RedeGN - Grupo de Jovens aciona justiça para anulação da meta climática brasileira no Acordo de París

Grupo de Jovens aciona justiça para anulação da meta climática brasileira no Acordo de París

Com o apoio de oito ex-ministros do Meio Ambiente, Carlos Minc, Gustavo Krause, Izabella Teixeira, José Carlos Carvalho, Marina Silva, Rubens Ricupero, Sarney Filho e do baiano Edson Duarte, um grupo de seis jovens entrou com uma ação popular na justiça de São Paulo contra o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, e o ex-ministro das Relações Exteriores Ernesto Araújo, nesta terça-feira (13). 

O motivo é a "pedalada" climática do governo cometida em dezembro ao não apresentar uma nova meta ao acordo de París, que fez o País regredir no seu compromisso dediminuir os gases do efeito estufa.

Em dezembro de 2020 o Acordo de Paris completou cinco anos e todos os países signatários tiveram que apresentar novas versões dos compromissos assumidos em 2015. Ao invés de apresentar uma meta mais ambiciosa, o Ministério do Meio Ambiente apresentou uma nova meta que permitirá ao país emitir, até 2030, 400 milhões de toneladas a mais de gases do efeito estufa do que o previsto na meta original. 

De acordo com o advogado do Observatório do Clima, Paulo Busse, que representa os jovens, a ação tem como objetivo anular a nova meta climática, considerada danosa ao meio ambiente, além de pressionar o governo por um novo acordo de redução de gases do efeito estufa.

Para os jovens ativistas a pedalada climática "trará sérias consequências para o Brasil, como dificultar a entrada do país na Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e a ratificação do Tratado de Livre Comércio entre Mercosul e União Europeia. Além disso, nosso paísabriu precedente para que outros apresentem metas menos ambiciosas, prejudicando a todos."

Para os jovens a ideia não é de punir o governo, mas de arrumar o que consideram “uma pedalada climática” 

Esta é a primeira ação popular movida por jovens contra decisões do Brasil na área ambiental.

Uma das jovens ativistas é Walelasoetxeige Paiter Bandeira Suruí, de 24 anos, universitária Indígena. (Foto) 

Da redação redeGN/Com informações do G1/Foto divulgação