RedeGN - Luar do Sertão

Luar do Sertão

Embora cearense no sobrenome, foi um maranhense de São Luis que exaltou com singela e rara exuberância as inolvidáveis belezas do Luar do Sertão. Quem, em algum momento da vida, já não cantou com enlevo e romantismo os versos de Catulo da Paixão Cearense, verdadeiro hino de louvação ao sertão? “Não há, ó gente não há, luar como este do sertão” traz o estigma da paixão profunda pelos encantos das terras semi-áridas do sertão, que não têm as águas verdes do mar a banhá-las, mas tem a noite iluminada pela celestialidade dos astros.

A noite, quando escura é o apanágio dos fracos e dos possuídos por inconfessáveis propósitos; quando sob o brilho suave do luar se torna o aconchego dos boêmios e românticos, envolvidos pelas doçuras do amor.

A divindade sábia e incomensurável do Criador estabeleceu regras básicas de justiça e convivência com a grandiosidade da criação. Tudo foi dividido com equidade; se de um lado as agruras da seca trazem ao sertão a fome, o sofrimento e a morte, ao litoral a chuva traz a tragédia das águas, inundando de dor o desprotegido homem urbano. Se o mar banha as praias e traz um refrigério de paz e prazer aos seus veranistas, o sertão tem o privilégio do luar inusitado e encantador, sem qualquer similaridade com as noites metropolitanas, cujas montanhas de cimento ofuscam e impedem o deleite do luar.

A caatinga, baixa ou rasteira, no crepitar dos seus galhos secos e sol implacável, parece esperar os estertores finais de uma vida de seca, como se hibernasse à espera de uma gota da chuva salvadora. Durante o dia os buracos no solo ou as lapas de pedras se tornam no esconderijo protetor dos répteis e lagartos, que fogem do calor abrasador do sertão; à noite, por entre os gravetos e cipós retorcidos eles saem à caça ou simplesmente buscam a contemplação do luar, favorecidos na sua pequenez pela natureza que desfolhou as árvores, como se lhes abrissem as cortinas da beleza e do encantamento. 

Tenho o privilégio de ser sertanejo por adoção espontânea. A experiência com o solo e a gente sertaneja trouxe-me lições de sensibilidade de como é viver e sentir o sertão, com as suas carências e grandiosidades. Em Uauá, prazerosamente, tive a honra de conhecer uma figura da maior magnitude moral, autodidata das letras e das palavras, cujo nome identifica com galhardia a sua terra e enriquece uma convivência cultural: Coronel Jerônimo Rodrigues Ribeiro.

Voltei novamente para o sertão de Uauá sem jamais ter saído dele, espiritualmente. Voltei para a contemplação de sua beleza maior e de incomensurável magnitude: o Luar do Sertão. Como disse Catulo da Paixão Cearense:

“Esse luar cá da cidade, tão escuro
Não tem aquela saudade
Do luar do sertão”

Adm. Agenor Santos agenor_santos@ig.com.br

Foto Ilustrativa da Internet