RedeGN - Sempre ligado.

Foram encontrados 396 registros para a palavra: Agenor Santos

ARTIGO: UMA NAÇÃO INADIMPLENTE

A missão precípua de um cronista é registrar e comentar os fatos diários, políticos ou não, analisando-os por uma determinada ótica e nos detalhes nem sempre visualizados pelo leitor. Não lhe cabe a missão do jornalismo investigativo, daí porque os fundamentos que dão base às suas reflexões são encontrados no próprio manancial de notícias da vasta mídia à sua disposição. Obviamente que, diante da diversidade de posições políticas do grande universo de leitores, o pensamento do autor jamais irá satisfazer plenamente a todas as tendências, razão porque não existe o compromisso de agradar essa ou aquela corrente política, até mesmo em respeito ao direito de preservar a sua própria individualidade.

Embora tenha consciência do valor que representam para a democracia as organizações partidárias, tenho profunda restrição ao elevado número atual de partidos que somente prestam um desserviço a essa mesma democracia. Além de não ter vínculo nem apego a qualquer um deles, existem mais motivos para repudiar alguns pelo desempenho nocivo aos interesses nacionais, e por culpa da vocação política de muitos dos seus integrantes...

ARTIGO – O BRASIL EM DOIS TEMPOS

Não tenho dúvidas e, obviamente, o leitor racional e ponderado também não tem, de que os efeitos danosos de uma crise econômica atingem a todos com profundidade, ferindo no cerne às famílias cujas responsabilidades são muito grandes para prover o alimento, a saúde, a educação dos filhos, o vestuário, o transporte e outros custos mais do dia a dia, e, às vezes, tendo como renda familiar apenas um ou dois salários mínimos...! Aí, sim, pode-se afirmar, que não precisa ir à Igreja para ver milagres porque eles acontecem, diariamente, dentro do próprio lar de cada trabalhador brasileiro...!

Essa realidade vivida por milhões de brasileiros, torna-se mais grave e dolorosa quando se ouve notícias de demissões de trabalhadores, outros mais que choram durante entrevistas porque aos 50 anos de idade se encontram há meses à procura de emprego e não acham. Os setores produtivos, estão sinalizando redução no nível de produção face queda nas vendas. Tudo isso é sintomático de que a recessão econômica já é uma realidade ou que vivemos o equívoco de um recente conto de fadas, iludidos por uma propaganda oficial enganosa sobre números otimistas, mas não verdadeiros! O Ministro da Fazenda atual considerou “grosseria e brincadeira” certas práticas econômicas adotadas na gestão anterior da própria Presidente, o que demonstra certo desencontro de princípios econômicos entre os dois Ministros, ou seja, entre eles mesmos...

ARTIGO – CORTESIAS COM O CHAPÉU ALHEIO

Existem atitudes no comportamento das pessoas adultas, reveladas a todo instante e de diferentes maneiras nos dias atuais, que nos remetem a lembranças de anos passados ou, mais precisamente, ao tempo de criança de cada um. Quem não se lembra das rusgas familiares entre irmãos que são surpreendidos em “maus feitos” e os pais ao reclamarem com veemência visando educar aquele pirralho infrator, ouvem uma resposta provocativa numa pergunta intrigante: “Por que ele pode fazer e eu não”? Como não é diferente nos dias de hoje, pois ainda presenciamos esse mesmo diálogo, conclui-se que é cultural e inerente à formação da educação doméstica brasileira ou, talvez, não seja exclusividade nossa.

O mais distraído observador, contudo, identificará que esse costume continua impregnado nos traços culturais também dos adultos, incrustado como regra de comportamento das pessoas nos mais variados ramos de atividades, principalmente onde possa existir um mínimo de disputa por posições e os infratores tentam justificar o cometimento de falhas pela comparação com o exemplo negativo dos outros. É tão marcante essa prática na nossa cultura, que já se consagrou outra frase protetora do erro: “Errar é humano”!..

Artigo – TERÁ A CÂMARA DOS DEPUTADOS UMA NOVA “CARA”?

