RedeGN - Pesquisa CNT: Lula tem 42,8% das intenções de voto; Bolsonaro, 25,6%

Pesquisa CNT: Lula tem 42,8% das intenções de voto; Bolsonaro, 25,6%

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) subiu de 41,3% para 42,8% nas intenções de voto para as eleições presidenciais de 2022, revela a 150ª edição da Pesquisa CNT de Opinião.

Por outro lado, o atual chefe do Executivo Nacional, Jair Bolsonaro (PL), caiu de 26,6% para 25,6%. Os dois movimentos, no entanto, estão dentro da margem de erro do levantamento, de 2,2 pontos percentuais.

A pesquisa foi divulgada nesta quinta-feira (16/12) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A última sondagem aconteceu em julho deste ano.

Segundo turno

No segundo turno, Lula ganharia de todos os concorrentes avaliados pela pesquisa.

Contra Bolsonaro, o petista tem 52,7% das intenções de voto, enquanto o atual mandatário da República, 31,4%.

Além de Lula, Bolsonaro perderia também para Ciro Gomes (38,6% das intenções de voto do pedetista contra 33,4% do atual presidente) e Sergio Moro (33,8% contra 30,4%).

O atual mandatário da República ganharia apenas de Doria. O governador de São Paulo tem 25,2% das intenções de voto para presidente em uma possível disputa em segundo turno contra Bolsonaro, que tem 34,8%.

A pesquisa também avaliou a possibilidade de voto nos pré-candidatos na corrida ao Palácio do Planalto. Na prática, serve para entender o potencial de cada político.

Cerca de 22,3% dos entrevistados disseram que votariam com certeza em Bolsonaro para presidente; 14,8% pontuaram que poderiam votar nele; e 59,2% afirmaram que não votariam nele de jeito nenhum.

O potencial de Lula é quase o dobro do de Bolsonaro. Mais ou menos 40% garantiram que votariam nele com certeza para presidente e 15,7% disseram que poderiam votar nele.

O levantamento foi realizado em parceria com o Instituto MDA, de 9 a 11 de dezembro.

Foram realizadas 2.002 entrevistas presenciais, em 137 municípios de 25 unidades da Federação. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, com 95% de nível de confiança.

Metropoles