RedeGN - Morre de parada cardíaca o ator e artesão José Afonso, "Minha Pedra, o Conselheiro"

Morre de parada cardíaca o ator e artesão José Afonso, "Minha Pedra, o Conselheiro"

Morreu em Juazeiro, Bahia, no final da tarde desta quinta-feira (22), José Afonso da Cunha Martins, aos 73 anos, de parada cardíaca. Ator e artesão e os seus inúmeros apelidos: Afonso Conselheiro, Minha Pedra, Matusalem, estava internado em tratamento de diabetes. O sepultamento acontecerá às 10hs no cemitério central de Juazeiro. 

Nascido em Patamuté-Bahia em 19 de fevereiro de 1948, "Afonso Conselheiro", nas entrevistas concedidas a REDEGN dizia que adotou o Rio São Francisco e a cultura gonzagueano como filhos. O ator que viveu em Juazeiro desde 1965, relatava que um dos momentos mais produtivos de sua vida foi a gravação da novela da Rede Globo "Senhora do Destino". A novela foi reprisada este ano no "Vale a Pena Ver de Novo" nos finais da tarde e Afonso contracena com atrizes Renata Sorah, Carolina Dickman e Suzana Vieira e o saudoso José Wilker.

José Afonso todo ano participava da Romaria de Canudos, Bahia onde encarna as vestes de Antonio Conselheiro. "Não perco este momento de fé e resistência cultural. Antonio Conselheiro era um visionário", ressaltava Afonso. Também marcava presença nas festividades de nascimento de Luiz Gonzaga, no mês de dezembro em Exu, Pernambuco.

Nas redes sociais são inúmeras as mensagens de despedidas. No dia do aniversário de José Afonso a REDEGN publicou texto que homenageava o ator.

Confira texto de Valternilo Pimentel:

Estamos sempre divulgando gente boa e desta vez, focalizaremos o artesão José Afonso da Cunha Martins, mais conhecido por “Matusalém", apelido que ganhou quando participou da  novela Senhora do Destino. Afonso achava um pouco constrangedor perguntar o nome das pessoas e então passou a chamá-las de "Minha pedra", apelido que também incorporou. Ele também é conhecido como Afonso Conselheiro (devido a sua extensa barba, cabelos compridos e por representar Antônio Conselheiro grande revolucionário de Canudos-Bahia). Afonso é natural de  Patamuté, mais precisamente da Fazenda Boa Esperança, no interior de  Curaçá.

O artesanato é uma técnica manual utilizada para produzir objetos feitos a partir de matéria-prima natural. Normalmente Afonso faz seu artesanato em lata dentro de sua própria casa ou em uma pequena oficina. A partir da Revolução Industrial, que iniciou na Inglaterra, o artesanato foi fortemente desvalorizado, deixou de ser tão importante, já que neste período capitalista o trabalho foi dividido colocando determinadas pessoas para realizarem funções específicas, essas deixaram de participar de todo o processo de fabricação. 

Além disso, os artesãos eram submetidos às péssimas condições de trabalho e baixa remuneração. Hoje, o artesanato voltou a ter prestígio e importância. Continua a buscar elementos naturais para desenvolver suas peças originadas do barro, couro, pedra, folhas e ramos secos entre outros. Em todas as regiões é possível encontrar artesanatos diversificados originados a partir da natureza típica do local e de técnicas específicas.

O artesanato é reconhecido em áreas como bijuterias, bordados, cerâmica, vidro, gesso, mosaicos, pinturas, velas, sabonetes, saches, caixas variadas, reciclagem, metais, brinquedos, arranjos, apliques, além de várias técnicas distintas utilizadas para a fabricação de peças.

