RedeGN - Com negociações travadas, Rodoviários farão nova paralisação nesta quinta-feira (4) em Juazeiro; ônibus não circularão pela manhã

Com negociações travadas, Rodoviários farão nova paralisação nesta quinta-feira (4) em Juazeiro; ônibus não circularão pela manhã

Motoristas do transporte coletivo urbano de Juazeiro realizarão mais uma paralisação nesta quinta-feira (4), como forma de cobrar melhorias para a categoria. Por conta disso, os ônibus não circularão nas primeiras horas da manhã.

A informação foi repassada por Bispo dos Rodoviários, representante do Sindicato dos Rodoviários, nesta terça-feira (3), após uma reunião entre a categoria e a empresa Joafra.

"Tivemos uma reunião com a diretoria da empresa, mas não chegamos a um denominador comum. A empresa lançou a proposta dela, disse que está passando por um momento difícil, e nós vamos discutir isso com a categoria amanhã. Os ônibus não irão circular", adiantou Bispo.

Segundo o Sindicato, a empresa vem descumprindo direitos trabalhistas. Os funcionários afirmam que estão há mais de 2 anos sem receber o ticket alimentação e sem reajuste salarial. A Assembleia da categoria vai acontecer às 5h da manhã, na garagem da empresa Joafra.

Não há previsão do horário que os ônibus devem voltar a circular normalmente nesta quinta-feira em Juazeiro.

"Desequilíbrio econômico-financeiro"

No último dia 21 de julho, a categoria chegou a realizar uma paralisão 'relâmpago', e os ônibus também deixaram de funcionar até às 7h da manhã. Em resposta, na época, a empresa Joafra alegou que estava enfrentando um "desequilíbrio econômico-financeiro" por conta do aumento do valor do óleo diesel e disse ainda querer que o poder público participe da solução da situação, pois, segundo a mesma, o último reajuste tarifário foi em janeiro de 2018.

Relembre a nota na íntegra:

“O SETRANVASF – Sindicato das Empresas de Transporte Coletivo do Vale do São Francisco– vem informar à população que a breve paralisação ocorrida nos transportes coletivos na cidade de Juazeiro/BA se deu por conta de não termos chegado ainda a um acordo quanto ao dissídio coletivo do ano de 2022/2023.

Entendemos que os profissionais que atuam no transporte necessitam e merecem um reajuste salarial, mas para isto necessitamos que o poder público participe da solução, pois o último reajuste tarifário foi em janeiro de 2018, sendo ainda que todos os insumos tiveram aumentos muito acima da inflação, e em especial o óleo diesel, que em janeiro de 2018 era de R$ 3,07 e hoje está em R$ 7,87.

As empresas operadoras não conseguem absorver mais qualquer aumento de custo, sem a contrapartida financeira necessária, pois já estão em grave desequilíbrio econômico-financeiro.

O sindicato patronal não se recusa a dialogar para encontrarmos uma solução, pelo contrário, inclusive já foi solicitada junto ao órgão gestor uma reunião para tratarmos do assunto, sendo prontamente atendidos, ficando marcada para a próxima terça feira, devido à agenda do secretário.

Informamos ainda que medidas judiciais serão tomadas, para evitar futuras paralisações, com o intuito de não deixar os usuários desassistidos”.

Da Redação RedeGN / foto: arquivo