RedeGN - Imprimir Matéria

Célia Regina deixa o PT depois de anúncio da chapa com o MDB nas eleições estaduais

31 de Mar / 2022 às 08h00 | Política

Em e-mail a Rede GN a ex-vice presidente do PT na Bahia que também assumiu diversas secretarias nas gestões do ex-prefeito Isaac Carvalho em Juazeiro, Célia Regina informa que está deixando o PT - Partido dos Trabalhadores. 

Na correspondência encaminhada ao PT com cópia  enviada a Rede GN, Célia explica as razões que a levaram a tomar tal decisão. Confira:

Andarão dois juntos se não estiverem de acordo?

Por meio da presente 'Carta Aberta', informo ao povo baiano e juazeirense fim e início de ciclos entre mim e o Partido dos Trabalhadores e das Trabalhadoras - PT e o Partido Socialismo e Liberdade - PSOL.

Da minha trajetória política como mulher, mãe, feminista, à esquerda desde sempre e lulista atualmente (voto em Lula no atual cenário, independente de partido):

Sou grata ao PT por todas as oportunidades que pude conquistar para, juntos construirmos um Brasil decente: construímos!

O PT me ensinou o que melhor pude aprender no sentido de trabalhar com seriedade e amor por uma nação livre: trabalhei por 20 anos ocupando funções públicas!

Honestidade eu aprendi com meus pais. A prática dela me foi possível durante as duas décadas de serviço público representando o Partido dos Trabalhadores em órgãos estadual e municipal.

Do fim do ciclo petista:

Nasci livre, mas a minha liberdade feminina e feminista foi conquistada com muita dor, noites sem dormir, renúncias e até violências. E, o preço dessa liberdade me leva ao entendimento de que, a partir da imposição do governador Rui Costa ao informar o MDB - na Bahia da família Vieira Lima -  como vice na chapa majoritária, a minha obrigação com o PT se finda.

Das razões:

Se é necessário, devo lembrar à todas as pessoas que me dão a honra de ler essa missiva que, TODAS
AS MAZELAS  ora enfrentadas com sofrimento pelo povo brasileiro, a partir da desastrosa gestão do presidente da República, se deve unicamente ao golpe contra o povo brasileiro orquestrado e encabeçado pelo MDB.

Não, a violência não foi só contra Dilma Rousseff. Foi contra o Brasil. Foi contra todas nós mulheres. Foi contra a minha família. Foi contra mim e as minhas filhas. 

Não, a prisão de Lula não foi uma injustiça somente contra ele. A dor machucou o Brasil. Afrontou a nossa democracia. Atingiu à mim e à todo povo brasileiro e também da América Latina. 

Não! Não cometerei violência contra tudo que sempre defendi por acreditar e não apoiarei a presença do homem do bunker milionário para, junto comigo e outros companheiros, governarmos a Bahia.

Não! Eu não tenho argumentos que ajudem ao eleitor baiano a optar por votar numa chapa composta pela família que, não bastasse apoiar e conduzir o golpe contra o Brasil, amontoou em um imóvel bem aqui na Bahia, milhões de dólares de origem questionável. 

Despeço-me, portanto, do PT.

Sobre o PSOL:

Aprendi a amar o Partido Socialismo e Liberdade - PSOL por sua coragem e obstinação em defender a mulher, a população LGBTQIA+, ao povo negro e as comunidades tradicionais. 

O PSOL me faz acreditar e enxergar que podemos lutar pelo fortalecimento e valorização de um povo sem colocar a mera ambição pelo poder como prioridade. 

No PSOL fiz amizades que levarei para a eternidade e aqui cito o querido e saudoso professor Paulo José e a sua filha Valentine Oliveira atual presidenta da legenda municipal. Jaime Badeca o doce, mas valente advogado juazeirense. Laina Crisóstomo, mulher  preta, gorda, lésbica e vereadora em Salvador.  E, com muita honra, o professor Fábio Nogueira, meu candidato ao senado baiano na eleição passada, quando me recusei à votar num certo coronel também indicação do companheiro Rui Costa.

Concluo reafirmando que:

Essa Carta Aberta é sobre gratidão e respeito ao PT e ao PSOL. O primeiro por tantos ensinamentos e o segundo pela acolhida honrosa.

Essa carta é também sobre o meu exercício em praticar a liberdade por mim conquistada para declarar:  Não votarei na chapa que ora representa a misoginia, o machismo e a antidemocracia! 

Dilma Rousseff não sofreu um impedimento: foi golpe!

Célia Regina Carvalho Arouca - Ex-vice presidenta estadual do PT na Bahia

 

Da redação

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.