RedeGN - Bispo da Diocese de Petrolina, Dom Francisco Canindé reza de joelhos sem presença dos fiéis no pátio da Igreja Catedral

Bispo da Diocese de Petrolina, Dom Francisco Canindé reza de joelhos sem presença dos fiéis no pátio da Igreja Catedral

Uma cena chamou à atenção das pessoas que passavam nos arredores da Igreja Catedral, centro de Petrolina. Nela o Bispo Diocesano Dom Francisco Canindé Palhano de joelhos reza. Dom Francisco Canindé está acompanhado de um seminarista. 

A redação da redeGN, não conseguiu contato com a assessoria do Bispo Dom Francisco Canindé para comentar o gesto. A Diocese de Petrolina publicou um decreto na última  terça-feira (17), com recomendações para os fiéis. O objetivo é evitar a disseminação do coronavírus.

Entre as recomendações do documento assinado pelo Bispo Dom Francisco Canindé Pallhano estão a "suspensão por quinze dias de mutirões de confissões, catequeses, encontros, retiros, assembleias, seminários, vias-sacras públicas, encenações da Paixão de Cristo e outros eventos que contribuam para aglomerar pessoas".

O decreto orienta também que os Seminaristas voltem para a casa das famílias. As missas estão sendo transmitidas pelas redes sociais.

Entre as recomendações do documento assinado pelo Bispo Dom Francisco Canindé Pallhano estão a "suspensão por quinze dias de mutirões de confissões, catequeses, encontros, retiros, assembleias, seminários, vias-sacras públicas, encenações da Paixão de Cristo e outros eventos que contribuam para aglomerar pessoas".

O decreto orienta também que os Seminaristas voltem para a casa das famílias. As igrejas devem permanecer abertas para orações individuais. Já as confissões individuais podem ser feitas, mas com uso de máscara.

Durante as celebrações, os abraços da paz e orações de mãos dadas estão dispensados e há pedidos para que as missas sejam transmitidas pelas redes sociais.

No início desta semana o Papa Francisco deixou o Vaticano para rezar na basílica de Santa Maria Maior, em Roma. A capital italiana, como o restante do país, está submetida a um confinamento por causa da epidemia de coronavírus. Os moradores não podem sair de casa, a não ser para trabalhar, fazer compras ou ir à farmácia.

Mais tarde, o Papa "caminhou, como em peregrinação, por um trecho da Via del Corso", uma das principais artérias de Roma, que estava vazia, e seguiu a pé, acompanhado por seguranças, até a igreja de São Marcelo al Corso, onde se encontra um crucifixo milagroso que, em 1522, foi levado em procissão pelos bairros da cidade para pôr fim à peste em Roma.

O pontífice argentino rezou "pelo fim da pandemia que afeta a Itália e o mundo, e implorou pela cura de muitos doentes", assinalou a Santa Sé. 

Redação redeGN/Blog Geraldo José Foto: Rede Sociais