RedeGN - Imprimir Matéria

Guilherme de Pádua, assassino de Daniella Perez, sai em defesa de Bolsonaro

15 de Oct / 2018 às 21h02 | Política

O ex-ator Guilherme de Pádua Thomaz, condenado a 19 anos e seis meses pelo assassinato da atriz Daniela Perez, filha da autora de novelas Glória Perez, usou as redes sociais para defender o candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL). Hoje pastor, Pádua postou um vídeo na quinta-feira (11/10) que avabou ganhando repercussão a partir do domingo(14/).

"Eu vi pessoas formadas, até com mestrado, sabe, pessoas assim que poderiam ter doutorado, acreditando que o Bolsonaro vai perseguir os negros e os gays como Hitler perseguiu os judeus. É impressionante como os radicais conseguem colocar loucuras na cabeça das pessoas", diz Pádua no vídeo, que dura cerca de 1 minuto.

O ex-ator prossegue afirmando que quem for eleito vai ter que governar para os brasileiros. "Ou daqui a quatro anos, ou antes disso, o povo escolhe outro. Mas olha, é importante lembrar: quem está decidindo as eleições não são os radicais, nem de direita nem de esquerda. São os moderados, aqueles que querem um Brasil melhor, que querem um Brasil pacificado. Então, seja quem ganhar… Parece que a chance é maior do Bolsonaro", afirma.

As afirmações geraram críticas e apoio nas redes sociais. Apoiadores de Haddad compartilharam o vídeo como uma forma de desqualificar Bolsonaro. E houve eleitores do capitão reformado afirmando que o apoio de Pádua era uma estratégia da camapanha petista. 

O ator José de Abreu, que já chamou Bolsonaro de 'nazista' foi um dos que aproveitaram o vídeo para fazer campanha contra Bolsonaro. "Atores a favor do nazista: Guilherme de Pádua, matador da filha de Gloria Peres; Regina Duarte, que apoia Temer e o fim do Ministério da Cultura; Alexandre Frota, que amanhã será preso por não pagamento de pensão alimentícia… Mais algum?", escreveu no Twitter.

Estado de Minas

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.