A vida política nacional foi oxigenada no último final de semana com a eleição do novo Presidente da Câmara dos Deputados, e abriu um grande leque de reflexões e conjecturas que trouxeram enriquecimento ao debate político, com a reafirmação de algumas convicções já tradicionais e a eclosão de novas nuances ligadas ao comportamento dos parlamentares.

Certamente por tudo quanto amplamente divulgado pela imprensa, pode-se imaginar que foram muitas as negociações ou barganhas nebulosas na tentativa de conquistar os votos dos 513 deputados num evento dessa importância, tanto do lado do governo como da oposição. Não é improvável que nessa operação de garimpagem de votos muitas promessas de cargos nos vários escalões da República foram empenhadas ou mesmo sinalizadas outras vantagens (!) que somente o submundo político entende, uma vez que se comunicam através de um dialeto nem sempre entendível num universo onde ainda são respeitados certos valores. A eleição ocorreu logo após a posse dos 513 deputados para o próximo período legislativo e um fato inusitado mereceu destaque especial: o dia da posse é o único evento em que o painel acusa a presença de 100% dos deputados! Agora, só daqui a quatro anos! Os nossos legisladores, mesmo ausentes dos trabalhos, recebem os seus salários integralmente, o que se apresenta como mais uma diferença abissal em relação ao poder e o trabalhador comum...

ARTIGO - CORONEL JERÔNIMO RIBEIRO: UM HOMEM À FRENTE DO SEU TEMPO!

A temperatura no dia era de muito calor. O céu escondeu a sua beleza habitual, cobrindo de nuvens levemente escuras, temporariamente, a beleza do seu azul celeste. Embora tenha a convicção de que nada acontece sobre a terra sem a permissão do Criador de todas as coisas, era visível que até as principais criações divinas – clima, sol, céu, nuvens, as pessoas, os pássaros – esboçavam profunda tristeza pela constatação de que chegara a hora de um ser muito especial que, pela sua vida e obra, estava deixando em estado de comoção toda uma comunidade. Era o dia 29 de janeiro de 2015, às 07:15 da manhã. Partiu para a eternidade o MEU AMIGO E GURU: Coronel JERÔNIMO RIBEIRO, aos 98 anos!

A comunidade de Uauá tem todos os motivos do mundo para derramar lágrimas nessa data, porque deixou a sua terra, a sua cidade querida e o seu povo, o seu mais imponente e respeitável cidadão. Foram anos repletos de muita história para contar; experiência, integridade, dignidade, cultura, poesia que aflorava com abundância em palavras cheias de sabedoria! Autodidata das letras, não precisou esquentar os bancos das faculdades para falar como escritor e acadêmico. Ouvi-lo falar ou declamar longos versos, era como sentir o som agradável das águas de um manancial que banha com suavidade as pedras de uma cachoeira, em seguida projetando-se em queda livre, sonora e linda, como a proclamar os encantos da vida!..

Artigo – O ENORME ABISMO ENTRE O PODER E O POVO

É impressionante como essa assertiva é verdadeira, de que muita coisa para no país quando chegam as tradicionais festas de final de ano e as atividades gerais só voltam à normalidade após o carnaval. Temos visto na televisão inúmeras reclamações da sofrida população brasileira necessitada de atendimento médico e que se deparam com superlotações nos hospitais, onde pacientes com fraturas expostas passam dias chorando as suas dores sobre macas, ou no chão, dos corredores – não é esperando em quartos ou enfermarias! – e outros que comparecem no dia indicado pela Marcação para realizarem determinados exames de urgência, não são atendidos e são remarcados para seis meses depois...! Então, está tão mal a nossa Saúde que independe do período de carnaval; a deficiência está permanente.

Mas esse sofrimento não é só de uma população carente que clama. As nossas autoridades federais, ministros, senadores e deputados federais, também são igualmente sofredores, coitados, porque quando sentem uma dorzinha no peito ou algo que possa induzir à suspeita de qualquer gravidade maior, não recorrem aos hospitais de Brasília, não – não são famosos! - logo são removidos por um jatinho oficial ou avião da FAB para o Hospital Sírio Libanês ou o INCOR-Instituto do Coração, em São Paulo, onde são recebidos pelas melhores equipes médicas do país, com todo aparato, sem faltar, obviamente, a cobertura da televisão! Contudo, se deslocam para tão longe...! E quem paga esse atendimento privilegiado? Você contribuinte!..

