RedeGN - Baixa vazão do Rio São Francisco já afeta embarque e desembarque de usuários das barquinhas

Baixa vazão do Rio São Francisco já afeta embarque e desembarque de usuários das barquinhas

Com 60% do volume útil, a barragem de Sobradinho, Bahia teve sua vazão reduzida desde a última quarta-feira (21). A baixa vazão já percebida em Juazeiro. No ponto de embarque e desembarque das barquinhas a água já baixou mais de um metro e meio.

A ilha do Fogo retornou a ser vista e das chácaras localizadas nas margens do rio São São Francisco a vazão baixa mostra uma outra realidade, bastante diferente da cheia do rio que era comememorada. 

Segundo dados que constam no site da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), responsável pela manutenção e operação do reservatório, no momento a vazão passou a ser de cerca de 800 metros cúbicos por segundo. O nível máximo da barragem vem diminuindo. Com os 60% verificados atualmente, o índice está abaixo dos 90% do volume máximo apresentados em abril deste ano, fato que não ocorria há 10 anos.

Entre 18 e 20 de outubro, a vazão da barragem oscilou entre 1708 m3/s e 1344 m3/s. A diminuição da vazão foi indicada pelo Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS). O objetivo da iniciativa é poupar a água do reservatório.

O Sindicatos dos Trabalhadores Rurais de Sobradinho informou que a medida ainda não afetou os produtores que captam água do Velho Chico, mas a preocupação é grande, já que há sinais de estiagem na região e a lembrança de severos períodos de seca, como o enfrentado entre 2014 e 2016, quando o volume útil da barragem caiu para 12%.

Segundo a Chesf, Sobradinho é o maior reservatório do Nordeste e exerce uma importante função de regularização do Rio São Francisco, reduzindo os efeitos da estiagem e de grandes cheias, além de ser responsável por cerca de 60% da água destinada à produção de energia da região.

Sobradinho, segundo a Chesf, é o maior reservatório de água do Nordeste, sendo responsável por cerca de 60% da água destinada à produção de energia da região.

Redação redeGN Fotos Ney Vital