RedeGN - Imprimir Matéria

Professores de Juazeiro mantém paralisação por mais 72h e aguardam reunião com a prefeitura para a próxima sexta-feira (11)

09 de Mar / 2022 às 21h07 | Variadas

Com grande participação dos trabalhadores em educação de Juazeiro foi realizada na tarde desta quarta-feira (09), no auditório da APLB Sindicato, mais uma assembleia para definições da categoria acerca da luta que está sendo travada com o município pelo pagamento integral dos 33,24% do piso nacional do magistério.

A categoria mostra que está cada dia mais engajada no movimento da APLB e puderam ouvir a palestra realizada pelo convidado da APLB Sindicato, o ex-deputado federal Severiano Alves, um dos criadores do Piso Nacional do Magistério que em Julho deste ano completa 14 anos de existência.

Ele passou informações de extrema importância, principalmente devido ao momento vivido pelos servidores em educação que estão vendo um direito garantido por lei ser negado e as negociações proteladas a partir de um discurso de ‘ausência de recursos’. 

“O piso salarial não caiu do céu, não veio de mão beijada. Professor nunca teve defensor na Câmara Federal nem no Congresso Nacional. Teve discursos, mas na hora de enfrentar o poder, poucos tiveram coragem. Na Constituição de 1988, o Art. 206 § 5º define a valorização do magistério como princípio básico da educação. Em 1995 o Brasil chegou à conclusão que o custo de um aluno por mês era de R$ 3, no Canadá era U$ 150, no Japão era U$ 200 o que era uma distorção da educação brasileira”, explicou Severiano Alves lembrando que sempre esteve em busca de melhorias que promovessem as mudanças necessárias para essa realidade da educação brasileira. 

Durante quase uma hora de palestra, o ex-deputado expôs toda sua luta ao longo de mais de 10 anos desde a primeira apresentação feita por ele de uma emenda constitucional para a criação do Piso Nacional do Magistério. A emenda acabou sendo aprovada na Câmara e no Senado e regulamentada após muita pressão contrária. “Se não é essa emenda que coloca na Constituição o piso nacional do salário do magistério da educação pública vocês não teriam um salário mínimo como base de cálculo para incorporar as vantagens do cargo”, ressaltou Severiano Alves, bastante aplaudido pelos trabalhadores em educação presentes.  

“Hoje aqui foi uma festa da democracia, de informação, uma verdadeira Jornada Pedagógica com uma aula sendo dada aqui pelo ex-deputado Severiano Alves e com uma participação da categoria muito grande, mostrando que o movimento está se fortalecendo cada dia mais, na perspectiva de conseguirmos nossos direitos. Ficou definido que a paralisação permanece por mais 72h e uma nova assembleia será realizada na próxima sexta-feira, (11), às 9h no auditório da APLB e queremos que ela seja muito maior que as anteriores, pois os trabalhadores em educação estão vindo maciçamente aos encontros. Isso mostra a importância da união da categoria e só amplia a força da classe”, afirma Gilmar Nery.  

Para ele, a palestra de Severiano Alves serviu para que todos os servidos tomassem conhecimento e tivessem consciência de como surgiu, é aplicado e como deve ser cumprido o piso do magistério por todos os municípios de todos os Estados da Federação. “Enquanto aguardamos um posicionamento da prefeitura, continuamos em estado de alerta e com as atividades paralisadas”, ressalta o diretor da APLB Sindicato, Gilmar Nery.  

Pela manhã o diretor da APLB Sindicato participou de uma reunião no gabinete do presidente da Comissão de Educação da Câmara, o vereador Lourival Quirino, para discutir uma solução para a crise criada pelo município ao não querer repassar o reajuste do piso nacional do magistério. Participaram da reunião, outros vereadores que fazem parte da Comissão e também uma equipe técnica do município: Recursos Humanos e Secretaria de Educação.   

“Passamos as informações do que foi encaminhado ao sindicato, do reajuste de 26,53% para o piso inicial da carreira e 10,3% para as demais 14 faixas salariais - sendo que só uma foi contemplada com 26,53%. Os técnicos da prefeitura sustentaram a mesma tese de que não tem condições de reajustar mais e não tem autonomia para discutir qualquer tipo de mudança naquela tabela. Então ficou decidido mais uma rodada de reunião e o líder do governo, vereador Aníbal Araújo, se comprometeu a marcar uma reunião com a presença da prefeita, que deve acontecer nesta sexta-feira (11) e vamos aguardar”, informou Gilmar Nery.  

Ascom-APLB

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.