Artigo – A AUTODETERMINAÇÃO DOS POVOS

Na década de 1960, quando este cronista ainda transitava pelos caminhos da adolescência em direção à maioridade, o que mais se ouvia no mundo político era a frase Autodeterminação dos Povos. Ainda não tinha completado duas décadas do final da 2ª. Grande Guerra Mundial, e a Carta das Nações Unidas (junho/1945) foi o documento que acolheu e legalizou a união das nações vencedoras e aliadas, sob a égide de uma Organização Mundial que lhes assegurasse o respeito e o direito à paz, após os sofrimentos impostos pela vocação expansionista e sanguinária do ditador alemão Adolf Hitler, por seis anos. O Art. 1º.-2, da Carta das Nações Unidas, 26/06/1945, definiu os objetivos fundamentais que inspiraram a fundação da ONU: "Desenvolver relações de amizade entre as nações, baseadas no respeito do princípio da igualdade de direitos e da autodeterminação dos povos, e tomar outras medidas apropriadas ao fortalecimento da paz universal". Em tese, resumia a definição do que seria a Autodeterminação dos Povos, expressão que caiu em desuso por injunções da própria evolução histórica e as gerações mais recentes não têm qualquer intimidade com o seu significado. Mas ela é real e deve ser praticada como princípio de soberania dos povos.

Conquanto a expressão tenha sentido etimológico literalmente contrário ao conhecido na vida prática, conceitualmente é aceita como definição do princípio de autonomia política das nações, respeito à soberania, às suas tradições religiosas, étnicas e culturais e, principalmente, às leis internas vigentes. No contexto internacional, o Brasil, pelo menos na teoria, sempre se definiu como defensor da autodeterminação dos povos, ainda que esse comportamento seja relativo, porque obedece às conveniências políticas de cada governo e o momento histórico em que o fato político está acontecendo em determinado país de suas relações. Por exemplo, o Brasil é uma nação que participa de todos os Tratados e Acordos Internacionais do pós-guerra gerados pelas nações democráticas do Ocidente, mas nos recentes combates separatistas entre a Ucrânia e a Criméia, com apoio militar da Rússia a esta última, o Brasil desconheceu o direito à autodeterminação da nação ucraniana e apoiou a Rússia. Na abertura da sessão da ONU a Presidente Dilma discursou reivindicando diálogo com o Estado Islâmico – que não existe como Estado legalmente constituído – mas, que é, apenas, um agrupamento de radicais terroristas. Deveria o mundo ocidental, sim, estimular as relações de amizade com os povos muçulmanos, preservando o respeito aos seus princípios religiosos e as suas tradições que demandam milhares de anos. Além de tudo disso, tem o governo assumido estranhas posturas de identificação com ditadores, em países onde a força impera e os direitos do cidadão são visivelmente desrespeitados...

Artigo 140 – O BRASIL QUE PEDE MUDANÇAS AO BRASILEIRO

As festas de ano se foram levando as alegrias e vitórias de uns, e as tristezas e derrotas de outros. O ano velho de 2014 já faz parte do passado, sem mais permitir qualquer outro ajuste que não tenha havido tempo de acontecer. Usando uma linguagem bancária – que imagino não seja mais usual ou mesmo do conhecimento do leitor -, não há mais tempo para um “lançamento valorizado” ou seja, uma partida contábil com data de hoje para corrigir um erro cometido em data já ultrapassada. O tempo é inexorável, não perdoa e não volta atrás. E o novo ano tanto pode preservar os erros e os acertos, como desenhar uma nova trajetória, cobrando de cada indivíduo novas atitudes que contribuam positivamente com as mudanças desejadas.

