RedeGN - Pesquisador da vida e obra de Roberto Carlos aguarda ansioso Especial de Natal nesta quarta (22)

Pesquisador da vida e obra de Roberto Carlos aguarda ansioso Especial de Natal nesta quarta (22)

Depois de reprisar o show em Jerusalém em 2020, a Globo exibe nesta quarta (22) o especial de fim de ano de Roberto Carlos. Inédito, o programa começa após a novela "Um Lugar ao Sol" e é uma das atrações mais esperadas pelos brasileiros.

"Esperei o ano inteiro por este reencontro. Que saudades que eu estava!", afirmou Roberto Carlos em nota. Ivete Sangalo, Sandy, Fafá de Belém, Zeca Pagodinho, Wanderléa e Erasmo Carlos estão entre os convidados do show neste ano.

Entre os milhares de brasileiro, em Petrolina, um está mais ansioso. Trata-se de Adriano Thales Valdevino, um dos maiores pesquisadores e colecionadores de discos, objetos raros, fonogramas gravados no exterior, souvenires, documentos e revistas que contam a trajetória do Rei Roberto Carlos. 

O acervo do colecionador é histórico e de uma contribuição imensurável à memória do artista. São várias vitrines expondo discos raros em vinil, CDs, fitas cassetes, filmes em VHS, DVD, revistas, pôsteres, entre outras peças que traduzem a história do menino de Cachoeiro do Itapemirim (ES).

Em 2012 Adriano Thales fez o famoso cruzeiro do Rei Roberto e conheceu uma senhora do interior de São Paulo, a quem Adriano prefere chamar apenas de Anjo Bom. Ela e seu marido são apaixonados fãs de Roberto Carlos e tiveram a oportunidade de conhecerem Adriano que lhes contou a história dos anos que acompanha o rei e do acervo que tinha juntado nesse tempo todo. Ela ficou interessada e depois de outras conversas ainda no navio perguntou ao fã petrolinense qual era o seu maior sonho.

Adriano em sua simplicidade que lhe é peculiar, disse ao seu Anjo Bom que o seu maior sonho era construir um centro de cultura onde pudesse reunir todo o seu acervo e que oferecesse cursos de música para crianças carentes. Depois de alguns meses, Adriano recebeu um telefonema dela dizendo que uma equipe de apoio o procuraria em Petrolina para ver um local onde pudesse ser montado o centro de cultura que pudesse atender os anseios de Adriano. 

O jovem ficou emocionado e alguns dias depois a equipe chegou a cidade, identificou um prédio na Rua Castro Alves, 428, no centro da cidade e a equipe técnica que veio para dar apoio na construção do centro passou alguns dias em Petrolina fazendo todo o planejamento. O projeto foi concebido e a obra foi concluída com acompanhamento de arquiteto e engenheiro. 

Num domingo, dia 19 de abril de 2015, dia do aniversário de Roberto Carlos, Petrolina ganhou o CENTRO CULTURAL EMOÇÕES.

Adriano revelou que Na infância, a paixão por uma única música de Roberto Carlos acabou desenhando o amor do garoto pela trajetória do Rei. Tudo começou no Recife depois da separação dos pais, quando ele ficou morando com a mãe e os irmãos. Era começo da década de 80, até que um dia a mãe ouvia um disco do cantor. A canção Meu Querido, Meu Velho, Meu Amigo impressionou o menino, então com 12 anos. Certo dia, com saudade do pai, que morava em Fortaleza, pegou o LP e ouviu incansavelmente a mesma faixa. 

“Ouvi tanto que o disco começou a enganchar. Aí eu usava o truque de colocar uma caixa de fósforo sobre o braço da antiga vitrola, para não pular”, conta.

Naquele mesmo ano, o pai esteve no Recife para lhe visitar e disse que queria dar um presente. Seria um brinquedo, mas o menino surpreendeu dizendo que queria ir a uma loja de discos da Avenida Conde da Boa Vista. Lá, pediu ao pai que comprasse um disco de Roberto Carlos. Acabou ganhando vários. 

E o primeiro encontrou com o ídolo? “Foi um show inesquecível em Campina Grande (Paraíba), quando tive acesso ao palco e ao camarim, e fiz a primeira foto com ele”, lembra Adriano. 

Não parou mais. Assistiu a apresentações em várias cidades. Assim tornou-se amigo de músicos e assessores. Em uma dessas ocasiões, conseguiu provar ao Rei que ele havia gravado a canção Jesus Cristo em língua inglesa num compacto de 1971, lançado na Holanda. 

Roberto Carlos só acreditou quando teve uma cópia na mão dada por Adriano. Em 2012, o fã embarcou pela primeira vez no Cruzeiro. E foi no mar que recebeu o sinal de um empresário que o apoiou para abrir o Centro Cultural Emoções. “Meu ideal é compartilhar sempre a trajetória de Roberto Carlos, que é a história da cultura e da música brasileira”, completa Adriano.

"É um reencontro com o público via televisão. A noite de todos os brasileiros é mais especial na voz de Roberto Carlos", finalizou Adriano.

Redação redeGN