RedeGN - Imprimir Matéria

Caso Beatriz: Lúcia Mota questiona falta de assinaturas das deputadas do PT, PSOL e da delegada Gleide Angelo para garantir CPI. Deputada Dulci Amorim emite nota

06 de Feb / 2022 às 10h30 | Variadas

Lúcia Mota gravou video cobrando da deputada Dulcineide Amorim e também da Mandata Coletiva do Psol, e de delegada Gleide Angelo a assinutura para garantir a CPI DO Caso Beatriz. No audio Lúcia argumenta sobre a importância da CPI e questiona a "tentativa de desarticulação da CPI devido a falta de assinaturas das deputadas do PT e PSOL".

"Deputados vocês representam a vontado do povo. Se manifestem a favor da justiça, da verdade, da vida, assinem a CPI precisamos de vocês", escreveu Lúcia nas redes sociais.

Após o Governo ter apontado Marcelo da Silva como assassino da menina Beatriz Angélica e o suspeito ter negado a autoria do crime através de uma carta divulgada pelo seu advogado, o deputado estadual Romero Albuquerque (PP) decidiu que o episódio exige participação mais efetiva do legislativo estadual. Ele anunciou o pedido de uma CPI para investigar o que, de fato, aconteceu em Petrolina naquela noite, há seis anos.

“Temos, em primeiro lugar, uma mãe e um pai que têm o direito de saber a verdade, toda a verdade. Temos a Polícia Civil, que precisa dar esclarecimentos a essa família e a toda sociedade. Se este homem, agora, diz que não é o autor do crime, mas a Secretaria de Defesa Social garantiu que, após seis anos, identificou o DNA do suspeito na arma do crime, alguém está faltando com a verdade”, disparou. "E a instituição não pode ser ridicularizada publicamente por um criminoso", completou. 

O deputado estadual Romero Albuquerque (PP) repercutiu nas redes sociais e provocou o primeiro debate acalorado do ano na Assembleia Legislativa de Pernambuco, as criticas às colegas Gleide Ângelo e Jô Cavalcanti (PSOL). 

Segundo Albuquerque, as deputadas trabalharam contra a criação da comissão desde que ele deu início à coleta das assinaturas. O deputado pareceu bastante irritado com a mandatária do coletivo Juntas que, segundo ele, vazou a lista dos parlamentares que já haviam assinado e ajudou a pressioná-los a desistir da iniciativa.

Durante uma entrevista, Albuquerque admitiu que a CPI não acontecerá. “Se eu pudesse responsabilizar duas pessoas por não termos criado essa CPI, seriam Gleide e a Juntas”, disse ao jornalista Aldo Vilela, dando detalhes da movimentação “mal-assombrada” nos bastidores.

Para ser protocolado, o pedido de criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito precisa ter, além da assinatura do autor, o apoio de outros 16 deputados, totalizando um terço dos parlamentares. 

Albuquerque conta ter o apoio oficial de 12 colegas e o compromisso de outros três deputados de situação. Somando, ainda assim faltaria 1 assinatura para alcançar o objetivo. De acordo com ele, Jô e Gleide teriam se esforçado para jogar um balde de água fria nas articulações e argumentado, através de ligações e conversas, não haver necessidade de instaurar uma CPI.

“Não achávamos que seria tão difícil. Esse não é um trabalho de oposição, nem é algo para expor ou duvidar do trabalho da Polícia. Muito pelo contrário. A CPI é uma prerrogativa de qualquer casa legislativa, tem sua legitimidade respaldada pelo regimento interno e, neste caso, tem o único objetivo de agregar às investigações”, disse.

Nota da Deputada Dulci Amorim sobre as declarações da mãe da menina Beatriz

Para conhecimento da imprensa e da população pernambucana, o pedido de realização de uma Audiência Pública sobre o Caso Beatriz na Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe), foi feito à Comissão de Cidadania, Direitos Humanos e Participação Popular no dia 20 de dezembro de 2021. Essa, foi apenas mais uma das iniciativas do nosso mandato em apoio ao movimento Somos Todos Beatriz.

Eu e o ex-deputado estadual Odacy Amorim sempre nos colocamos como facilitadores do diálogo entre a família da menina e o governo estadual, e cobramos esclarecimentos, inclusive levando esse debate para a Alepe. Além disso, esse tema nunca foi pauta das campanhas eleitorais que participamos.

É importante frisar que, no dia da coletiva de apresentação dos detalhes sobre o indiciamento do suspeito do homicídio, 12 de janeiro no Recife, conversamos com os pais da menina e os consultamos sobre a manutenção da audiência pública diante dos novos fatos. Assim, foi acordado com eles de que o encontro na Alepe deveria ser mantido.
    
A Audiência Pública sobre o Caso Beatriz, marcada para o próximo dia 10 de fevereiro, está mantida e é vital a participação de todos os envolvidos. Diante disso, salientamos que o resultado dela será determinante para vislumbrar a necessidade da realização de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), inclusive podendo contar com o nosso voto favorável.

Considerando o nosso cuidado e a nossa atenção à luta da família da criança, lamentamos e recebemos com surpresa as declarações sobre um suposto boicote à CPI do Caso Beatriz , uma vez que transformar o assassinato de uma menina a facadas, dentro de uma escola, em capital político é, no mínimo, desumano. 
 
Por fim, reforçamos que a busca por justiça da família da menina é legítima, que nenhuma família merece ocupar esse lugar de sofrimento e dor que está, desde 2015, a família da pequena Beatriz. No entanto, é importante manter a serenidade e o respeito às pessoas que verdadeiramente estão no lugar de colaboradores e parceiros solidários nessa caminhada. 

Dulci Amorim, deputada estadual de Pernambuco

Redação redeGN

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.