Li, com real interesse, as positivas mensagens escritas pelo colunista Jairo Marques (Folha de São Paulo, 31/12), que foi muito feliz na sua linha de pensamento quanto às influências do ano velho e o novo na vida das pessoas, sobre as quais o leitor merece refletir um pouco: “Amanhã eu quero olhar mais longe. Pode ser esticando o pescoço um pouco mais pela janela, até conseguir ver o que se passa depois da esquina [...] Um ano novo permite que se analise com mais atenção os azedumes que vão se engrossando na alma, germinados pela incompreensão daquilo que se reluta em ler, entender e refletir”. E adiante mais uma verdade que nos recomenda uma mudança de postura: “Perde-se tempo demais com a ignorância, doa-se abraço de menos ao conhecimento”...

Artigo – PRESIDENTE DILMA: “NEM QUE A VACA TUSSA!”

A passagem de ano, em meio às alegrias, os abraços e as comemorações com manifestações que se expressam das formas mais variadas, desde abundantes sorrisos ao manancial de lágrimas de emoção, tem, também, o seu momento marcante quando as pessoas desaceleram um pouco o clima de festa e passam tanto a avaliar os acontecimentos do ano anterior, como a refletir sobre as suas expectativas para os próximos 365 dias. Naturalmente que na balança das reflexões são colocados não somente os erros e acertos pessoais, mas os da família e os da empresa que dirigem ou trabalham, se da ativa. Se aposentados ou na terceira idade, aí começa a passar um longo filme na cabeça de cada um, cheio de recordações desde a infância, juventude, formação da família, chegada dos netos e bisnetos, lutas incansáveis pela vida e pelo trabalho profissional; mas, logo a imaginação futurista começa a desenhar o roteiro de um novo filme, para o qual é traçada uma trajetória inversa em direção a um novo mundo, que poderia ter como título: “O Retorno”. Sim, porque o envelhecimento nos faz voltar às práticas e carências da infância, fazendo nascer uma nova criança no íntimo de cada um.

Certamente que este é o instante propício ao surgimento de certa dose de altruísmo nas pessoas, as quais passam a não pensar somente em si próprias, mas se preocupam com os parentes, os amigos, os problemas da sua comunidade, do seu Município, do seu Estado e hoje, de forma mais presente, dos problemas nacionais que afetam o Governo da República. Sim, leitor, nos tempos atuais com o avançado desenvolvimento tecnológico e a ampliação das formas de comunicação, a força das redes sociais, além da presença dos sites e blogs com uma linguagem mais intimista, o cidadão passou a se sentir mais informado e responsável com as questões que envolvem o interesse público...

Artigo – HAJA TAPETES PARA OCULTAR TANTA SUJEIRA!

A vasta agenda festiva que envolveu a semana natalina quase não deixou tempo para a crônica da semana. Mas a vida continua e os fatos que movem a história, diariamente, no campo político-administrativo-policial, estão a nos oferecer elementos para uma reflexão a todo instante. Por exemplo, a extrema fidelidade da nossa Presidente da República à amizade com a Presidente da Petrobrás, originada das atividades políticas de ambas nos tempos da ditadura militar, pode ainda render dividendos negativos ao seu governo. Nenhuma dúvida foi levantada, até agora, e não seria eu a fazê-lo, quanto à honestidade da presidente da estatal ou seu envolvimento direto com os escândalos de desvio de dinheiro, mesmo porque a grande incidência ocorreu durante a gestão anterior. Mas, há uma pergunta que não quer calar: Em outras circunstâncias, onde vários diretores e gerentes-executivos de uma empresa desse porte comandem uma verdadeira quadrilha criminosa interna e que cause bilhões de reais de prejuízos aos Ativos da organização, ao Estado que a criou e aos cidadãos contribuintes, além dos acionistas investidores nacionais e internacionais, como conceber a irracionalidade em manter intocável no cargo a sua presidente?

No mínimo, para restabelecer a confiança dos investidores, recuperar o respeito interno e externo, e rebrotar a admiração nacional pré-existente, impõe-se uma completa varredura nos cargos diretivos da estatal, onde a cabeça principal tem de ser a primeira a rolar, que é a da sua presidência. Reformular o comando central e todas as diretorias suspeitas de qualquer envolvimento, mesmo durante a fase investigativa, seria a providência mais prudente e elementar recomendada por qualquer princípio básico de gestão. No presente caso, não se pode conceber que a Presidente da República esteja misturando amizade pessoal, emoção ou gratidão na condução de uma crise dessa magnitude, que arruína lentamente a nossa maior estatal, confundindo o interesse nacional com compromissos ideológicos pessoais. Será preciso ou necessário ter alguma prova mais contundente para que aconteça a substituição da presidente Graça Foster? Será que no universo petista ou neste nosso Brasil já se esgotou o estoque de Executivos competentes e honestos que possam substituí-la a tempo de juntar os cacos que aí estão?..

