RedeGN - Caso Beatriz:  Corregedoria Geral da Secretaria de Desenvolvimento Social-PE anuncia investigação preliminar para apurar denúncia de Lúcia Mota

Caso Beatriz:  Corregedoria Geral da Secretaria de Desenvolvimento Social-PE anuncia investigação preliminar para apurar denúncia de Lúcia Mota


Como divulgado pelo Blog GJ Notícias, ontem, a mãe da garota Beatriz Angélica, assassinada barbaramente dentre do Colégio Nossa Senhora Auxiliadora, em Petrolina, a pouco mais de 3 anos, apresentou denúncia ao Ministério Público de Pernambuco e Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social, onde apontou um suposto envolvimento de agentes públicos, que estariam, segundo a mãe, provocando morosidade nas investigações.

Lucia Mota, mãe da garota Beatriz, contesta a atuação de um perito, responsável por emitir laudos técnicos no caso, por ele ter prestado serviços ao Colégio onde ocorreu o crime.

De acordo com o relatório, entregue ontem (16) ao Ministério Público de Pernambuco e Corregedoria Geral da Secretaria de Defesa Social, e que já havia sido entregues à Comissão de Direitos Humanos da Câmara Federal, em Brasília (DF), em julho deste ano, Lucinha Mota aponta falhas na investigação.

Na denúncia apresentada ontem os familiares de Beatriz Angélica apontam o nome do perito Gilmário Lima, com acusações de morosidade, dentre outras acusações, que segundo Lúcia Mota estariam prejudicando as investigações.

Em nota, a Corregedoria Geral da Secretaria de Desenvolvimento Social de Pernambuco, informou que recebeu a denúncia, na manhã desta quarta-feira (16), e que será instaurada uma Investigação Preliminar (IP) para apurar os fatos relatados. "Serão ouvidas as partes envolvidas e testemunhas, além da análise de documentos e outros materiais que colaborem com esclarecimentos. Se houver elementos suficientes, poderá ser instaurado um Procedimento Administrativo Disciplinar (PAD)", diz um trecho do comunicado. 

O colégio Nossa Senhora Auxiliadora também divulgou nota, ressaltando que teve conhecimento das informações através da imprensa. “Até o momento a instituição não teve acesso, oficialmente, ao teor da manifestação, portanto, não pode, neste momento, emitir qualquer declaração sobre o assunto”, diz a nota. “A unidade de ensino reforça que está acompanhando atentamente os desdobramentos da denúncia e no momento oportuno manifestará sua defesa, caso se faça necessário.”

Da redação GJ Notícias