RedeGN - Imprimir Matéria

JUAZEIRO ENTRE ELAS

20 de Sep / 2015 às 08h00 | Espaço do Leitor

Escultura de João Gilberto em bronze na Orla nova. New York, Londres, Berlim, Tóquio, Viena, Rio de Janeiro, Lisboa, São Paulo, Salvador, Recife, Buenos Aires homenageiam suas celebridades na eternidade das artes, com estátuas e esculturas.

Juazeiro, Bahia, nossa cidade, ainda tem muita pobreza, analfabetos, formais, funcionais, virtuais, culturais e muitas ruas sem saneamento, sem pavimentação, sem limpeza, saúde sempre precisando melhorar mais, violência, muita gente ruim e muita gente boa.

Mas qual é a cidade do mundo que não tem problemas?

Agora só tem uma cidade no mundo, onde nasceu um músico em 1931, que saiu dela com 18 anos de idade, levando só um violão e o encanto pelo Rio São Francisco, com o seu canto e suas “harmonias herméticas”, revolucionou e dividiu a música brasileira entre antes e depois dele, influenciou toda uma geração de músicos, arranjadores, cantores, poetas e compositores, influenciou o “jazz” a música “sagrada” da mais rica e poderosa nação do planeta, segundo a clássica revista “downbeat”, ganhou o “oscar” da música americana  o “grammy word music” de melhor disco do ano e outros prêmios, fez os deuses do “jazz” Miles Davis, Duke Ellington, Dave Brubeck o aplaudirem de pé em um concerto no “Carnegie Hall” de New York, fez um dos maiores ídolos da música americana Bob Dylan dizer que não sabia cantar perto dele, fez um dos maiores guitarristas do mundo, Eric Clapton, declarar que ele é a pureza e perfeição da música, sem o barulho de guitarras e distorções do “rock” depois de vê-lo tocar em Londres, fez um auditório com mais de 20 mil pessoas o aplaudir por mais de 15 minutos no Japão.

Fez um concerto para mais de 30 mil pessoas com a orquestra da “RAY” tendo como cenário ruínas da Roma antiga, interpretando “Garota de Ipanema” com sua mulher Astrud Gilberto, Tom Jobim no piano e Stan Getz no Sax, ele voz e violão, disputou com a música “love me do” dos Beatles o título de canção mais executada no mundo, segundo a “Biiboard”, tem entres seus discípulos e fãs Roberto Carlos, Caetano Veloso, Chico Buarque, Gilberto Gil, Toquinho, João Bosco, Diana Krall, Aretha Franklin, Sade, Charlie Bird, Chick Corea, Tony Bennet, Stacey Kent, Stevie Wonder, Bob Dylan, Norah Jones, Eliane Elias, maestros Claus Ogermam, Moacyr Santos, Eduardo Souto, Julio Medaglia, Moacyr Santos, Radamés  Gnatalli, ..... Era admirado e respeitado por Drummond de Andrade, Jorge Amado, Juscelino Kubitscheck e hoje aos 84 anos, ainda figura entre os cinco artistas brasileiros mais executados no mundo.

Ele concedeu pouquíssimas entrevistas, não aparece em programas de televisão e disse que o “homem só é feliz de verdade na infância”.

Amigo de Edésio Santos, Pedro China, Pedro Raymundo, Seu Galo, Bebela, Euvaldão, Edesinho e meu também, apesar de meio chateado comigo por causa das minhas homenagens, ele gosta do silêncio e de tudo quieto, mas é preciso festejar sua arte e celebrar sua obra planetária na sua terra natal.

Longevidade João!

No dia da inauguração, Juazeiro estará na "mídia do mundo" e os raivosos na "bolha" do seu próprio veneno.

ANTES DE ODIÁ-LO, CONHEÇA SUA HISTÓRIA, OUÇA O SOM UNIVERSAL DA SUA VOZ, DO SEU VIOLÃO!

SÓ NO “GOOGLE”, EM 58”, APARECEM 11 MILHÕES E OITOCENTOS MIL RESULTADOS.

Carlos Maurício Dias Cordeiro

Compositor

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.