Artigo – PAPAI NOEEEL...! DÊ UM PRESENTE AO BRASIL!!!

O Natal, por ser uma festa historicamente ligada ao nascimento de Cristo, tendo assim forte identificação com o cristianismo, não é reconhecido e considerado em grande parte do mundo, predominando essas comemorações basicamente no mundo ocidental onde se destacam o catolicismo e o protestantismo, conceitualmente denominados cristãos, ainda que, internamente, com muitas divisões e denominações diversas. Interessante é que tendo sido Cristo um Judeu, nascido na Judeia, era de imaginar-se que também o Judaismo comemorasse festivamente o Natal. No entanto, no mesmo período a comemoração judaica de fim de ano é o “Hanukah”, “que significa festa das luzes em hebraico e lembram as vitórias contra a opressão, a discriminação e a perseguição religiosa.  A data marca a vitória dos judeus sobre os gregos há mais de dois mil anos, na batalha pela liberdade de seguir a sua religião”.

Há de se destacar a enorme diversidade cultural entre os povos, notadamente entre judeus e palestinos, para os quais tem mais valor e significado histórico especial comemorar uma vitória conquistada há 2.000 anos contra os gregos, exatamente na luta pela defesa do direito de cultuar uma religião que acompanha o seu povo há 5.000 anos ou mais. Outro aspecto que se explica é que os judeus seguem o Calendário Lunar e o Ocidente o Calendário Gregoriano, com pequena diferença de dias no ano. O problema determinante, todavia, é cultural, além dos interesses comerciais que impregnaram o Natal...

Artigo - O “INDULTO DE NATAL” EM BENEFÍCIO DOS CORRUPTOS...!

As notícias que recheiam as pautas dos jornais, diariamente, sejam através da mídia escrita, falada, televisada, ou, na modernidade atual pelas redes sociais, dão a dosagem para o aquecimento ou resfriamento da temperatura política nacional. Só que nesse processo de mutações constantes o povo é surpreendido a todo instante com baixas temperaturas (ou baixarias?!), ou superaquecimentos eventuais representados na figura dos hiperescândalos, que não mais estão restritos ao âmbito interno ou nacional, mas que, para a vergonha da nação, já saltaram para o plano internacional, como é o caso da nossa monumental e então respeitável Petrobrás, visto que um grupo de investidores americanos já entrou com ação judicial acusando-a de ocultar informações sobre a situação da empresa, além de investigações recomendadas pela Promotoria americana, para ver até onde ela não prejudicou os interesses do cidadão americano.

Mas um fato que vem gradativamente construindo uma dolorosa preocupação no íntimo de todo brasileiro, não importa se petista ou antipetista – a verdade leitor, é que todos os demais partidos perderam a identidade! – e isso me traz à lembrança a crônica “a lama, o mangue e o caranguejo”, tema abordado recentemente pelo Acord@dinho, onde lá transitam os caranguejos da corrupção descontrolada que avança nação adentro de forma tão avassaladora, que os delegados, juízes, ministros, membros da CGU, etc., estão perdendo as forças e, de vez em quando, um entrega as armas. Ontem foi o Ministro Joaquim Barbosa, hoje o presidente da CGU, o baiano Jorge Hage, pessoa íntegra. Por que deixou o cargo?! O Juiz Sérgio Moro, jovem e destemido, a todo instante sofre acusações infames contra a sua honra. Não se sabe até onde ele resistirá...

Artigo – COMO O MUNDO DÁ VOLTAS...!

