RedeGN - Governadores de 20 estados dizem em nota que alta do preço da gasolina é 'problema nacional'

Governadores de 20 estados dizem em nota que alta do preço da gasolina é 'problema nacional'

Vinte governadores divulgaram nota na qual afirmam que o aumento do preço da gasolina é um "problema nacional" e não das unidades da federação.

A carta é uma resposta às acusações do presidente Jair Bolsonaro, que culpa os estados pelo aumento do preço do combustível.

Na carta, os governadores afirmam que, embora o preço do combustível tenha registrado aumento superior a 40% nos últimos 12 meses, nenhum estado aumentou nesse período o Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), um dos tributos que incidem sobre a gasolina.

"Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema", escreveram os governadores, entre os quais aliados de Bolsonaro como Claudio Castro (Rio de Janeiro), Romeu Zema (Minas Gerais) e Ronaldo Caiado (Goiás).

"Os Governadores dos Entes Federados brasileiros signatários vêm a público esclarecer que, nos últimos 12 meses, o preço da gasolina registrou um aumento superior a 40%, embora nenhum Estado tenha aumentado o ICMS incidente sobre os combustíveis ao longo desse período. Essa é a maior prova de que se trata de um problema nacional, e, não somente, de uma unidade federativa. Falar a verdade é o primeiro passo para resolver um problema", diz a íntegra da nota.

Sete governadores não assinaram a carta: Carlos Moisés (Santa Catarina); Ratinho Júnior (Paraná); Mauro Carlesse (Tocantins); Marcos Rocha (Rondônia); Antonio Denarium (Roraima); Wilson Lima (Amazonas); e Gladson Cameli (Acre).

Embate

Na semana passada, o preço médio do litro da gasolina subiu pela 7ª semana consecutiva nos postos, de acordo com levantamento realizado pela Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

O preço médio da gasolina chegou na semana passada a R$ 6,076 por litro, contra R$ 6,059 por litro na semana anterior, o que representa uma alta de 0,28%. Nos 4.390 postos pesquisados pela ANP, o preço máximo chegou a R$ 7,199 o litro e, o mínimo, foi de R$ 5,19.

Os preços cobrados nas bombas viraram motivo de embate entre o presidente e os governadores.

Bolsonaro tem cobrado publicamente que os estados reduzam o ICMS para que, dessa forma, os preços da gasolina e do diesel recuem.

Segundo especialistas, o principal motivo da alta nos preços dos combustíveis é a desvalorização do real frente ao dólar.

Em audiência na Câmara, na semana passada, o presidente da Petrobras, general da reserva Joaquim Silva e Luna, afirmou que a empresa não repassa oscilações pontuais dos preços internacionais do petróleo para o valor dos combustíveis no Brasil.

Composição de preços

A formação do preço dos combustíveis é composta pelo preço praticado pela Petrobras nas refinarias, mais tributos federais (PIS-Pasep, Cofins e Cide) e estadual (ICMS), além do custo de distribuição e revenda.

Há ainda o custo do etanol anidro na gasolina, e o diesel tem a incidência do biodiesel. As variações de todos esses itens são o que determina o quanto o combustível vai custar nas bombas.

     

Signatários

Confira quais governadores assinaram a nota:

Rui Costa (Bahia)
Cláudio Castro (Rio de Janeiro)
Flávio Dino (Maranhão)
Helder Barbalho (Pará)
Paulo Câmara (Pernambuco)
João Doria (São Paulo)
Romeu Zema (Minas Gerais)
Ronaldo Caiado (Goiás)
Mauro Mendes (Mato Grosso)
Eduardo Leite (Rio Grande do Sul)
Camilo Santana (Ceará)
João Azêvedo (Paraíba)
Renato Casagrande (Espírito Santo)
Wellington Dias (Piauí)
Fátima Bezerra (Rio Grande do Norte)
Renan Filho (Alagoas)
Belivaldo Chagas (Sergipe)
Reinaldo Azambuja (Mato Grosso do Sul)
Ibaneis Rocha (Distrito Federal)
Waldez Góes (Amapá)

G1