RedeGN - ARTIGO – SERÁ A CAMINHADA PARA UM NOVO TEMPO?

ARTIGO – SERÁ A CAMINHADA PARA UM NOVO TEMPO?

Assim como não é permitido a ninguém o direito de vilipendiar sobre a miséria alheia, mesmo naqueles instantes em que o indivíduo está recebendo a justa condenação pelos seus atos e caminhando em direção ao cadafalso ou à cela prisional, fato que naturalmente provoca no íntimo de cada cidadão uma leve sensação de prazer por vê uma nesga de justiça sendo finalmente praticada neste Brasil, também não se pode aceitar que os réus do Mensalão – leia-se José Dirceu e José Genuíno - assumam uma postura de heróis e se apresentem de punhos erguidos e fechados como se desafiassem a autoridade que os condenou. Mais grave ainda é a atitude de expressar um leve sorriso como se transmitissem uma mensagem de felicidade e que aquele cenário lhes era favorável a uma volta vitoriosa. Quem sabe, tudo é possível neste Brasil!

Embora tudo que esteja agora acontecendo, após uma longa espera de oito anos, só foi possível porque um ministro assumiu com dignidade a sua responsabilidade - o “Homem do Mau” como está sendo acusado - e assumiu todos os ônus de tentar levar a termo esse processo. Para vencer esse desafio, travou homéricas batalhas internas dentro do próprio STF contra colegas ministros que ali chegaram com objetivos bem definidos, mas a prisão de todos os envolvidos ainda não satisfaz plenamente, porque a pergunta que está atravessada na garganta das pessoas sérias deste país e ainda sem resposta, é: E o dinheiro público desviado, quem vai devolver aos cofres da nação?

Embora no seu fundamento o Mensalão fosse inspirado no ato de corromper com dinheiro aos débeis e corruptíveis parlamentares para a votação/aprovação de conveniências aos interesses partidários ou do governo, o mérito e exclusividade na idealização desse crime não pode ser atribuído apenas ao PT, a quem também não pode ser avocado o direito de patente. É lamentável, mas a compra de votos tem tradição histórica desde os tempos coloniais, além de não está restrito somente ao Congresso Nacional, mas extensivo às Câmaras Estaduais e Câmaras de Vereadores. Quando retiro a exclusividade do PT quero dizer que essa prática está disseminada em todo o território nacional e dela não escapa nenhum Partido inocente nesse universo. É tristemente cultural!

Há outro aspecto da questão que precisa ser lembrado. Quando o governo junta num pacote as Emendas Parlamentares dos senhores deputados e libera milhões de reais apenas condicionando à fidelidade na votação do seu interesse, certamente que partes dessas verbas sucumbem como se fossem dízimos para lobistas, deputados e para alguém nos Ministérios, e lá na ponta o dinheiro chega insuficiente para a execução da obra, esse crime poderia também ser apurado com rigor e julgado como o processo do Emendão! No entanto é um crime já institucionalizado ou diriam, legalizado!

E as nomeações de conveniência apenas para assegurar uma base partidária, não se constituem num ato de desvio de gestão? Por exemplo, a presidente Dilma numa atitude que refletiu a autoridade do cargo, demitiu em 2011 do Ministério do Trabalho e Emprego o presidente do Partido Democrático Trabalhista-PDT, Deputado Carlos Lupi, por denúncias de fraudes e desvios de recursos. Por imposição e condição estabelecida para continuar apoiando o governo, como se a Presidente fosse sua refém, exigiu o direito de indicar o seu substituto e assim foi nomeado o Sr. Manoel Dias. Atualmente já corre o boato de desvio de mais de 400 milhões de reais nas verbas do Ministério! Significa que a “a raposa continuou tomando conta do galinheiro”! E esses não são também crimes que merecem a atenção do Ministério Público e processo com igual rigor? E o Senhor Deputado Paulo Maluf, que não mais viaja ao exterior porque poderá ser preso pela Polícia Internacional para justificar a fortuna de dinheiro público desviado e depositado nos paraísos fiscais! E o Deputado Natan Donadon, o inquilino da cela 595! Seria preciso um plantão permanente do STF e mais uma meia dúzia de “Joaquins” para julgarem e prenderem toda essa corja de marginais da política brasileira!

Em meio a toda essa tempestade gerada pelo Mensalão, eis que eclodiram escândalos em São Paulo envolvendo pessoas ligadas à gestão do PSDB e que devem merecer a mesma intensidade de rigor nas investigações, não somente levando à cadeia os culpados, como determinando a devolução dos valores desviados. Por concordar literalmente com o que disse o Ministro Luís Roberto Barroso, do STF, quando do julgamento do Mensalão, sou levado a repetir trecho já citado na minha recente crônica “NEM `O PROGRAMA FOME ZERO` ESCAPA!”:

   “[...] Não existe corrupção do PT, do PSDB ou do PMDB. Existe corrupção. Não há corrupção melhor ou pior. Não é corrupção do DEM. A corrupção é um mal em si e não deve ser politizada [...] providências urgentes de reforma do modelo político, tanto do sistema eleitoral quanto do sistema partidário [...] recomendar aos cidadãos que policiem em si próprio o que desprezam em altos dirigentes do país”.

Autor:  Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – de Salvador-BA agenor_santos@ig.com.br