No cotidiano das pessoas é frequente a ocorrência de fatos e acontecimentos que, às vezes, parecem estar se repetindo, com grande similaridade de conteúdo entre eles, e que induz o cidadão a um tipo singular de manifestação, do tipo: “Eu já vi esse filme...!”. Certamente o leitor já passou por essa experiência. Também há outro episódio bem tradicional, com ênfase na mudança de posições pessoais ou políticas assumidas por indivíduos ou grupos em certo momento de um tempo passado, ou até mesmo recente, e que dá uma reviravolta comportamental de 360 graus e levam os mais incrédulos da honestidade dessas posições, a esse profundo desabafo crítico: “Como o mundo dá voltas...!”.

Somente para um leve exercício de memória, é bom que se recorde alguns episódios marcantes da história política brasileira recente e atual. a) PAULO MALUF? Ex-Prefeito e ex-Governador de São Paulo, candidato derrotado nas Eleições Indiretas (1985) para Presidente da República (esclarecendo para os mais jovens: aquelas eleições realizadas nos tempos da Ditadura Militar, pelo Congresso Nacional); atual Deputado Federal; b) SARNEY? Velha raposa da política do Maranhão onde foi Governador, Deputado Federal e Senador; com grande ascendência na política nacional, foi eleito Vice-Presidente na Indireta (1985) que elegeu Tancredo Neves Presidente; com o falecimento do Presidente eleito Tancredo, um dia antes da posse, Sarney assumiu a Presidência da República para o período 1985/1990 (a presidência lhe caiu de bandeja, por uma fatalidade!); c) COLLOR DE MELLO? Ex-Governador por Alagoas, eleito Presidente da República em Eleições Diretas, em 1989, em acirrada disputa com o Lula; voltou à política e, atualmente, é Senador por Alagoas...

Artigo – SERIA A NOSSA “OPERAÇÃO MÃOS LIMPAS”?

Na convivência diária dos membros de uma família, onde tenha um mínimo de dois irmãos, muita coisa boa acontece no lar, inclusive os momentos agitados de brigas entre eles que os pais tentam administrar e cuja responsabilidade, quase sempre, recai mais sobre as mães, as eternas heroínas do dia a dia. Dentre tantas e tantas briguinhas durante a infância, quem não se recorda daquelas disputas que marcam de forma bem emblemática a força do ciúme e do desejo de imitação, ou quando já começa a se vislumbrar, na tenra idade, a luta pela igualdade de direitos, e a mãe quer dar um basta final em determinada brincadeira ou briga, e ouve o protesto: “Por que ele pode fazer e eu não?”. Essa pergunta impositiva deixa a mãe numa “sinuca de bico” para tomar uma decisão e que conclui, invariavelmente, por acabar de vez com a brincadeira ou a briga de ambos.

Nas rodas de conversas sobre o atual momento político brasileiro e os acontecimentos negativos que recheiam de escândalos imorais a vida política e econômica do país, vem ganhando corpo cada vez mais um triste conceito comportamental entre os debatedores, quando, ao invés de se unirem na reprovação dos crimes que são cometidos pelas pessoas investidas de cargos na administração pública ou de empresas estatais, o que se tem registrado são posições unilaterais em defesa do partido e do grupo político. Mesmo nas discussões entre amigos de longas datas, nota-se que não há espaço para uma análise criteriosa e imparcial em defesa de princípios de moralidade e correção, porque as paixões cegam os debatedores de tal forma que os contra argumentos a qualquer acusação sobre o que aí está ocupando as páginas dos jornais, os noticiários televisivos, 99% do tempo da Polícia Federal, todo o tempo de vários juízes e delegados que no Paraná se dedicam a ouvir depoimentos de dezenas de arraias graúdas dos empreiteiros nacionais e funcionários estatais, invariavelmente, partem para a lembrança das frases domésticas dos tempos de criança, quando dizem por analogia: “Por que o PSDB e o DEM podem fazer e o PT, o PMDB e o PP  não?”...

Artigo – “O CLUBE DA PROPINA” versus o “JUÍZO FINAL”

Existem muitos adágios populares correntes, que bem ilustram o fato de que determinadas amizades podem se tornar perigosas e arriscadas para a normalidade de uma boa relação, como os a seguir reproduzidos e que são bem conhecidos: “quem tem amigos desse tipo, não precisa de inimigos!” e ainda “quem com porcos se mistura, farelos come...”. Será que a Presidente Dilma Rousseff está sendo vítima dessas pragas?

