RedeGN - ARTIGO: CAMINHOS E DESCAMINHOS DO DINHEIRO PÚBLICO

ARTIGO: CAMINHOS E DESCAMINHOS DO DINHEIRO PÚBLICO

Tenho certeza que o ufanismo que domina os corações dos brasileiros, e que enche de otimismo, confiança e novas esperanças cada cidadão quanto ao futuro deste nosso país no conjunto das nações, de repente é novamente atingido por vergonhosas e desalentadoras notícias de novos fatos ligados aos históricos desvios de verbas públicas. Esse mórbido comportamento que está impregnado na alma da grande maioria dos Gestores do dinheiro público, seja nos Governos Municipais, Estadual ou Federal, Ministérios, Congresso Nacional, ou mesmo em Departamentos e Instituições Públicas afins, tem o poder não somente de ferir no cerne da dignidade das pessoas de bem, como o de macular de forma trágica a nossa imagem como povo no exterior. Dias atrás li um comentário de que um dos motivos da evasão de novos investimentos no Brasil era o elevado índice de corrupção existente no país, pelo que pode representar de desestabilização, também, na área político-institucional. Não concebo até onde chegará o nível de tolerância dos Tribunais, para a punição, com rigor, dos responsáveis por comprovados atos de assalto aos recursos oficiais.

Virou moda o triste esquecimento de um escândalo nacional diante do surgimento de outro de maior graduação (!), seja pelo volume de dinheiro desviado, seja pelo grau de importância da autoridade envolvida. E assim a mídia vai se alimentando com o vasto repertório diário de crimes de toda ordem, ficando até meio monótono quando a televisão quebra a rotina passando a dar uma sequência de boas notícias!

Em 2011 o Brasil assistiu estarrecido à tragédia causada pelas chuvas na Região Serrana do Rio de Janeiro, quando quase 1.000 pessoas perderam as vidas e outro tanto ficou desabrigado. Prontamente o Governo Federal marcou presença e liberou recursos não somente para amparar os desabrigados como para a realização de obras gerais de infraestrutura e proteção de encostas, visando prevenir a população de novos episódios. Mas, pasmem! Grande parte das verbas foi vergonhosamente surrupiada, as obras não foram executadas e a tragédia voltou a se repetir este ano!

Outro fato que muito se discutiu durante anos foi quanto ao acerto de realizar ou não o Projeto de Transposição das Águas do Rio São Francisco, nosso querido Velho Chico, visando levar água a outros Estados nordestinos e assim beneficiar uma grande massa do sofrido homem do campo, afetado todos os anos pela inclemência da seca. Certamente que grandes estudos técnicos foram providenciados e a decisão de executar a obra era quase que uma paixão avassaladora. Discussões e debates à parte, mesmo os contrários abafaram o seu ímpeto de luta contra o projeto, visto que o objetivo final parecia de uma grandeza realmente incontestável. Ledo engano! Não é que o Tribunal de Contas da União-TCU, com as obras ainda em andamento, já acusa o desvio de R$ 734,0 milhões das verbas alocadas, a TV mostra imagens de canais construídos, mas abandonados e semidestruídos, túnel mal feito que já desabou!... Quanta podridão! Conclui-se que um projeto bem imaginado e que tanto benefício traria a esse povo nordestino, está fazendo a transposição não de água, mas sim de muitos milhões para matar a sede de dinheiro fácil de alguns, que precisam ser investigados e punidos.

Esses fatos nebulosos fazem com que o país dê alguns passos à frente e outros tantos para trás, como se uma nuvem negra insistisse em ofuscar o sol do desenvolvimento e da redenção social, que tenta brilhar, teimosamente, sobre esta nossa pátria encantadora! E o dinheiro público segue na sua triste trajetória, por caminhos e descaminhos.

Autor:  Adm. Agenor Santos, Pós-Graduação Lato Sensu em Controle, Monitoramento e Avaliação no Setor Público                                   agenor_santos@ig.com.br