RedeGN - Imprimir Matéria

Espaço do leitor: Leitor indignado critica Policial Militar de Juazeiro.

04 de Nov / 2014 às 15h00 | Espaço do Leitor

O leitor Esdras Vieira, acadêmico em letras, mandou para nossa redação uma indignação com a Polícia Militar de Juazeiro. Veja abaixo na integra:

Venho através desta para demonstrar minha indignação contra alguns militares da policia militar de minha cidade. (toda regra tem sua exceção).

De início quero deixar claro que nada tenho contra a corporação da polícia militar da Bahia, muito menos de minha cidade, bem como não existem antecedentes criminais contra a minha pessoa, sou apenas um humilde cidadão que procuro conhecer os meus direitos e usá-los com sabedoria. Seria impossível ter algo contra a corporação, uma vez que sou filho de militar, consegui a educação que tenho através dos proventos da polícia militar, bem como, fui criado no regime militar.  

Na tarde do dia 03/11/2014, por volta das 16:30 horas, estava conversando com populares sobre o quanto ficou bonito a obra do calçadão no centro da cidade e debatendo como nós transeuntes devemos preservar nosso patrimônio. Conforme visto no referido calçadão não pode e nem deve transitar bicicletas e nem tampouco motos. Foi quando para minha surpresa e das pessoas que estavam conversando comigo, passou policiais com motocicletas pelo interior do calçadão. 

Logo após de ver tal cena, como um cidadão de bem que sou, não gostei da atitude e sai do local me dirigindo ao trabalho de minha esposa, que fica no bairro Itaberaba, pois tinha que pegá-la. No caminho, parei em uma barraca de sucos energéticos que fica na BR-407, sentido ao Atacadão Varejista e ainda refletindo mentalmente na cena que vi, comentei com alguns clientes que estavam saboreando seus sucos.

No meio da conversa, acabei falando um pouco de minha vida pessoal e mencionei uma frase que meu pai (policial militar) sempre dizia para mim: "Filho, devido a sua personalidade, você ainda vai tomar um tapa de um policial. em seguida respondi: "Pai, posso até tomar um tapa, mas farei de tudo para ele perder a farda" (juridicamente é lógico). Disse isso porque sempre fui um cidadão que gosto de lutar por meus direitos. Ocorre que, no momento em que estava terminando a frase, chega um policial militar e ouviu o final da frase.

A partir, daquele momento o final do meu dia passou a ser um inferno, porquê o militar que ouviu a frase, sem sequer saber o teor da mesma, sentiu-se ofendido, e em seguida curiosamente, o mesmo estava na frente da 75º Cia de Polícia, localizada na Itaberaba e solicitou como se eu fosse um criminoso, que eu parasse meu veículo que já estava ocupado por minha esposa e suas amigas. De pronto o fiz sem questionar.

Ao sair do veículo, o comandante da guarnição, diga-se de passagem muito educado solicitou a minha documentação e a do veículo, fiz mais uma vez sem questionar, só que após as verificações, aproximou-se o mesmo militar que ouviu a frase e começou a dizer que eu já sabia o porque da abordagem; eu surpreso respondi que não sabia e a cada minuto que passava o referido militar se descontrolava e de forma grosseira e mal educada passou a dizer que eu estava fazendo "piadinha" da polícia militar e sem me deixar ter nenhum direito de resposta (que é ilegal), passou a me constrangir e a ofender-me verbalmente perante várias pessoas na frente da citada companhia.

A partir do momento em que as pessoas se aglomeravam, o referido policial aumentava cada vez mais o seu tom de voz, encarava-me, colocava o dedo na minha cara, dizia não ter medo da minha pessoa, dizia me conhecer (sendo que não o conheço), começou a me chamar de folgado, disse que eu deveria respeitar a polícia e por fim, as palavras que mais me deixou apreensivo e perplexo, foi quando o mesmo disse que "polícia não leva tapa e sim dá tapa" (vale salientar que em momento algum eu disse que iria bater em algum policial militar); não contente com as palavras proferidas, o citado militar fez ameaças dizendo que se eu fizesse algum concurso da polícia, o mesmo faria de tudo para me tirar, em seguida, prometeu que onde eu estivesse com meu veículo, iria prender o mesmo (Isso trata-se de perseguição), o policial estava tão descontrolado que no momento que fui liberado, agradeci ao comandante da guarnição com um simples obrigado e o mesmo em tom alto e sem o mínimo de educação proferiu as seguintes palavras "Obrigada uma porra". 

O que diz o art. 5º, inciso IV: "É livre a manifestação de pensamento sendo vedada o anonimato".

Ao final, um militar disse que no momento em que expressei a minha opinião citando um militar, acabei englobando toda a corporação. Aí, pergunto: "Então se um policial assaltar, todos são assaltantes? Se um policial cometer um homicídio, todos são homicidas?

Acho que foi um exagero e uma má interpretação por parte do policial que mais parecia um homem insano do que um homem da lei. Devemos qualificar os policiais militares, pois ao invés de termos segurança com os mesmos, nos sentimos inseguros. 

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.