qual confessou ser o autor da frase que se tornou tão famosa. Inexplicavelmente, o ônus da expressão recaiu até hoje sobre os ombros do General De Gaulle! Também, pudera, se dissesse que o autor era esse embaixador, que fama teria a tal frase? Talvez nenhuma...

Artigo – A história política dividida em ciclos

Da lagarta à borboleta

Tão logo divulgados os resultados das urnas de cada pleito, o quadro pós eleitoral oferece uma grande diversidade de análises e avaliações múltiplas, não somente pertinentes ao desempenho dos candidatos e suas respectivas legendas partidárias, mas, principalmente, no que tange ao prestígio dos apoios oferecidos pelas lideranças políticas e qual a efetiva expressão de valor das indicações passadas aos seus eleitores, supostamente fidelizados ou, como é comum se dizer em algumas regiões do interior, encabrestados por algumas benesses. Qual é mesmo o nome disso no popular? Voto de cabresto!..

Artigo - Brasil: Condenado ao terceiro mundo?

Temos vivenciado momentos curiosos no cenário político que vem se tentando construir no Brasil dos dias atuais, em que se confunde o sentido de patriotismo, honra e amor à pátria, com deselegância e grosseria com países parceiros. Tristemente, ainda fazemos parte do rol clássico do Terceiro Mundo, ou seja, bloco das nações consideradas pobres e com sérios problemas sociais como a violência, a miséria extrema e a corrupção.

As investigações da Operação Lava Jato, por mais que combatidas e execradas, somente confirmaram essa tendência típica de pátria Terceiro-Mundista. E sobre essa Operação não se fala mais, por quê?..

Artigo – Voto: Entre o moderno e o medieval

Urna eletrônica e Membros da Missão da OEA

Difícil não pensar em fazer algumas breves considerações sobre o quadro pós eleições do dia 15 de novembro último. Ainda que o resultado tenha apresentado variados contextos e múltiplas reflexões de parte a parte, o importante é que ele culminou com a expressão maior da vontade do eleitor, seja de promover eventual mudança radical no comando de cada município, seja de aprovação e reconhecimento de boas e eficientes gestões. ..

Artigo – “Pelo poder de nosso exemplo”

Em qualquer tipo de eleição, onde se encontra envolvido o voto individual e secreto, sempre estará presente relativa dose de apreensão, não somente quanto ao resultado, como, principalmente, à expectativa de se poder testemunhar depois de empossados os eleitos, a legitimação dos projetos e discursos exibidos durante a longa e acirrada campanha.

Nem sempre essa fidelidade de pensamento e ideologia é preservada, porque os acordos políticos logo começam a ser contaminados pela “Lei do Gerson”, onde a vocação para levar vantagens em tudo e o toma-lá-dá-cá, passam a desvirtuar regras e princípios de integridade...

Artigo – Um governo entre tapas & beijos

Embora hoje já não sejam tão frequentes as entrevistas diárias do Presidente da República, como aconteciam algum tempo atrás, ainda, assim, nas poucas ocasiões em que se dispõe a falar, mantém a característica básica que, geralmente, utilizava nas suas respostas aos jornalistas, ou seja, um tom agressivo e que procurava extrapolar certa tendência autoritarista. Sendo mais exato: seu autoritarismo é feio para a vida moderna em que vivemos.

Esse hábito pouco delicado, induz na mente dos que lhe são ferreamente contrários, o convencimento de uma vocação para ditador, sobretudo em razão da sua formação militar. Como foi eleito pelo voto livre e popular de 57,7 milhões de eleitores, sob a égide de um sistema democrático, entendo que esse tom usado na comunicação deveria ter um viés mais ameno e mais condizente à postura exigida pelo cargo. A verdade é que tudo isso tem inspiração no fator índole pessoal, a propósito de alguns desencontros já ocorridos quando Deputado Federal e, assim, não serão os requisitos inerentes ao cargo, que irão modificar certas atitudes. Como já disse em outra oportunidade, educação é algo que vem de berço, ou seja, da convivência doméstica da casa de cada um...

Artigo – O conflito entre o voto e o vírus!

A próxima eleição de 15/11/2020 estará marcada por características bem diferenciadas das demais, devido às restrições impostas pelos protocolos do COVID-19. Estamos vivenciando uma diversidade que, queira Deus, não venha a estimular o crescimento da tragédia viral, a qual nos trouxe o triste título de segundo colocado na totalização mundial de vidas perdidas, ou seja, já superando a impressionante marca de 160 mil brasileiros mortos!

