RedeGN - Wagner Rosário, ministro da CGU, vira investigado pela CPI da Pandemia

Wagner Rosário, ministro da CGU, vira investigado pela CPI da Pandemia

Os senadores da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pandemia decidiram, nesta terça-feira (21), que o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU) Wagner Rosário passou da condição de testemunha para investigado na comissão.

“Quero comunicar que pela orientação, elevo a condição de Wagner Rosário para investigado da CPI”, afirmou o relator da CPI, senador Renan Calheiros (MDB-AL).

Na sequência, o presidente da CPI, senador Omar Aziz (PSD-AM), encerrou a sessão.

“Nada mais havendo a tratar, está encerrada a sessão. Já começou a ordem do dia”, concluiu.

A decisão dos senadores aconteceu após a suspensão momentânea da sessão desta terça, após uma grande confusão desencadeada por um bate-boca entre o ministro Wagner Rosário, que prestou depoimento, e a senadora Simone Tebet (MDB-MS).

“Respeite a senadora, seu moleque”, diz senador

Durante a sessão, a parlamentar questionou a atuação da CGU diante da investigação sobre as suspeitas do contrato de compra da Covaxin, vacina contra a Covid-19, entre a Precisa Medicamentos e o Ministério da Saúde

Em resposta, Wagner Rosário chamou a senadora de “descontrolada” e disse que ela deveria reler todo o processo. Ele completou dizendo que Tebet estava falando “uma série de inverdades”.

Diante da tensão, Simone defendeu que a sessão deveria ser suspensa. A maioria dos senadores saiu em defesa de Tebet.

“Respeite a senadora, seu moleque”, disse Otto Alencar (PSD-BA). O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) classificou como “machista” a postura de Rosário.

CNN / foto: Leopoldo Silva/Agência Senado