RedeGN - Bahia lidera na contratação de projetos de energia eólica no Leilão A-5

Bahia lidera na contratação de projetos de energia eólica no Leilão A-5

Na última sexta-feira (28), foi realizado o Leilão A-5, que contratou 925,95 MW de energia eólica, volume importante, pois garantiu que a eólica superasse os 2 GW contratados em 2014. A Bahia novamente foi o estado que mais teve projetos contratados e também na maior capacidade instalada a ser desenvolvida. Ao final, foram 17 empreendimentos contratados do total de 36 (47% dos projetos) e cerca de 446,5 MW em capacidade instalada (48% do volume contratado).

“A expectativa do leilão era que trouxesse surpresas, pois a aposta nas termelétricas era muito intensa, como o resultado demonstrou. No certame foram vendidos projetos de pequenas centrais hidrelétricas [PCH], biomassa, gás natural, carvão mineral e usinas eólicas”, afirma o superintendente de Indústria e Mineração, Rafael Valverde, da Secretaria da Indústria, Comércio e Mineração. No somatório geral, o leilão contratou quase 5 GW em capacidade instalada, sendo 4 GW de termelétricos. Os projetos baseados em gás foram o destaque, com três empreendimentos e 3 GW contratados.

Além da Bahia, apenas o Piauí (225 MW), Rio Grande do Norte (164,4 MW) e a Paraíba (90 MW) venderam parques no leilão. Na Bahia, quatro empresas serão responsáveis pela implantação dos empreendimentos - CEA (50 MW), Enel (112 MW), Renova (108 MW) e Tractebel (176,55 MW), que pela primeira vez comercializa projetos baianos no leilão. “O destaque também é a região de Umburanas, que pode se consolidar como a próxima região da exploração eólica. Lá está situada parte dos projetos comercializados pela Renova e Tractebel. Além deles, temos Campo Formoso, Sento Sé, Gentio do Ouro e Xique Xique”, diz Valverde.

Este foi o último leilão do ano, o próximo está previsto para 27 de abril. A Bahia lidera a corrida da energia eólica na era dos leilões, sendo o único estado a ter mais de 4 GW contratados, distribuídos em 165 empreendimentos. A expectativa para o próximo ano é que a Bahia supere a marca de 1 GW em operação. Se em 2015 os projetos de energia eólica contratados se equipararem aos de hidrelétricas em funcionamento, os ventos se tornarão a maior fonte de eletricidade da matriz até o ano de 2020.

Secom Bahia