RedeGN - ARTIGO – SERÁ MESMO UM “NEGÓCIO DA CHINA”?