RedeGN - Moradora da Flaviano Guimarães acusa destruição da praça e cobra da CSTT fiscalização do toque de recolher

Moradora da Flaviano Guimarães acusa destruição da praça e cobra da CSTT fiscalização do toque de recolher

Moradora da avenida Flaviano Guimarães acusa destruição da praça na avenida. Confira: "Geraldo, sou moradora da avenida Flaviano Guimarães, na altura do antigo supermercado Almeida, e essa semana recebemos no susto a destruição da praça e a notícia de que seria feita uma rotatória próximo a vários estabelecimentos comerciais, como açougue, supermercados, escola, salões de beleza e outros.

O que nós, moradores e comerciantes, sempre desejamos e pleiteamos era o fechamento do cruzamento que tanto causava acidentes e posteriormente que se tornasse canteiro central.

Com o advento dessa suposta rotatória, não poderemos mais estacionar nesse trecho da avenida. Perde a escola, onde os pais não poderão parar para deixar seus filhos.

Perdendo os comerciantes, onde seus clientes não poderão estacionar próximo ou não poderão realizar o serviço de carga e descarga. Perderemos nós, moradores, onde as casas em sua maioria são da década de 60 e não possuem garagem, dormindo muitas vezes os veículos estacionados na porta.

Minha casa, por exemplo, não poderei recuar e fazer uma garagem em razão da tal rotatória ser exatamente na minha porta. E, o mais absurdo foi o motivo alegado para a obra continuar. Segundo informações, seria o incômodo dos moradores das ruas ao fundo do antigo supermercado Almeida, que com o fechamento do cruzamento, estariam sendo utilizadas como "vias alternativas" por veículos de grande porte (caminhões e veículos de transporte coletivo). Isso é incabível e irrazoável. A desculpa seria voltar o fluxo desses grandes veículos para a avenida, sendo transformada em via rápida, em detrimento do prejuízo de moradores e comércio.

A CSTT esquece que a avenida Flaviano Guimarães tem restrições quanto ao peso e horário de circulação de veículos de grande porte por causar danos estruturais em residências. A placa foi retirada ontem em razão dessa famigerada obra. Não entendo o desconforto dos moradores dessas ruas utilizadas como "vias alternativas", visto que, já eram utilizadas por condutores a fim de evitar o trânsito e o semáforo da avenida. Em dias normais, o fluxo de pessoas, principalmente adolescentes, crianças e idosos, é imenso. Tem uma vasta área escolar no entorno. O número de acidentes nessa área é grande, esse cruzamento sempre foi muito problemático. Veículos já subiram as calçadas e atingiram residências, sendo os moradores obrigados a construírem barricadas com cano e concreto.

Já houve acidentes que levaram pessoas queridas a óbito. Com o fechamento do referido há quase um ano atrás, tivemos uma ponta de esperança que esse cenário mudaria. Desligaram o semáforo recentemente, e aconteceram acidentes que poderiam ter sido evitados. Normalmente, inúmeros condutores que utilizam a via já cometem infrações. Não tem fiscalização nenhuma pelo órgão de trânsito na Avenida Flaviano Guimarães. Imagina a situação de pedestres com o advento dessa rotatória? Uma obra que afeta assim a vida de moradores e comerciantes deveria ter sido amplamente debatida e não ter nos feito engolir. Não houve clareza e transparência por parte da prefeitura e da CSTT para conosco. Estamos extremamente insatisfeitos. Nunca pedimos por essa rotatória. 

Gleicianne Santana