RedeGN - Imprimir Matéria

Conferências apresentam diagnóstico do saneamento em cidades de Pernambuco e Alagoas no Submédio São Francisco

27 de Aug / 2021 às 12h30 | Variadas

Para dar voz à população e ouvir dela as demandas e problemas mais urgentes das cidades em relação ao saneamento básico, iniciou, na essa semana, a fase de conferências municipais. A primeira conferência do ciclo de elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico acontece nas cidades de Itacuruba, Jatobá, Ibimirim, Santa Maria da Boa Vista, em Pernambuco, e Água Branca, em Alagoas.

Nesta fase, o Instituto de Gestão de Políticas Sociais (Gsois), empresa contratada pelo Comitê da Bacia Hidrográfica do Rio São Francisco através da Agência Peixe Vivo, concluiu o produto dois dos seis que serão entregues até o final dos trabalhos, previsto para 2022.

O produto dois explica em detalhes o Diagnóstico da Situação do Saneamento Básico de cada município. Os documentos com cerca de 650 páginas definem o resumo histórico das cidades nos eixos de abastecimento de água incluindo especificações como a qualidade da água, prestador do serviço e infraestrutura e percepção da comunidade; esgotamento sanitário descrevendo a cobertura dos serviços, investimento, entre outros fatores; além da destinação dos resíduos sólidos e drenagem de águas pluviais.

O diagnóstico do saneamento detalha ainda formas de acondicionamento de resíduos sólidos, tratamento e manejo, destinação final, identificando também passivos ambientais e inter-relação com saúde, responsabilidades quanto à implementação e operacionalização. Além disso, também traça uma análise dos sistemas de manejo e drenagem das águas de chuva e das técnicas e tecnologias utilizadas fazendo o diagnóstico e caracterização dos sistemas de drenagem.

“Nesta etapa a gente apresenta um relato das situações encontradas em cada município. O trabalho consiste em apontar aqui os problemas recorrentes e o que precisa de soluções, soluções essas que serão pensadas a partir da conclusão desta fase, no prognóstico”, explicou o engenheiro civil José Luiz de Azevedo Campelo, coordenador geral dos estudos. A elaboração do Plano Municipal de Saneamento Básico tem o prazo de 14 meses. O coordenador destacou ainda que dos 507 municípios pertencentes à Bacia do São Francisco, somente um trata 100% do esgoto e outros 150 lançam o esgoto diretamente no rio sem tratamento.

O gestor municipal de Santa Maria da Boa Vista, George Rodrigues Duarte, ressaltou que o plano vai subsidiar um crescimento ordenado da cidade. “Através do plano teremos subsídio e informação no que diz respeito ao saneamento do município que tem uma diversidade grande com área de sequeiro, quilombola e muitos distritos. Ficamos felizes pela participação da população porque é ela quem indica o problema real, não adianta a gente imaginar e com o plano vamos poder correr atrás de recursos para colocar em prática o que o plano apontar”.

Os documentos referentes ao diagnóstico do saneamento estão disponíveis para leitura no site do Gesois através do link http://www.gesois.org.br/novo/

Ascom CHBSF

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.