Não se tem conhecimento na história passada ou recente dos escândalos financeiros deste país, de tanta técnica e profissionalismo utilizados na construção dos canais de irrigação do dinheiro público ou das estatais para o bolso dos envolvidos ou Partidos Políticos e suas campanhas eleitorais (principalmente do PT, PP e PMDB - os demais partidos ainda não estão imunes!), como o canal da PETROBRÁS, ou o chamado PETROLÃO. Diante de tantos partidários coparticipantes dos atos corruptos, integrantes de cargos importantes da República ou pessoas nomeadas para cargos relevantes das Diretorias de estatais do nível da PETROBRÁS, mancomunados com empresários das mais importantes empresas nacionais, “custoso” é – como diria o homem simples do campo – acreditar que as atividades criminosas investigadas pela Polícia Federal não fossem do conhecimento prévio da Presidência da República, tanto a atual como as anteriores, desde os tempos de Fernando Henrique Cardoso...

Artigo – QUANDO A EDUCAÇÃO DOMÉSTICA É CORROMPIDA

“Chamamos de ÉTICA, o conjunto de coisas que as pessoas fazem quando todos estão olhando. O conjunto de coisas que as pessoas fazem quando ninguém está olhando, chamamos de CARÁTER”. - Oscar Wilde.

Geralmente é incorreto o entendimento das pessoas quanto ao significado de “corrupção”, focado na compreensão de estar identificado, unicamente, nas práticas pouco ortodoxas de certos funcionários públicos, quando usam do poder decisório ou de intermediação que ostentam para beneficiar-se de vantagens ilegítimas. É o que se definiria como “corrupção política”. Numa definição mais ampla corresponde “ao uso do poder público para proveito, promoção ou prestígio particular, ou em benefício de um grupo ou classe, de forma que constitua violação da lei ou de padrões de elevada conduta moral” (SIMÃO, Calil, Improbidade Administrativa). São muitas as variáveis de padrões de comportamento que se incluem no universo da corrupção, como o suborno, extorsãofisiologismo,  nepotismo,  clientelismo, corrupção  e peculato...

Artigo – A FANTASIA PRÉ-ELEITORAL E A REALIDADE ECONÔMICA ATUAL

Decorridas exatas duas semanas após o final do pleito eleitoral, já vivemos um perceptível novo clima emocional. O lado vencedor, tanto no meio dos eleitores como da alta cúpula política dos partidos que integraram a coalizão e, principalmente, a presidente eleita, é obrigado agora a encarar uma nova realidade pós-eleitoral. E essa nova realidade passa por um clima de incertezas e inquietações pairando no ar, além do convencimento de que esse já não é mais o momento de continuar mentindo para tentar convencer o cidadão, ou o eleitor de ontem, com teses de que a economia vai bem e a inflação controlada, e ainda que, apesar da crise que afeta os demais países da Europa, o Brasil foi mais ágil e inteligente do que todos eles para manter os níveis de emprego em alta!

Ainda outro argumento muito forte e que rendeu muitos votos à candidata, esteve na afirmação de que o futuro seria muito pior porque o candidato concorrente, através do seu provável Ministro da Fazenda Armínio Fraga - foi um erro de estratégia tê-lo anunciado antes -, iria “cortar gastos, provocar o desemprego, acabar com o Bolsa Família", etc.! Pura balela eleitoral! Agora o discurso oficial já está sendo dirigido para a real necessidade de cortar gastos públicos, estimular a reaproximação com o setor industrial para evitar o desemprego e até mesmo, o impossível, o impensável, o surpreendente, é que o nome da simpatia da Presidente eleita para Ministro da Fazenda, o economista Nelson Barbosa, defendeu em 15 de setembro último, no 11º. Fórum na Fundação Getúlio Vargas “um freio nos gastos em programas sociais”, o que contradiz totalmente o discurso de campanha que anunciava mais estímulos aos programas sociais, justamente onde aparecem como grandes vitrines dos 12 anos da gestão petista, os programas Bolsa Família e o Minha Casa Minha Vida. Diante disso, fica no ar uma leve sensação de que o eleitorado está sendo ludibriado na sua boa fé...!..