Mesmo com a morte ainda rondando silenciosa por aí, o que se tem observado pelas redes sociais, é que o cenário de paixões eleitoreiras não se modificou e, assim, continua com igual intensidade, independente de estarmos sob a influência dolorosa de uma nova realidade. As fotos e vídeos que divulgam as carreatas e aglomerações em torno dos candidatos, exibem um incompreensível estado de completa cegueira, visto que as motivações políticas estão superando as preocupações com a vida...

Artigo – As cuecas multiúso

Ainda que o Coronavírus continue sendo a estrela negativa do cenário nacional, para a tristeza e dor de muitos brasileiros, é visível que existem outros atores competindo para desviar a atenção da plateia, não importa se as suas atitudes estejam a envergonhar o Brasil, tanto na medida em que choca a sociedade brasileira, quanto na proporção em que deslustra a nossa imagem perante o resto do Mundo.

No ano de 2005, um Assessor Parlamentar do Deputado Federal cearense José Guimarães (PT), irmão do então Presidente do PT José Genuíno, foi flagrado e detido pela  Polícia Federal, no Aeroporto de Congonhas, em São Paulo, conduzindo R$ 209 mil reais numa maleta de mão e US$ 100 mil dólares em espécie, em sua cueca. As investigações foram na direção de que o valor era propina por envolvimento em licitações fraudulentas à época. E, pelo jeito, não tem vacina nem quaisquer antídotos contra esse vergonhoso mal. Que pena, e que sina triste de um país tão sofrido e trabalhador como o nosso!..

ARTIGO – Um guisado de bode pela paz!

O que mais tem se revelado nos últimos tempos no cenário político, são encontros e desencontros entre autoridades de relevo nacional, integrantes dos Três Poderes da República. Por conta de palavras lançadas ao vento, em desabafos intempestivos e precipitados, a população vem assistindo de camarote a querelas de vários matizes, seja entre a Presidência da República e o STF, ou entre Ministros e Presidentes da Câmara e do Senado, como o ocorrido no início da última semana entre Rodrigo Maia e Paulo Guedes. Como agora tudo é explicito, o bate-boca muitas vezes é até ouvido do lado de cá, longe dos gabinetes de S. Excias.!

A curta durabilidade das altercações orais, contudo, tem revelado a todo o Brasil que alguns episódios mais se parecem com jogadas estratégicas bem articuladas ou armações convenientemente montadas, cuja ira aparente logo é superada com um precioso “guisado de bode”. Assim, a plebe ignara sorri feliz pela superação temporária dos conflitos, e passa a valorizar o poder milagroso operado pelo nosso bode sertanejo, principalmente os oriundos deste querido sertão baiano, agora elevados à nobre missão pacificadora da política nacional. Quem sabe não virá por aí alguma honrosa Comenda aos caprinos...!..

Artigo – Salve o Nordestino: “Antes de tudo, um forte”

Nenhum texto que se proponha a homenagear o Nordestino, no dia que lhe foi reservado no calendário oficial, 08/outubro, pode prescindir de iniciá-lo reafirmando a histórica frase do escritor Euclides da Cunha: “O sertanejo é, antes de tudo, um forte” (Os Sertões, 1ª Edição, 1902). Essa afirmativa, tão singela quanto verdadeira, ultrapassa o tempo e se eterniza na memória de quantos conhecem a força e a coragem da gente do sertão:  O trovador usa a frase como mote dos seus versos, quando nas feiras livres exalta o inconfundível perfil do nordestino. Os políticos dela se aproveitam quando na empolgação dos seus discursos, nem sempre transmitindo a verdade desejada.

Não basta fazer poesia ou tecer altos elogios em oratórias cheias de empolgação, mas é preciso ter a sensibilidade para sentir e interpretar o verdadeiro significado do adjetivo “forte” de Euclides. Também não tenho a pretensão de fazê-lo. A capacidade de resistência da gente sertaneja vai além dos limites de meras definições literárias ou científicas. O suor com sabor de sangue que lhe corre nas faces parece emergir das suas entranhas como um bálsamo para a pele, que queima sob a intensidade do sol. Não se quebranta com pouco sofrimento, nem se arrefece ante os grilhões da dor, da sede e da fome, como se lhe fossem alimentos de vida. É um forte que está mais para o verdadeiro sentido de fortaleza, muralha, que resiste bravamente às adversidades...

Artigo – Renda Cidadã: Mais Um Natimorto?

(Foto do lançamento do novo Renda Cidadã)

Apesar de reconhecer o quanto é delicado e complexo gerir Políticas Sociais em qualquer governo, o problema se torna mais grave quando o objetivo é menos humano e mais populista-eleitoreiro, em total contraponto à enorme importância que representa para milhões de brasileiros esse socorro emergencial. O pior é esse jogo de invenções que fazem para cada um aparecer como o pai de uma criança sempre diferente, tentando fazer de nós uma plateia que só aplaude...