"Eu, no entanto, desenvolvi o reaproveitamento de latas de cervejas e refrigerantes para a fabricação de canecas, chapéus, toalhas, camisetas e outras peças que podem ser utilizadas no lar, uso a precisão e traço nas mãos, em cada peça fabricada vejo naquela arte, uma parte do meu corpo que me conduz a felicidade de poder compartilhar com quem adquire o meu produto a um reconhecimento também pelo trabalho realizado, e a busca de mais outras obras, pois a vida do artista precisa de sensibilidade para perceber que muitas vezes a realização de uma pessoa pode estar marcada na peça criada e seus apliques podendo transmitir lembranças e até mesmo conquistando a ingenuidade de uma criança ao ver sua foto plotada na peça. Me sinto gratificado” conclui emocionado.

Antigo morador de Juazeiro na década de 60 e no esplendor da juventude estudou no Colégio Rui Barbosa, Colégio Dom Bosco e Colégio Estadual em Petrolina-Pe. Em 1969 resolve viajar à São Paulo onde trabalha como Operador de Caldeira, na Laborfarma como embalador, foi informante no Instituto de Energia Atômica na USP-Cidade Universitária, ajudante de mecânico na Água Funda. 

Retornando a Juazeiro no ano de 1975, onde trabalhou em banca de revista  de Moailton Lopes e depois numa loja de discos com Moanilton Mesquita Lopes, em Senhor do Bonfim, sendo que um dia montou uma loja de discos de sua propriedade e de seu irmão. Logo depois retorna à Fazenda Boa Esperança onde torna-se criador de ovinos com seu pai. Neste período começa a criar cabelo e barba, sendo convidado por Gildemar Sena para fazer o papel de Antônio Conselheiro nos 100 anos do massacre de Canudos ocorrido em 1997 e, até hoje é o convidado a exercer esta representação de “ Conselheiro” herdando, portanto, o apelido.

Afonso Conselheiro também foi um carnavalesco fervoroso, lembra que em 1960 entusiasmado com o carnaval de rua juntou-se com colegas e faziam a diversão nas ruas e ainda não tinha despertado o carnaval nos clubes. Anos mais tarde, a convite de amigos frequentadores dos clubes Sociais, resolve acompanhá-los tanto na Sociedade Apolo Juazeirense e 28 de Setembro durante à noite e a Sociedade Artífices Juazeirense durante as matinês.

O seu Bloco de Carnaval foi “ Os Pirados” constituído de homens e mulheres que tinham como vestimenta uma mortalha azul com a logomarca de um negro com cabelo Black Power e barba em cor branca, com cerca de 30 componentes alguns com instrumentos de percussão e muito samba. A concentração era no Largo Dois de Julho; recorda-se de algumas pessoas que deram o sustentáculo do Bloco como: Expedito Alves, os irmãos Durval (In Memorian ) Bernadeth de Dona Almerinda, Pinguim, “Seu Lobo”, Pinduca, Josias Gomes, Professor Arimatéia, Carlinhos de “Rachosa”, Zé Mucine, Hildelbrando,Tavares (In memorian ) Carlinhos meu irmão, “Biba”, e toda sua família, enfim nosso bloco era muito unido. Com o decorrer dos anos os jovens tiveram que procurar seu próprio rumo para ter sua independência, culminando com sua dissolução e deixando muitas saudades.

Afonso decide, não participar mais de bloco percussivo e passa brincar seu próprio carnaval. Em 2000, por ter seu visual exótico de Antônio conselheiro, recebe convite do Presidente do Grupo Cultural “Comando Virgulino“, Crisóstomo Lima (Zó),  tornando-se figura de destaque da agremiação. Diz muito feliz “foi um grande orgulho poder interpretar o beato Antonio Conselheiro durante o Carnaval de Juazeiro e em breve voltarei a homenageá-lo. Ele foi um grande homem do sertão" finaliza.

AFONSO ATOR: Sua barba branca e cabelos esvoaçados resultaram no convite para participar da novela Senhora do Destino da Rede Globo. Inicialmente, Afonso integrou oficina de interpretação, fez testes e sendo aprovado, ganha o papel de Matusalém, rendendo-lhe o apelido e o carisma dos fãs espalhados por todo Brasil.

Por: Valterlino Pimentel (Pinguim)

Redação redeGN Foto Facebook