RedeGN - Sindicombustiveis/PE e Petrobras confirmam presença na audiência pública sobre preço abusivo de combustíveis em Petrolina

Sindicombustiveis/PE e Petrobras confirmam presença na audiência pública sobre preço abusivo de combustíveis em Petrolina

O Sindicato dos Postos de Combustíveis de Pernambuco (Sindicombustíveis) e a Petrobras, já confirmaram presença na audiência pública que será promovida na próxima quinta-feira, dia 19, pelo deputado estadual Odacy Amorim, do PSB/PE. A audiência acontecerá na Câmara de Vereadores do município, a partir das 9h, e vai debater o preço abusivo da gasolina na cidade. O debate ocorrerá no âmbito da Comissão de Negócios Municipais, que é presidida por Odacy na Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe). 

Ainda deverão se fazer presentes no debate, o líder do governo na Alepe, deputado estadual Waldemar Borges (PSB) e os deputados Rodrigo Novaes (PTC) e Rildo Brás, que são membros titulares da Comissão. O deputado Odacy Amorim também recebeu a confirmação do secretário estadual da Fazenda Paulo Câmara e aguarda também o comparecimento na discussão do procurador geral de Justiça em Pernambuco, Agnaldo Fenelon, que esteve com o parlamentar na semana passada em Petrolina e manifestou a vontade de participar da audiência. 

Odacy convidou ainda para a audiência pública, representantes do Ministério Público Federal em Petrolina, donos de postos de gasolina na cidade, dos sindicatos dos mototaxistas e dos taxistas, associações de transportes alternartivos na região do São Francisco, Câmara de Dirigentes Lojistas de Petrolina (CDL), BR-Juazeiro, Procon em Petrolina, Sindicato das Empresas de Turismo e Sindicato das Empresas de Ônibus do município.

“Queremos reunir todos nesse debate e convocar a população para se fazer presente também. O importante é acharmos uma solução que acabe com esse problema que é antigo em Petrolina”, disse Odacy Amorim. Através de pesquisas, o deputado já constatou que o valor do litro da gasolina na principal cidade do Sertão do Estado já ultrapassou os R$ 3,00 mesmo antes do aumento anunciado nos últimos dias. “Isso dá à Petrolina um título nada agradável que é ter a gasolina mais cara do Brasil”, constata o parlamentar.