RedeGN - Campanha da Fraternidade 2022 reflete sobre o tema da educação. Identidade da Campanha é da autoria de um baiano

Campanha da Fraternidade 2022 reflete sobre o tema da educação. Identidade da Campanha é da autoria de um baiano

A Campanha da Fraternidade para o ano de 2022 (CF/2022) reflete sobre o tema da educação, com o lema Fala com sabedoria, ensina com amor (Pr 31,26). A CNBB considera oportuna, de suma relevância e até mesmo profética a reflexão: o que ocorreria com uma pessoa, um país ou uma sociedade que não levasse em conta uma formação crítica e sólida? 

No texto divulgado pela Conferência dos Religiosos do Brasil (CRB), são levantadas hipóteses e reflexões sobre os caminhos educacionais no país, os entraves que inviabilizam uma educação de qualidade, sobretudo no período de grave crise causada pela pandemia de covid-19, entre outros assuntos. 

A publicação busca refletir sobre a indispensável relação entre fraternidade e educação, recordando que educar não é um ato isolado, mas, sim, o encontro no qual todos são educadores e educandos, uma inspiração para a missão educacional de cada pessoa, da família, da escola, da Igreja e de toda a sociedade.

Realizada no Brasil desde 1964, a Campanha da Fraternidade tem como propósito ser um caminho para que os cristãos vivam a espiritualidade quaresmal com o sentido de mudança e transformação pessoal rumo à solidariedade, um problema concreto da sociedade brasileira.

Pensando a educação em todos os âmbitos da vida, a identidade visual da Campanha da Fraternidade de 2022, feita pelo leigo Antonio Batista de Souza Júnior natural de Angical (Bahia), tem como inspiração o capítulo oitavo do Evangelho segundo João.

No cartaz, diante da mulher, surpreendida em flagrante adultério, e que está prestes a ser apedrejada, Cristo, Divino Mestre e Educador, apresenta um novo ensinamento que se revela como um verdadeiro ato de esperança no ser humano. Jesus educa de maneira pedagógica, integral e a partir de uma ação repleta de sabedoria e amor. Este é o único momento em que o Evangelho mostra Jesus escrevendo. 

Redação redeGN