RedeGN - Imprimir Matéria

Paulo Câmara, do PSB, é reeleito governador de Pernambuco

07 de Oct / 2018 às 21h49 | Política

O governador de Pernambuco, Paulo Câmara (PSB), se reelegeu com pouco mais de 50% dos votos válidos, indica o Datafolha. Seu principal opositor, o senador Armando Monteiro (PTB), teve 36% dos votos. 
 
Durante toda a campanha eleitoral, a principal estratégia governista foi carimbar Monteiro como integrante da "turma do Temer". A fórmula foi usada repetidamente no programa eleitoral, em debates e nos principais discursos.

Armando Monteiro, que votou contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff (PT), tinha em seu palanque dois ex-ministros do presidente Michel Temer (MDB): Mendonça Filho (DEM) e Bruno Araújo (PSDB).

A vitória de Paulo Câmara começou a ser traçada após acordo nacional entre PT e PSB, que conseguiu evitar a candidatura de Marília Arraes (PT), considerada bastante competitiva, em troca da neutralidade do partido do governador na disputa presidencial para isolar Ciro Gomes (PDT).Câmara apoiou o impeachment de Dilma e votou em Aécio Neves (PSDB) no segundo turno da eleição de 2014.

Mesmo assim, contou com o apoio formal do PT em Pernambuco e fez uma campanha explorando a imagem do ex-presidente Lula, preso em Curitiba.

O governador eleito chegou a dizer, durante o processo eleitoral, que estava arrependido de ter apoiado a retirada de Dilma do poder. "No contexto histórico, me arrependo sim."

Entre as principais promessas de campanha, destacam-se pagamento de 13º do Bolsa Família, crédito popular de até R$ 3.000 e implementação do ProUni Pernambuco.

Os principais desafios de Câmara na sua segunda gestão são geração de emprego e redução da violência. Em 2017, Pernambuco registrou 5.426 assassinatos, o maior número já contabilizado na história do estado. Em 2018, experimenta dez meses seguidos de redução da taxa de homicídios.Paulo Câmara, 46, é casado com a juíza estadual Ana Luiza Câmara e tem duas filhas. Servidor público há 25 anos, fez carreira como auditor do Tribunal de Contas de Pernambuco (TCE-PE).

Foi secretário de Administração, Turismo e Fazenda durante gestão do ex-governador Eduardo Campos, que era seu principal padrinho político.

É investigado no Superior Tribunal de Justiça (STJ) por suspeita de participação em esquema de superfaturamento da Arena Pernambuco, construída para a Copa do Mundo pela construtora Odebretch.Câmara também foi citado na Lava-Jato. Um ex-diretor da JBS, o delator Ricardo Saud, disse que negociou propina com o governador para abastecer a campanha dele em 2014. O pessebista nega as acusações.

Em 2014, foi escolhido por Eduardo Campos, morto em acidente aéreo durante a campanha presidencial daquele ano, para ser o candidato ao governo de Pernambuco. Derrotou Armando Monteiro também no primeiro turno e conseguiu ser o governador mais bem votado do país, com 68% dos votos. 

Com informações da Folhapress

© Copyright RedeGN. 2009 - 2022. Todos os direitos reservados.
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do autor.