RedeGN - Imprimir Matéria

ARTIGO – NATAN DONADON: O INQUILINO DA CELA 595

08 de Sep / 2013 às 23h00 | Espaço do Leitor

Qual adulto de hoje não já passou pela experiência durante a juventude de ouvir dos mais velhos uma frase bastante emblemática: “Você não é mais criança para estar se comportando dessa forma!”. A frase significava que aquele jovem já tinha amadurecimento suficiente para assumir uma nova postura na vida, não mais sendo admitidos certos comportamentos, principalmente aqueles que se desviavam dos padrões de respeito e moralidade. São princípios básicos, elementares e consagrados pela sociedade na formação do cidadão.

Por analogia, um país com 513 anos de descoberto, 191 anos da sua independência e 124 anos de proclamada a República, constituído com os Poderes do Estado universalmente admitidos para o funcionamento de uma nação democrática – o Executivo, o Legislativo e o Judiciário – e em cuja trajetória passou pelos Níveis de Ensino Fundamental, Médio e Superior no seu aprendizado como nação, merecia ouvir também um carão similar: “Brasil, você não é mais uma criança como nação para admitir tantos desvios de comportamento dos que deviam zelar pela sua boa imagem no contexto mundial!”. 

Impossível imaginar que estejamos presenciando fatos tão deploráveis quanto imorais de alguns membros desses poderes, que nos envergonham como cidadãos e maculam a imagem do nosso país. Enquanto os professores batalham nas escolas, mediante a compensação de ridículos salários remuneratórios, esmerando-se para auxiliar os pais na complementação da educação doméstica, os maus exemplos em nível nacional estão destruindo tudo de bom que vem sendo plantado na formação do caráter de nossas crianças e jovens.  

Como se conceber um Poder Legislativo, cuja Câmara Federal constituída de 513 Deputados, incumbidos do que seria a nobre tarefa de discutir, elaborar e aprovar as leis que devem normatizar a vida do país e de seus cidadãos, que tenha nos seus quadros um Deputado Natan Donadon que se desloca do presídio num camburão, algemado, utiliza a tribuna da Câmara para em ridículo discurso reclamar que “na hora de vir pra cá, eu fui tomar banho. E faltou água na torneira. Lá não tem chuveiro. É uma torneira. Água fria. E justamente hoje faltou água”e que ainda quer receber o seu mísero (!) salário de 26.723 reais, mais vantagens, suspenso pela mesa da Câmara!... Causa vergonha, nojo e asco a qualquer brasileiro!

Tudo isso poderia ter passado despercebido para quem não assistiu às imagens daquela sua triste chegada à Câmara, se os senhores deputados não tivessem votado pela não cassação do seu mandato, numa decisão corporativista e de autodefesa, criando para o Brasil a lamentável figura do primeiro presidiário deputado, no mundo! Há quem diga que o voto foi inspirado no pensamento de que “eu posso ser você... amanhã”!

A decisão da Câmara causou tanto estrago à instituição que o seu presidente articulou com o Supremo Tribunal Federal pela anulação da fatídica sessão, pensando em reverter a decisão anterior, fato repugnante e inédito que gerou ao Legislativo uma deplorável imagem para a sua história. Talvez agora que a votação não mais será secreta, e antevendo a marca negativa que ficará para a eleição de 2014, os senhores deputados vão ter que mostrar uma nova cara ao povo brasileiro.

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – De Vitória-ES  agenor_santos@ig.com.br

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.