RedeGN - Imprimir Matéria

Gonzaga Patriota é contra a criação do Fundo da Previdência Social

17 de Dec / 2011 às 21h00 | Política

A proposta do Executivo para criar o Fundo de Previdência Complementar para os servidores civis federais, que exercem profissão de risco (policiais federais, rodoviários e médicos, com exercícios em regiões de fronteiras, dentre outros), Projeto de Lei 1992/07, ganhou destaque no Plenário da Câmara Federal, depois que o Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), se posicionou contra sua aprovação e o denominou de “golpe contra o trabalhador”. Da tribuna da Câmara dos Deputados, Gonzaga Patriota sentenciou: “Foi através do voto do trabalhador, do aposentado, da dona de casa, do servidor público e, até do desempregado pernambucano que fui eleito Deputado, pela primeira vez, ainda muito jovem, em 1982 e, são essas mesmas categorias que vem se somando a outras, para me reelegerem durante esse longo período e, é dessas pessoas que eu devo cuidar”.

Gonzaga Patriota disse ainda: “No inicio do governo do presidente Lula foi criado, por lei, contra o meu voto, o chamado fator previdenciário, isso fez com que as aposentadorias acima de um salário mínimo ficassem praticamente congeladas”. Segundo Gonzaga Patriota “um aposentado que recebia, em 2003, valor correspondente a 10 salários mínimos, atingido pelo fator previdenciário, recebe hoje, menos de cinco salários mínimos, sem contar com a taxação dos aposentados que são pejorativamente chamados de  inativos”. Devido às novas regras, o valor máximo de aposentadoria para quem ingressar no serviço público, se aprovada a criação do fundo será o teto da Previdência Social (atualmente em R$ 3.689,66). Ou seja, o PL 1992/07 fixará o limite máximo para a concessão de aposentadorias e pensões.

Ainda de acordo com o deputado pernambucano, esse projeto, se aprovado, será um pesadelo ao trabalhador. “Essa proposta da Presidente Dilma Rousseff é um desestímulo ao contribuinte, pois qualquer trabalhador empregado ou autônomo, mesmo com o aumento da expectativa de vida para 74 anos, só se aposentará no final da vida e, passará a contribuir com o dobro do que contribui hoje com a Previdência Social”, disse Gonzaga Patriota. Apesar de ser da base do governo, Gonzaga Patriota disse que irá apoiá-lo somente naquilo que achar conveniente. “Temos que ter a responsabilidade, como parlamentar da base do governo, de apoiá-lo naquilo que for possível. Quando não for, não contem comigo. Para mim, em primeiro lugar está o povo”, finalizou Patriota.

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.