RedeGN - PROGRAMA SAÚDE EM MOVIMENTO-RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA INICIA ATIVIDADES NA BAHIA

PROGRAMA SAÚDE EM MOVIMENTO-RASTREAMENTO DO CÂNCER DE MAMA INICIA ATIVIDADES NA BAHIA

Dados do Instituto Nacional do Câncer (INCA) mostram que o número de casos novos de câncer de mama esperados para 2011 na Bahia é de 1.970, sendo 780 na capital. Até maio de 2011, foram registrados 217 óbitos em mulheres. Para mudar esta estimativa, o Governo do Estado, por meio da Secretaria de Saúde e das Voluntárias Sociais da Bahia (VSBA), iniciou neste sábado (1º), o programa Saúde em Movimento - Rastreamento do Câncer de Mama.

A primeira cidade a receber a ação foi Itaberaba, a 267 quilômetros de Salvador, onde estiveram presentes o governador Jaques Wagner, a primeira-dama e presidente das Voluntárias Sociais da Bahia, Fátima Mendonça, entre outras autoridades. O objetivo da iniciativa é realizar mamografia em 4.451 mulheres entre 50 a 69 anos. Além de Itaberaba, mais 13 cidades do Centro-Leste receberão a primeira etapa do programa. A região foi escolhida por conter o segundo maior número de mulheres na faixa etária de maior risco para a doença.

Os exames são realizados em uma unidade móvel, que vai percorrer 28 microrregiões do estado. De acordo com a coordenadora da Unidade Móvel, Rose Simões, as unidades visam facilitar o acesso das moradoras à prevenção da doença que mais mata as mulheres. A costureira Elizabete Souza dos Reis, 61 anos, foi uma das primeiras a realizar o exame capaz de detectar nódulos nas mamas. Ela disse que aproveitou a oportunidade para se prevenir. “Quando fiquei sabendo, corri logo para a fila para não perder tempo. Já fiz o exame umas duas vezes, mas não faço todo ano porque o custo é alto, é preciso ir para outro município, mas graças a Deus surgiu esta oportunidade”, enfatizou.

Segundo o secretário de Saúde do Estado, Jorge Solla, o programa será executado durante dois anos. Solla explica que a ação conta com três etapas, sendo a primeira de mamografia; a segunda vai ocorrer caso haja suspeita de nódulo na mama, quando a paciente será encaminhada a uma unidade especializada de oncologia para realizar exames confirmatórios, como ultrassonografia. A terceira etapa será após confirmação do resultado positivo da doença, quando as mulheres serão encaminhadas para realizarem o tratamento especializado, entre estes, quimioterapia, radioterapia. “Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, melhor é a capacidade de resposta ao tratamento. Além dos exames, queremos que esse seja um trabalho educativo que conscientize as mulheres sobre a importância da prevenção”, disse.

Agecom