RedeGN - Mototaxistas estão entre os profissionais que procuram o empreendedorismo individual em Juazeiro

Mototaxistas estão entre os profissionais que procuram o empreendedorismo individual em Juazeiro

Juazeiro já possui quase mil prestadores de serviço cadastrados como empreendedores individuais. Entre os profissionais que se formalizaram no município estão: padeiros, mecânicos, cabeleireiros e mototaxistas, que vêem o cadastro como meio de trabalhar com mais estímulo. Jean Rodrigues Horas, de 40 anos, é um dos mototaxistas que procuraram o Sebrae para se tornar empreendedores individuais.

Ele soube da lei que formaliza os profissionais autônomos em um balcão de serviços do Sebrae. “Eu estava passando pelo centro da cidade, quando vi o mutirão e resolvi parar. Quando soube que poderia me registrar como autônomo e ter direitos como auxílio-doença, aposentadoria ou mesmo tirar empréstimos financeiros com mais facilidade não pensei duas vezes: fiz o cadastro”, lembra. 

O mototaxista se registrou em maio deste ano. De lá pra cá, trabalha com mais estímulo, transportando uma média de 20 clientes por dia. Durante três anos, ele trabalhou sem contribuição com o INSS, algo que o desestimulava. “Antes, eu prestava serviço para Governo do Estado, mas com o fim do contrato fiquei desempregado. Incentivado por amigos comprei uma moto para trabalhar como mototaxista”, lembra Jean, que tem três filhos. Ele diz que no início não tinha muitas perspectivas, porque o trabalho não rendia benefícios junto ao INSS. “Depois que me tornei empreendedor individual retomei a esperança, agora sei que vou ter benefícios...”, ressalta o mototaxista, que é cadastrado na prefeitura de Juazeiro para realizar o serviço.  

Fábio da Conceição, de 25 anos, é outro mototaxista que se cadastrou como empreendedor individual no Sebrae. Para ele, trabalhar por conta própria e contar com benefícios iguais ao de um trabalhador com carteira assinada significa muito. “Nunca imaginei trabalhar como autônomo com a possibilidade de conseguir os benefícios que tenho hoje pagando tão pouco”, disse. Hoje, ele se diz mais tranqüilo e já pensa em realizar o cadastro da mãe como empreendedora. “Ela tem vontade de vender confecções e estou pensando em fazer o cadastro dela para que ela também tenha os benefícios que eu tenho”, falou.

Quem trabalha como taxista também vê vantagens em se tornar empreendedor individual. Seu José Edvilson de Sousa, de 56 anos, cadastrou-se no Sebrae e está aproveitando para divulgar a lei para os colegas. “Sou taxista há 25 anos e fico pensando que já poderia estar perto de me aposentar pelo tempo de serviço. Nunca é tarde para começar a fazer a coisa certa e hoje trabalho com mais segurança. Sei que se precisar a lei está ao meu lado”, desabafa. 

Fonte: Agência Sebrae/Juazeiro