RedeGN - Manuel Bandeira: Quando eu tinha seis anos Não pude ver o fim da festa de São João Porque adormeci

Manuel Bandeira: Quando eu tinha seis anos Não pude ver o fim da festa de São João Porque adormeci

Hoje é véspera de São João. Dedicamos os versos Profundamente ao leitor da redeGn. Inicialmente, o eu lírico confessa uma frustração: a de não ver o fim da festa de São João porque adormecera.

Quando despertou no meio da noite, a festa já havia terminado e todos estavam dormindo. O verso de abertura do poema “ Quando ontem adormeci” apresenta um advérbio de tempo (“ontem”) que representa a infância do autor Manuel Bandeira.

No poema, as lembranças do poeta não resvalam nunca no desespero ou em uma  visão pessimista da vida. Ao construir o seu discurso sobre as perdas do passado e do presente em um estilo simples, sem exageros sentimentais, o poeta revela a serenidade com que aceita o peso negativo das etapas vencidas, mas não esquecidas.

Confira:

Profundamente
Manuel Bandeira

Quando ontem adormeci
Na noite de São João
Havia alegria e rumor
Estrondos de bombas luzes de Bengala
Vozes, cantigas e risos
Ao pé das fogueiras acesas.

No meio da noite despertei
Não ouvi mais vozes nem risos
Apenas balões
Passavam, errantes

Silenciosamente
Apenas de vez em quando
O ruído de um bonde
Cortava o silêncio
Como um túnel.
Onde estavam os que há pouco
Dançavam
Cantavam
E riam
Ao pé das fogueiras acesas?

— Estavam todos dormindo
Estavam todos deitados
Dormindo
Profundamente.

Quando eu tinha seis anos
Não pude ver o fim da festa de São João
Porque adormeci

Hoje não ouço mais as vozes daquele tempo
Minha avó
Meu avô
Totônio Rodrigues
Tomásia
Rosa
Onde estão todos eles?

— Estão todos dormindo
Estão todos deitados
Dormindo
Profundamente.

Manuel Bandeira