RedeGN - Método Wolbachia: Contra a dengue, segunda fase de implantação dos wolbitos começa em Petrolina

Método Wolbachia: Contra a dengue, segunda fase de implantação dos wolbitos começa em Petrolina

Uma nova fase do projeto de implantação dos Dispositivos de Liberação de Ovos (DLOs) do Método Wolbachia teve início em Petrolina. Nessa terça-feira (11), contando com a presença do líder da World Mosquito Program no Brasil, Luciano Moreira, novos bairros receberam os dispositivos contendo cápsulas com ovos dos wolbitos. No fim do dia, um documentário sobre o método e as cidades que já passaram pela implantação foi apresentado no auditório do Transforma Petrolina, no parque Josepha Coelho.

Nesta segunda etapa, nove bairros estão sendo contemplados com a implantação das DLOs,  são eles: Cohab Massangano, Cohab São Francisco, Distrito Industrial, Gercino Coelho, Jardim Amazonas, Jardim Maravilha, Ouro Preto, Palhinhas e Pedro Raimundo. Os mosquitos Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia não transmitem dengue, febre amarela, Zika e nem chikugunya. Em contato com os mosquitos locais eles repassam a Wolbachia, diminuindo ainda mais os índices de transmissão dessas doenças. 

Petrolina foi a primeira cidade do Nordeste a contar com uma biofábrica do Método Wolbachia. Para o líder do projeto no Brasil, Luciano Moreira, a vinda a Petrolina é importante. "Desde a inauguração da biofábrica eu pretendia vir até Petrolina, no entanto, só consegui agora, nesta segunda implantação. É sim muito importante participar do processo e acompanhar. Além da visita à biofábrica, verificando a estrutura e o trabalho dos profissionais, pude ainda acompanhar os agentes de endemias no campo e finalizar o nosso dia com a amostra do documentário que marca o nosso trabalho por diferentes cidades do país", explicou.

A noite a visita foi encerrada no auditório com a amostra do documentário construído com técnicos, profissionais e população onde estão implantadas as biofábrica no país. Para a Secretária de Saúde, Magnilde Albuquerque, a gestão abraçou o projeto e está junto nesse processo. "Estamos com os nossos profissionais de endemias neste processo, são eles os responsáveis pela implantação e monitoramento das DLOs. Então, a nossa expectativa é ter resultado com a diminuição de infecção pelas arboviroses, mas lembrando à população que essa é uma tarefa conjunta, as pessoas precisam usar a consciência e evitar acúmulo de água parada, evitar espaços e vasilhas que acumulem água e dentro de inúmeras orientações que passamos para evitar a proliferação de doenças", concluiu a secretária.

Ascom PMP