Artigo: DISCURSO DA MUDANÇA: POR QUE NÃO FEZ?

Pra início de conversa este artigo é o de número 130 e assim a presença do 13 aqui ao lado é uma mera coincidência...! Mas, só me resta mesmo cumprimentar os amigos e leitores vitoriosos, pois essa foi apenas uma batalha democrática vencida e não uma guerra. Parodiando, apenas, o profundo pensamento de Pablo Neruda, diria que: “Você é livre para fazer suas escolhas, mas... - todos nós somos - prisioneiros das consequências”!

Muito se disse e muito se escreveu nesses sessenta dias que antecederam a campanha presidencial, seja através das televisões, páginas dos jornais, revistas e blogs, seja através dos whatsapps ou das redes sociais, esses dominados por todo tipo de mensagem, desde as bem intencionadas e informativas, às infames, sórdidas e perigosas mentiras forjadas por simpatizantes irresponsáveis e marqueteiros apelativos, de ambos os lados...

Artigo – NA LINHA DE CHEGADA

No exato momento em que este artigo está sendo publicado, possivelmente o Brasil já esteja com novo Presidente da República ou, quem sabe, conforme tenha sido a decisão ou a indecisão do eleitorado, postergada a escolha final para o Segundo Turno, em 26 de outubro, como prevê a Lei Eleitoral. Naturalmente que, como este texto já estava pronto desde sábado, portanto um dia antes das Eleições, não poderia, jamais, fazer ilações proféticas sobre o seu resultado.

Independentemente da opção escolhida pelo eleitor, a sua repercussão e consequências produzirão os efeitos nos próximos quatro anos. O que conforta o nosso espírito, pelo menos, é a existência no país de um processo democrático de escolha dos representantes para o Legislativo, os Governos Estaduais e a Presidência da República. Este é um fato político muito significativo e que deveria ser o normal num Estado de Direito, mas, de repente, se transforma em algo muito particular e auspicioso, porque são muitas, centenas, as nações no Mundo que não têm esse privilégio! Basta, como exemplo, a lembrança da nação cubana cujo ditador Gerardo Machado foi derrubado por Fulgêncio Batista (em 1933), que foi derrubado por Fidel Castro (em 1959), para que este assumisse o poder sobre esse povo já por 55 anos, ou seja, desde 1959, como se fosse uma propriedade sua e da família...! O Fidel Castro, inclusive, já pode reclamar a posse definitiva das terras cubanas por direito de Usucapião!..

Artigo – HORA DA GRANDE DECISÃO ENTRE: “CORRUPTOS E NÃO CORRUPTOS”

Estamos a sete dias de uma data significativa para o povo brasileiro – 05/10/2014 -, quando o calendário eleitoral oficial oferece ao eleitor a oportunidade de manifestar a sua aprovação ou não aos seus principais governantes e legisladores. Essa será a ocasião de analisar com a sua consciência se estão corretas as atitudes, princípios e práticas colocadas a serviço da gestão dos serviços públicos. Tudo aquilo que ouviu nos noticiários da televisão, que viu nas revistas e jornais, e que foi objeto de amistosas conversas ou mesmo discussões acirradas entre amigos nos intervalos de um jogo de dominó nas praças das cidades ou mesmo entre uma pinga e outra nos botequins da vida, chegou a hora das suas convicções serem testadas, da sua própria honra e integridade serem submetidas à prova e até mesmo de ver se eram verdadeiras as suas eventuais manifestações de revolta ou, apenas, um jogo de cena.

O eleitor pessoa física de 1,50m ou aquele de 1,80m de altura, não importa o tamanho da estatura física, ambos se igualam no grau de importância e agigantam-se diante daquele pequenino ser eletrônico, que mais parece um rádio dos bons tempos, mas que detém o poder de captar durante todo o dia cinco de outubro os anseios e vontades de cada eleitor: a URNA ELETRÔNICA!  Interessante é que pela frequência de alguns erros históricos, após o eleitor concluir a sua votação, a maquininha, ainda parecendo não acreditar no que viu, lança a tradicional pergunta: C O N F I R M A?..