RedeGN - Artigo: O ser humano é único 

Artigo: O ser humano é único 

O ser humano é único; cada um carrega sua característica, com genótipo e fenótipo individual. Já o modo de se comportar, a maneira como ver o mundo e a forma de agi em determinadas situações podem sofrer interferências e influências externas.  

O acesso à informação, o ambiente onde está inserido e, principalmente, o processo de ensino e aprendizagem desde o caminho percorrido na educação escolar, na profissão escolhida e na construção familiar, poderão servir como parâmetros para entender determinadas atitudes de um sujeito. 

É fato que a ambientação, a convivência e o relacionamento social podem 'moldar' o indivíduo, o aprendizado que o forma, e o faz produto do seu meio. 

Conforme o filósofo Jean-Jacques Rousseau, 'o homem nasce bom em si mesmo, ou seja, sua natureza é dotada de bondade e que 'é a partir do momento em que resolve viver em sociedade que as desigualdades aparecem'. Rousseau acreditava que existiam dois tipos de desigualdade: 'a primeira, a desigualdade física ou natural, que é estabelecida pela força física, pela idade, saúde e até mesmo a qualidade do espírito; e a segunda desigualdade era moral e política, que dependia de uma espécie de convenção e que era autorizada e consentida pela maioria dos homens. Segundo o filósofo, para estudar a desigualdade moral e política, deve-se "ir até a essência do homem para julgar a sua condição atual". 

Vale ressaltar que o processo de ensino e aprendizagem não pode se limitar à mera transmissão de informações. Nem sempre o que se ouve, ver ou ler é uma verdade absoluta. A capacidade de identificar e absorver o que é certo e o que é verdade irão expor quem é realmente o manipulado e o conhecedor. 

Segundo o provérbio, 'quem nunca comeu melado quando come se lambuza'. Essa pérola da sabedoria tradicional remete àquele que nunca teve acesso a algum bem ou guloseima ou mesmo posição social, quando passa a tê-lo exagera na dose, gerando rupturas, desconfortos e até mesmo conflitos. 

 "Viver 

E não ter a vergonha 

De ser feliz 

Cantar e cantar e cantar 

A beleza de ser 

Um eterno aprendiz"...  – O que é, o que é? – Gonzaguinha 

*Gervásio Lima -Jornalista e historiador 

Espaço Leitor