RedeGN - OS ERROS HUMANOS E OS ERROS DESUMANOS (JUAZEIRO TEVE DISSO, TEM DISSO?!)

OS ERROS HUMANOS E OS ERROS DESUMANOS (JUAZEIRO TEVE DISSO, TEM DISSO?!)

Onde mais aprendemos: com os erros ou os acertos? Tendencionamo-nos por natureza aos dois lados. A historicidade comprova. A dialética razão diferencial de o ser humano e de o ser desumano. Se atentarmos bem na existência haverá o enxergamento de que os erros conduzem, controlam, monitoram, dão os rumos de todas as vertentes e tendências da psicologia, sociologia, ideologia e fé.

Os acertos, coitados, correm pianinhos.

Sugiro, madrugada dessas leitor, que cá consigo, sofazei-se acerca dos erros. Por certo chegará às suas duas vertentes: OS ERROS HUMANOS HUMANOS E OS ERROS HUMANOS DESUMANOS.

O quanto a historia do mundo e do nosso mundo juazeirense seria outra com tão somente erros humanos humanos. Ah, saquei a sua curiosidade. Exemplos deles: mentiras previsíveis lógicas, no trânsito, palavrões ao léo, dúvidas comuns, promessas aleatórias vis, questões de provas, amores doidos, e todos outros que até quando graves mostram-se simples, naturais, corriqueiros, reparáveis. Quem nunca os cometeu? Atire a primeira pedra, sonso, na própria cabeça.

Césares, Neros, Hitlers, Stalins, Amins, Pinochets, Bósnios, Husseins, Aiatolás, Bins, Bushs, Médicis, Collors, Sarneys, ACMs, os anti-humanos. Crimes ditatoriais de morticídios carnais, ideológicos, artísticos, culturais, esperanças, fés, calando e esfomeando comunidades, nações, povos. Erros humanos desumanos, ou não?

Já sei, apressadinho amigo das letras, de sua indaga: JUAZEIRO TEVE DISSO, TEM DISSO?!?!

Afirmo categoricamente: guardadas as devidas proporções, em menor escala e nem por isso perdoável, teve e tem disso. Principalmente na política de Juazeiro dos hediondos e lamentáveis vinte anos de revezamento no poder. Eleitos pelo povo, o angustiou, o maltratou, o revoltou. Entre ... descasos, desdéns, falsos moralismos, jactâncias gananciosas, autoritarismos destemperados, esses executivos municipais e legislativos deram ao nosso povo e município, na maior cara de pau, um presente de grego: A CORRUPÇÃO. O mais desumano dos erros humanos.

Bonito pra vocês, hein...
Portanto, amigo letrado, não mais erre no voto e no apoio. Tá combinado? Bate aqui.
Espernei quem quiser, mas, nessa gestão atual enxergo a corrupção descarada e deslavada indo-se embora, diminuindo a olhos vistos. Embora, ainda restem umas centelhas, uns focos. Coisas de joios e trigos.

Que, de agora em diante, Juazeiro dê um belo exemplo de limpeza, sanidade, ombridade, probidade, idoneidade administrativa política.
Não deve ser chato, né, vereadores, secretários, subalternos, executivos?
Caetano Veloso me confidenciou: “a mim me bastava que o prefeito desse um jeito na cidade de Juazeiro da Bahia”. Disse sim, leitor. Claro que disse.
Que continuemos sem corrupção.
Legal. Não é legal?

Otoniel Gondim – professor, escritor e compositor - Autor do mega evento “DELÍCIA DE ABACAXI”, dias 20 e 21 de Agosto no Centro de Cultura João Gilberto