RedeGN - "Todo o inquérito sobre o assassinato da menina Beatriz está sendo realizado dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura", afirma nota SDS

"Todo o inquérito sobre o assassinato da menina Beatriz está sendo realizado dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura", afirma nota SDS

O advogado do homem suspeito de matar a facadas a menina Beatriz Angélica disse que Marcelo da Silva, de 40 anos, escreveu uma carta em que diz ter sido pressionado a confessar o crime. A garota foi morta a facadas em 2015, no Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, no Sertão do estado.

Segundo a Secretaria de Defesa Social (SDS), Marcelo da Silva confessou o crime para dois delegados da força-tarefa responsável pela investigação do caso, logo depois de o DNA contido na faca utilizada no assassinato da criança de 7 anos apontar que ele seria o assassino.

A carta, segundo o advogado, foi escrita depois que ele assumiu o caso. Marcelo da Silva está preso no Presídio de Igarassu, no Grande Recife. No papel, o suspeito teria escrito que é inocente e que não matou Beatriz, ao contrário do que disse anteriormente à polícia.

"Eu confessei na pressão. Pelo amor de Deus, eles querem minha morte. Preciso de ajuda. Estou com medo de morrer, quero viver. Eu não sou assassino. Quero falar com a mãe da criança. Quero a proteção de minha mãe", diz a carta, assinada com o nome de Marcelo e com a data de segunda-feira (17).

Rafael Nunes disse que recebeu a carta no mesmo dia em que ela foi escrita. "Acredito, não. Tenho certeza", foi o que se limitou a disse o advogado ao ser questionado sobre a inocência de Marcelo da Silva no crime.

O novo defensor de Marcelo da Silva assumiu o caso depois que a advogada Niedja Mônica da Silva afirmou, no sábado (15), que o cliente chorava ao falar do caso e que quis confessar o crime para "aliviar o coração" da mãe de Beatriz, Lucia Mota.

A Redação da REDEGN solicitou posicionamento da Secretaria Defesa Social de Pernambuco sobre estes últimos episódios.

Por meio de nota, a Secretaria de Defesa Social (SDS) afirmou que "todo o inquérito sobre o assassinato da menina Beatriz está sendo realizado dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura".

A secretaria disse, ainda, que o indiciamento do suspeito do crime foi realizado após a identificação positiva através de comparação de DNA.

"Essa é uma prova técnico-científica, que foi ratificada pela confissão do preso que se coaduna com as demais provas existentes no inquérito policial e é compatível com a dinâmica dos fatos e toda a linha de tempo descoberta durante a investigação", afirmou.

Também na nota, a SDS afirmou que a Polícia Civil filmou o depoimento na íntegra, seguindo todas as regras legais, "a fim de evitar quaisquer questionamentos, tentativas de macular a confissão ou estratégias projetadas para tumultuar o caso".

Por fim, a SDS informou que o caso segue sob sigilo, e a Polícia Civil de Pernambuco"está dando continuidade a diligências solicitadas pelo Ministério Público e reunindo todas as provas necessárias para conclusão do inquérito policial e consequente remessa ao MPPE".

CONFIRA NOTA NA INTEGRA: A Secretaria de Defesa Social reforça que todo o inquérito sobre o assassinato da menina Beatriz está sendo realizado dentro de todos os parâmetros legais, com zelo e lisura. Esclarece ainda que o indiciamento do suspeito do crime foi realizado após a identificação positiva através de comparação de DNA. Essa é uma prova técnico-científica, que foi ratificada pela confissão do preso que se coaduna com as demais provas existentes no inquérito policial e é compatível com a dinâmica dos fatos e toda a linha de tempo descoberta durante a investigação. Importante ressaltar que a Polícia Civil filmou o depoimento na íntegra, seguindo todas as regras legais, a fim de evitar quaisquer questionamentos, tentativas de macular a confissão ou estratégias projetadas para tumultuar o caso.

A SDS informa, ainda, que o caso segue sob sigilo, e a Polícia Civil de Pernambuco está dando continuidade às diligências solicitadas pelo Ministério Público Estadual, bem como à compilação de todas as provas necessárias para conclusão do inquérito policial e consequente remessa ao MPPE.

Redação redeGN