RedeGN - IMPUNIDADE EM JUAZEIRO

IMPUNIDADE EM JUAZEIRO

Fomos bombardeados por uma enxurrada de denúncias e crimes de corrupção contra o dinheiro público em Juazeiro.

O único condenado por um juiz passageiro aqui em Juazeiro foi o senhor Joseph Bandeira, atual deputado federal.

Joseph foi condenado a cinco anos de prisão por ter confessado o pagamento com dinheiro público de uma festa de formandos da UNEB, universidade do estado da Bahia. E os outros?

O Sr. Misael Aguilar teve os seus bens indisponibilizados pela justiça federal por suspeita de fraude e superfaturamento no saneamento do bairro Itaberaba (processo está em andamento) feito pelo Saae. Mas cadê a sentença final?

Como anda e em que deu aquela CPI do depósito, quando foi denunciada a tentativa de extorsão ao banco Bradesco que chegou a pagar mais de R$15O.OOO,OO (cento e cinqüenta mil reais) por um stand na Fenagri e ainda a construção de uma piscina olímpica no ginásio de esportes. Tudo isso na última gestão do Sr. Misael Aguilar. Caso que envolvia o chefe da licitação da prefeitura. Cadê o resultado?

E aquela história do pagamento de salário do piloto do avião de Misael Aguilar com dinheiro da prefeitura de Juazeiro? A denuncia apontava que o piloto recebia através do gabinete do prefeito. Cadê o resultado?

A estrada do Projeto Salitre parou pela metade e está se desfazendo, por quê? A obra começou no governo de Misael e dizem que tem bronca por lá também!

Este outro absurdo que é a avenida da rodovia Salitre! A Codevasf tem ser responsabilizada, mas ninguém diz nada.

Quem paga é o povo de Juazeiro! Sofrido e calado.  E tem muita mais por aí, é só apurar!

Cadê a Câmara de Vereadores?  Cadê o Ministério Público? Cadê a Justiça?  E a Polícia Federal?

A sociedade sabe quem ficou rico aqui com o dinheiro do povo!  Sabe e aceita, ainda elogia. O povão é que não sabe de nada e ainda vota.

Ficam aí com seus seguidores tentando difamar gente honesta e boa de Juazeiro com comentários em blogs e rádios, muitos no espectro da covardia.

Mas a gente não treme.

João Roberto Pinheiro, comerciante pequeno, filho de Juazeiro