RedeGN - Por onde anda?  De volta ao Brasil Carol Baiana quer conquistar novos títulos. Onde?

Por onde anda?  De volta ao Brasil Carol Baiana quer conquistar novos títulos. Onde?

A redeGN volta publicar aos sábados, o quadro "Por Onde Anda?", que resgata histórias de sucesso e revela onde vivem e o que fazem na atualidade pessoas que tem atuação destacada em algum tipo de atividade, seja esportiva, artística, cultural ou profissional, com passagem pela região. Nesta primeira publicação vamos revelar os caminhos profissionais da atleta Carol Baiana.

Depois de rodar o mundo e atuar em grandes clubes do futebol feminino nos EUA e Europa, Carol Baiana, nascida em Petrolina (PE), criada em Juazeiro (BA), com raízes familiares também Barro Vermelho, distrito de Curaçá (BA), é uma cidadã do mundo e segue se destacando como craque de futebol por onde passa.

Carol despontou para o futebol atuando nas bases da ferroviária de São Paulo, Bangu, do Rio de Janeiro e sagrou-se tricampeã pelo Vitória de Tabocas, de Pernambuco, em 2011, 2012 e 2013.

Carol Baiana, nome carimbado pela sua infância em Juazeiro da Bahia, atuou na Seleção Brasileira de base e participou de dois mundiais pela seleção sub-20, em 2012 no Japão e 2014, no Canadá.

Sua trajetória internacional se completa com passagem em grandes clubes europeus e americanos, a exemplo do Hammarby-SUE (2020), Dijon-FRA (2019/2020), Bordeaux-FRA (2017/2018/2019) e o Orlando Pride-EUA (2017).

Na sua passagem pelos Estados Unidos conquistou o título de Jogadora Mais Valiosa do Futebol Universitário, berço de revelação das principais jogadoras americanas.

Por onde anda Carol Baiana? 

Ana Caroline Martins Rodrigues ou simplesmente Carol Baiana, de 26 anos, atacante, depois de oito anos atuando no exterior, voltou ao Brasil em fevereiro deste ano (2021), assinou contrato com o Palmeiras e está morando em São Paulo. 

Em recente publicação na página oficial do clube paulista, revelou a realização do sonho de voltar ao Brasil e mostrou-se bastante otimista quanto a conquista de títulos na temporada: “Joguei boa parte da minha carreira no exterior, mas sempre quis jogar no Brasil e o Palmeiras me proporcionou essa oportunidade de retornar ao meu país de uma forma grandiosa. Estou muito animada, pois o clube é conhecido mundialmente e tem muita expressão. Pretendo colaborar com minhas companheiras para conquistarmos feitos excelentes nesse ano”, afirmou.

Fora de Juazeiro desde que despontou para o futebol feminino, a atacante só atuou na terra onde se criou, Juazeiro, em dezembro de 2014, num jogo beneficente, no Estádio Adauto Moraes, jogando num time que contava com jogadores como Nixon, Petros e Daniel Alves, conterrâneos.

Foto divulgação Clubes e CBF