RedeGN - ARTIGO – NEM O “PROGRAMA FOME ZERO” ESCAPA!

ARTIGO – NEM O “PROGRAMA FOME ZERO” ESCAPA!

Imagino que cada leitor deste blog tanto na escola como na vida doméstica, aprendeu ao longo da vida certas regras simples que o conduzia sempre na direção de uma linha de comportamento, marcada para o caminho da correção, respeito e ter vergonha na cara. Quantas vezes à mesa no café da manhã ou durante o almoço os pais interrompiam a refeição por pequenos instantes para ensinar lição de moral aos filhos, ou chamar-lhes à atenção por alguma notícia de falha de conduta! Era a educação doméstica funcionando. Na escola houve um tempo em que no currículo escolar existia a matéria Moral e Cívica. Hoje pode não ter uma matéria similar, mas, certamente, os nossos professores fazem essa tarefa por conta própria.

Alguns diriam que os tempos mudaram e que certos desvios de comportamento viraram coisa comum. Preferia estar utilizando o espaço semanal dessa coluna para a exaltação da cultura, o registro de conquistas e realizações tanto pelo cidadão no dia a dia como pelo poder público. Entretanto0 o que se ler nas páginas dos jornais e revistas, e se ouve em todos os noticiários de rádio e televisão, exaustivamente, são as histórias mais deprimentes de assalto aos recursos públicos, através de projetos que não se realizam, obras que se iniciam e não são concluídas, alimentos do governo jogados fora, escândalos de todos os matizes! Todo esse conjunto de práticas que enojam a todos se resume numa única palavra que atualmente está impregnando o nosso vocabulário, virou instituição nacional e está envergonhando o povo brasileiro: corrupção!  

Pasmem os leitores: O gerente de operações da CONAB (Companhia Nacional do Abastecimento) no Paraná, Valmor Luiz Bordin, foi preso pela operação "Agro-Fantasma", deflagrada pela Polícia Federal no Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Toda a cúpula paranaense da CONAB, inclusive o atual superintendente, Luiz Carlos Vissoci, e seu antecessor, Lafaiete Jacomel, foram afastados de suas funções. A operação investiga desvio de dinheiro em 22 unidades do PAA (Programa de Aquisição de Alimentos), vinculado ao Programa Fome Zero, em 15 cidades paranaenses. O delegado Maurício Todeschini, que comandou a operação, não soube informar o valor desviado. Segundo a PF, o PAA deve consumir R$ 300 milhões em 2013 apenas no Paraná. Em todo o país, prevê movimentar R$ 1,2 bilhão! Em Caravelas, sul da Bahia, enorme quantidade de leite embalado em sacos plásticos de 1 a 2 litros, simplesmente foram desviados e vendidos para alimentação de suínos. Ufa, nem o Fome Zero escapa!

Mesmo com todos os últimos fatos que envolveram a respeitável instituição do Supremo Tribunal Federal, talvez a última esperança do povo brasileiro, e ainda que não tenha concordado na íntegra com o voto tendencioso do eminente Ministro Luís Roberto Barroso, no julgamento do Mensalão, sou levado a concordar com algumas frases conceituais usadas por ele, quando declarou que “não existe corrupção do PT, do PSDB ou do PMDB. Existe corrupção. Não há corrupção melhor ou pior. Não é corrupção do DEM. A corrupção é um mal em si e não deve ser politizada (...) a imensa energia jurisdicional despendida no julgamento da AP 470 terá sido em vão se não forem tomadas providências urgentes de reforma do modelo político, tanto do sistema eleitoral quanto do sistema partidário (...) recomendar aos cidadãos que policiem em si próprios o que desprezam em altos dirigentes do país”. De se lamentar que, como juiz da alta Corte naquele momento e após frases tão verdadeiras, mas aparentando uma forma de justificar o seu voto, ele tenha minimizado o grau de importância do caso, visto que foram desviados APENAS R$150 milhões e “é questionável a afirmação de se tratar do maior escândalo político da história”!

Essa praga que está destruindo a sociedade brasileira e que coloca o Brasil no ranking mundial dos países com maior índice de corrupção, tem de ser combatida. Como um país jovem no conjunto das nações, ainda está em tempo de se lutar por uma reforma estrutural que privilegie uma mudança de atitudes, de caráter e de respeito na gestão da instituição pública. Ainda que a geração atual não alcance os efeitos benéficos desse novo Brasil, pelo menos estaremos construindo um novo país para filhos, netos, bisnetos e tataranetos. O fortalecimento e valorização da educação em todos os níveis, o retorno aos valores esquecidos da educação doméstica e o uso responsável do exercício do voto através da democracia, são os instrumentos fundamentais para alcançarmos um novo tempo neste nosso país.

Autor: Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público – de Salvador-BA agenor_santos@ig.com.br